domingo, setembro 03, 2006

Indonesia seeks co-operation on Timor
From correspondents in Dili

September 03, 2006 12:00

Article from: Reuters

AUSTRALIA, Indonesia and East Timor should aim to increase co-operation at upcoming three-country talks, Jakarta's foreign minister said today amid renewed concerns about stability in the tiny fledging nation.

Indonesian Foreign Minister Hassan Wirajuda made the comments on his arrival in Dili ahead of a meeting tomorrow with Australian Foreign Minister Alexander Downer, East Timor Prime Mininster Jose Ramos-Horta and East Timor President Xanana Gusmao.

Highlighting the fragile security situation in the former Portuguese colony, more than 50 prisoners escaped from Becora jail near the East Timorese capital last week, including rebel leader Major Alfredo Reinado.

“At this meeting we want to see what kind of cooperation needs to be progressed,” mr Wirajuda said, with Australian military police standing guard nearby.

“We see, among other things, the need to develop cooperation between the northern part of Australia and Timor Leste, and also the eastern part of Indonesia.”

Timor Leste is the official name for East Timor.

Reinado was one of the figureheads of a revolt that plunged East Timor into chaos in May, prompting Australia to lead an international peacekeeping force to restore order.

His escape on Wednesday has caused bickering among the different nations involved in East Timor's security over who bore responsibility.

The rebel leader, who is currently being hunted by security forces, urged in a video obtained by Reuters Television last week that his supporters should not resort to violence.

“Me and my subordinates must comply with the legal system but the legal system does not work properly,” he said.

The United Nations refugee agency said it was concerned about an escalation in violence in Dili in recent days.

UN High Commissioner for Refugees (UNHCR) spokesman Ron Redmond said there were signs of increasing polarisation of communities in and around Dili, where some displaced persons living in camps feared night-time attacks

Five people suffered gunshot wounds in a camp in Dili on Friday and a sixth was wounded in a machete attack, an Australian Federal Police spokesman said.

There have been sporadic flare ups in violence involving gangs burning houses, or fighting one another with stones and homemade weapons since May.

The United Nations agreed last week on a new mission to East Timor, made up of some 1600 police, despite a dispute over whether Australian-led troops already there should remain independent or be part of a UN force.

Jakarta's embassy in Dili had urged the Indonesian military to monitor the border area with East Timor in case Reinado and other escaped prisoners attempted to cross, Jakarta's El Shinta radio reported.

Colonel Ediwan Prabowo, the commander of the military unit guarding the border, told the radio network that there had been no sign of Reinado or others trying to flee into Indonesia.

Dos leitores

Casa de bonecas

Numa casa de bonecas
entrou elefante.

Bonecas destaram a chorar
algo tão gigante
chegaram observar.

Na sua ingenuidade pensaram
que ele quisesse
com elas brincar,
carinho dar,
na sua casa bailar.

Elefante gigante colossal
olhou para bonecas
com aquele seu ar
sereno e estival.

Um passo deu
cada pata um penhasco.

a casa de pequenas
doces bonecas
toda caiu.

Pedaços espalhados
no solo
do seu lar
já quase sem vida
a serem o que
não eram.

Último suspiro deram
se extinguiram.

Zé Satírico

Prémio A Arrogância do Costume

Timor must face responsibility, says Downer

By Nhada Larkin
September 03, 2006 01:12pm
Article from: AAP

EAST Timor must accept responsibility for its own affairs and find solutions to its own problems, Foreign Minister Alexander Downer said today as he prepared to meet with that country's leaders.

Mr Downer said Australia would never turn its back on East Timor but the East Timorese had to accept responsibility for this week's mass jailbreak.

Mr Downer leaves for Dili this evening for meetings with East Timorese Prime Minister Jose Ramos Horta, President Xanana Gusmao, Indonesian Foreign Minister Noer Hasan Wirayudha and Australian military leaders in the country.

He said none of the 57 escapees had so far been recaptured and he was concerned they could contribute to “further instability in East Timor”.

“We have been as a people enormously generous to the East Timorese and will continue to provide them with support – but the East Timorese have to accept responsibility now, because they're an independent country, for their own affairs,” Mr Downer said at Stirling in the Adelaide Hills.

“They have to learn to find solutions to their own problems not just expect the international community indefinitely to solve all those problems for them.”

Rebel leader Alfredo Reinado and 56 other inmates escaped from Dili's Becora prison on Wednesday afternoon. Mr Horta has laid some of the blame for the escape on overseas troops and singled out Australian forces.
“I completely reject those suggestions,” Mr Downer re-iterated today.

“You cannot blame Australia or New Zealand or Portugal or Malaysia or the secretary general of the United Nations for all the problems of East Timor.

“... No country has been more supportive of East Timor than Australia and to blame Australia for everything that goes wrong in East Timor, that's part of the problem.

“The East Timorese have to accept responsibility for their own affairs and manage their own affairs.”

He said this was the message he would be emphasising during meetings with that country's leaders.

Mr Downer said Australia would continue to provide development assistance to East Timor for “quite some years to come” but the security situation would increasingly become a policing job rather than a military job, with the latest UN security council resolution allowing for the deployment of more than 1600 international police there.

“It's unlikely that as many troops would be needed,” he said.

“... We won't be leaving more military there than we need.”


Asean 100 Leadership Forum Held


By Sonia K

Bandar Seri Begawan - The Asean 100 Leadership Forum 2006, a rotating annual event by Asia Inc Forum, was held for the third-time in Jakarta, Indonesia from August 23 till 24.

The forum is an interactive and thought provoking meeting of minds of one hundred of Southeast Asia's most promising next generation leaders from businesses, governments and civil sector, who are important to the future of Asean.

he forum engages new and emerging leaders in open discussion and debate on key regional issues and challenges, as well as where Asean is headed from their perspective.

This year's forum brought together over 200 Southeast Asian leaders from seven Asean economies, under the theme "Securing Southeast Asia's Place in the World", to discuss and debate Asean's approach to regional integration, the global economy and renewed focus on Asia, democracy and business, anticipating and responding to crises, the impact of continued re-emergence of China and India and sustaining economic reforms. It also explored what these issues mean for business and politics within the region.

Included was a Dinner & Dialogue with President Susilo Bambang Yudhoyono of Indonesia. In his address "Transforming Indonesia: What Lies Ahead and the Implications for Asean", President Yudhoyono stressed nine key points in Indonesia's reformation. Later he engaged in a question and answer session with delegates.

Other distinguished players included Vice President Jusuf Kalla of Indonesia, Nobel Peace Prize recipient Prime Minister Dr Jose Ramos-Horta of Timor-Leste, and Hon. Manuel Roxas II of the Philippine Senate.

Also participating in the forum was Pehin Datu Singamanteri Colonel (Rtd) Dato Seri Paduka Haji Mohammad Yasmin bin Haji Umar, Deputy Minister of Defence, Brunei.

The Asean 100 Leadership Forum was convened by Asia Inc Forum, a Bruneibased business and public policy dialogue facilitator.

It is part of a group that includes Asia Inc bi-monthly magazine and The Edge Singapore weekly. In addition to its own programmes in Southeast Asia and Australia, Asia Inc Forum has a proud record of partnership with the region's most prestigious conferences including the APEC CEO Summit and the East Asian Insurance Congress 2006. -- Courtesy of Borneo Bulletin

Australian FM to hold Timor talks

By Phil Mercer
BBC News, Sydney

The Australian foreign minister Alexander Downer is heading to East Timor for talks on security.
It follows the escape of more than 50 inmates from a prison in Dili and more unrest in the East Timorese capital.

Australian troops are leading an international peacekeeping effort after serious disturbances broke out in Dili earlier this year.

East Timor's government has accused the international forces of not providing enough security outside the jail.

Australia has rejected the allegation and there is likely to be some tough talking in Dili during Mr Downer's visit.

Some of the fugitives have been recaptured but the vast majority are still on the run.


Among them is Major Alfredo Reinado, who is suspected of orchestrating some of the violence that shook East Timor earlier this year.

In May he led a group of 600 disaffected soldiers who had been sacked by the government.

They had been dismissed after going on strike complaining of discrimination within the army.

Clashes with loyalist forces caused chaos.

After weeks of relative calm, there has been further gang violence in Dili.

Shots have been fired and serious injuries reported.

Discussions between Mr Downer and senior East Timorese leaders will take place in this increasingly unstable environment.

Details of a new United Nations peacekeeping mission to East Timor will also be on the agenda.

In Dili, Mr Downer will also have talks on terrorism and transnational crime with his Indonesian counterpart Hassan Wirajuda.

Story from BBC NEWS:

Published: 2006/09/03 02:22:38 GMT

Sobre a reunião tripartida - TL, IND e AUS

Dos leitores:

Parece que está em agenda também falar sobre as eleições de 2007 em T.L... Apetece perguntar: a FRETILIN será a mais votada, provavelmente com maioria, que fará Downer, Xanana e todos que têm na consciência os mortos e deslocados desta última crise? Nessa conjuntura será que Xanana se demite? Ou será que se vão manter e manterão crises sobre crises para que não se realizem eleições enquanto a conjuntura não for favorável a Xanana e aos amigos australianos?

É certo e sabido que a Austrália está "enterrada até ás orelhas" e foi a "fabricante" desta última crise em T.L.
O mundo inteiro sabe disso. Até mesmo cidadãos australianos o referem e criticam.
Por gula de lucros e expropriações petrolíferas Downer é responsável pelas mortes e desalojados em T.L.
O papão do marxismo já lá vai e o senhor Alkatiri fez o que lhe competia: defender os interesses de Timor.
Mundialmente, Downer já foi julgado e condenado e arrastou a Austrália consigo...
O governo de Timor, saído da crise,
e que participará nesta reunião, tem o dever de, diplomaticamente, fazer notar aos australianos que cooperação não significa ingerência nem tramas políticas que desestabilizam e consequentemente provocam mortos e desalojados.
Este governo tem de ter coragem para dizer que, assim, a política de Downer não é bem vista em Timor-Leste nem no mundo civilizado e democrático.
Coisas dessas fazem os U.S. no seu quintal da América Latina e antes faziam-no todos os dias.
Timor e os timorenses não merecem continuar a sofrer por via da Austrália.

Reunião entre o antigo ocupante, o actual ocupante e o ocupado!


Dos leitores

Vontade nao me falta
A familia esta primeiro
Mas se tudo correr certo
Ai estarei em janeiro

Janeiro tempo de chuvas
De relampagos e trovoadas
Cortam os coqueiros a meio
Estragam as estradas alcatroadas

Tenho embebido em mim
Um profundo desejo final
Que passarei o resto da vida
Na minha terra natal

Digo isso com muito fervor
As saudades sao de matar
So vejo o meu querido Timor
A dormir e a acordar

A vida ensinou-me coisa ou duas
Que guardo dentro do peito
A primeira e amar a Patria
A segunda e ter respeito

Vou aqui expressar o que sinto
A todo o timorense irmao
Unidos venceremos todos
Divididos tombaremos no chao

Um abraco

Mau Dick


Indonésia reforça na fronteira para evitar entrada de fugitivos

Jacarta, 03 Set (Lusa) - O exército indonésio reforçou a segurança ao longo da fronteira da Indonésia com Timor-Leste após a evasão de uma cadeia de Díli de 57 reclusos, entre os quais o chefe militar rebelde Alfredo Reinado.

"Aumentámos a segurança para impedir que Alfredo Reinado e os outros homens em fuga se refugiem na Indonésia", declarou hoje o porta- voz das forças armadas indonésias, Sunarto Sjoekronoputro, citado pela agência de notícias oficial Antara.

O porta-voz militar explicou tratar-se de uma medida que visa afastar qualquer ideia de que a Indonésia apoie qualquer acção que possa vir a ser empreendida pelo líder rebelde timorense se este conseguir entrar no território indonésio.

O governo indonésio fez saber, por outro lado, que não interferirá nos assuntos internos do Timor-Leste e que com o reforço militar na sua fronteira visa apenas "assegurar que nenhum dos fugitivos entre na Indonésia".



Austrália diz que timorenses devem resolver os seus problemas

Sydney, 03 Ago (Lusa) - O governo australiano declarou hoje que o Timor-Leste deve ser responsável pelos seus assuntos internos e procurar soluções para os seus problemas, segundo a agência de notícias australiana AAP.

"Os timorenses têm que aprender a resolver os seus problemas e não continuar à espera de que a comunidade internacional faça tudo por eles", declarou o ministro australiano de Negócios Estrangeiros, Alexander Downer, na cidade de Adelaide.

As declarações de Downer constituem uma reacção à apreciação feita sábado pelo primeiro-ministro timorense, José Ramos Horta, que acusou as forças internacionais estacionadas no seu país pela evasão de meia centena de prisioneiros de uma cadeia de Díli.

O chefe da diplomacia australiana garantiu que a Austrália nunca voltará as costas a Timor-Leste, mas disse que os timorenses devem assumir a responsabilidade da fuga dos 57 reclusos que se evadiram, entre os quais o chefe da revolta militar, Alfredo Reinado.

"A Austrália ou a Nova Zelândia, Portugal, a Malásia ou o secretário-geral da ONU não podem ser responsabilizados pelos problemas do Timor-Leste", declarou Downer.

"Os timorenses agora são uma nação independente e têm de ser responsáveis pelos seus assuntos internos", acrescentou o chefe da diplomacia australiana.

Downer estará hoje em Díli para se encontrar com o seu homólogo timorense, Ramos Horta, e com o presidente Xanana Gusmão.



GNR muda-se segunda-feira para quartel em Caicoli

Díli, 02 Set (Lusa) - O contingente militar da Guarda Nacional Republicana estacionado em Díli, Timor-Leste, muda-se segunda-feira para um quartel na zona de Caicoli, disse hoje à agência Lusa o 2.º comandante do subagrupamento Bravo, tenente Nuno Simões.

Actualmente a ocuparem as instalações do Centro de Estudos Aduaneiros da Alfândega timorense, em Caicoli, e o hotel 2001, numa zona afastada do centro de Díli, os 127 homens da GNR desenvolveram nos últimos três meses "um plano de melhoramento do edifício de Caicoli que permite agora instalar toda a operação no mesmo local".

As obras de melhoramento do local, a cargo de uma empresa de construção local e dos militares da GNR, estão "praticamente prontas a receber não só os 127 militares mas também a equipa de três elementos do INEM que acompanha a missão", disse.

Com dois pisos e uma área anexa de grandes dimensões, a GNR terá em Caicoli espaço para "instalar todo o contingente, material, serviços de apoio" bem como disporá de espaços anexos necessários a missões prolongadas como um ginásio (ainda por construir), pontos individuais de Internet e sala de convívio "totalmente construída com materiais velhos que foram aproveitados".

"O que aqui fizemos foi aproveitar as condições deste edifício para criar espaços onde seja possível ter todo o subagrupamento instalado e com as condições que uma missão de vários meses necessita", explicou Nuno Simões numa visita com a agência Lusa às instalações.

Os dois pisos do edifício estão divididos em salas de trabalho, operações, central de comunicações, casernas, sanitários, balneários, zona de duche, contentores de habitação, zonas de apoio como oficinas, contentores frigoríficos para armazenamento de bens, salas de Internet, paiol, e possui autonomia em electricidade com um gerador bem como de abastecimento de água com depósito de emergência.

"à volta de todo o recinto foi construído um muro de cerca de três metros, criadas zonas de drenagem de águas e está prevista ainda a construção de um pequeno ginásio e de uma zona de lavagem de viaturas", explicou Nuno Simões.

A cozinha, refeitório, casas de banho, duches e balneário são novos num projecto em que os militares da GNR "se empenharam para deixar instalações de qualidade e onde foram responsáveis pelas instalações eléctricas, canalizações e colocação de equipamentos", disse.

Num dos cantos do recinto continua também a antena que permite ao contingente estar "ligado a Lisboa" de forma independente, isto é, a rede telefónica é idêntica àquela que é usada se o subagrupamento estivesse em Portugal permitindo estar em permanente contacto com o comando da GNR bem como aos militares falarem a custo mais reduzido para a família.

A antena já esteve em Timor entre 2000 e 2002, depois foi para a missão portuguesa no Iraque e agora está de regresso a Timor-Leste para o trabalho do contingente da GNR.

No trabalho de recuperação de materiais, os militares da GNR já recuperaram também três viaturas do Governo que estavam paradas, geradores e foram ainda "buscar ao quartel de Hudilaran, que foi ocupado até 2002 pela GNR, um forno de pão, uma misturadora, e uma lavandaria de campanha que nunca mais tinham sido utilizadas".

Entre o equipamento instalado, recuperado e concebido no local não falta também uma pequena capela a Nossa Senhora do Carmo, padroeira da GNR, e uma guarita em betão que está prestes a ser inaugurada logo à entrada do quartel.




Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.