quinta-feira, setembro 14, 2006

Dos leitores

A very well argued and thought out article. Yes it is these basic ground rules which are the path to salvation for East Timor. The rules of democracy, open debate and the free exercise of popular will through the ballot box. Reinado is not the only one though speaking counter to these building blocks for a democratic and free East Timor.

A number of the opposition parties calling for the dissolution of the parliament and the potsponement of elections and rule by Presidential decree until "conditions exist for elections" (code for when they feel they can win and not Fretilin) as Mr manuel Tilman and others are not in this democratic vein. Unfortunately free speech is not just threatened but in danger right now and will be for some time. There is no free speech in east Timor today.

There is only the Gusmao view of how East Timor should be and the view Fretilin has no right to exist view. Anything to the contrary results in political persecution and physical threats. Despite this prevailing climate of fear and demagogy, Fretilin will continue to promote free speech and democracy as it always has. It has been the vanguard of these principles before May 2002, when others were trying to create a regime with no political parties and one umbrella under the CNRT type democracy. This tradition of being the vanguard for democracy and free speech goes right back to day one of the Indonesian invasion in 1975.

These principles could not be destroyed in East Timor then and will continue strong until the next elections, which the world want to see, the people want to particpate in and in which Fretilin will participate in, and hopefully everyone will abide by the results which will without doubt not be fair and free because Fretilin will be intimidated throughout, but as many predict still prevail.


Esperemos que não, e que a verdade venha ao de cima

“We are dealing with recent events, in which many of the people from whom we have heard occupy presently positions of political responsibility. This situation has demanded a great sense of responsibility by the commission. I think this means difficult task, but I do not think it is a difficult or impossible one” said Sergio Pinheiro. Interesting statement, and one indicating serious consideration by the commission to arrive at the truth I trust.

UNOTIL Daily Media Review

Wednesday, 13 September 2006

National Media Reports
TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisao de Timor-Leste

I Do Not Intend To Be Involved in TL Politics: Ramos-Horta

Prime Minister Ramos-Horta stated his intention of not participating in the country’s politics as of next year due to the insistence by some people that he is seeking power. Therefore, Ramos-Horta stressed, the population must start thinking of who they want to elect to be the next Prime Minister and President. He said his purpose of being in Timor-Leste is to assist the people and not to seek power. The Prime Minister stressed he did not do any political maneuvering during the crisis adding that he alone acted as a bridge between Mari Alkatiri, President Gusmão and Fretilin’s President to find a solution to the crisis. Ramos-Horta said if he wants power he would try his luck in 2007 but because he doesn’t want that. He said he opted to stay in Timor-Leste because of the crisis and as result he lost a bigger seat in the United Nations as the Secretary- General. He said he wanted to stay in Timor-Lest and not run away to New York. The Minister said that during the crisis no one pointed a finger at him for being involved in distributing guns or stones or wanted to bring down Alkatiri as he was part of the government and gave 100 percent over the last four years to the nation out of loyalty He said only a mad person would want to become Prime Minister during a crisis and for a short term.

In a separate article, in Suara Timor Lorosae, Ramos-Horta said his main concern is that Major Alfredo will opt for violence although he believes he will voluntarily surrender as he is intelligent and knows what is best for this nation. (STL)

Timor Post reported Prime Minister Ramos-Horta who is also in charge of the Defence Force as saying during an interview with RTTL that F-FDTL has not been engaged in joint operations with the international forces. He said some members of F-FDTL have been working with the International Forces in the districts to inform the population about the current situation. (TP)

Horta Should Not Interfere In Fretilin’s Affairs: Lu’Olo

President of the National Parliament Francisco Lu’Olo Guterres said Fretilin was the one supporting Ramos-Horta to become the Prime Minister for the II Constitutional Government and would continue to provide support until his mandate concludes. But, according to Guterres, Fretilin asked Ramos-Horta, as an independent person not to interfere in the affairs of Fretilin and other parties. (STL, DN, TP)

In a separate article, Francisco Guterres said as an immediate measure, Parliament would formally present the complaints of the IDPs about the Australian forces to the UN executive in Timor-Leste. A group of IDP presented their complaints to the Parliament on Tuesday.

According to Diario Nacional, MPs Feliciano de Fatima (ASDT) and Maria Paixão (PSD) said that Parliament must request Australian Commander Mick Slater to provide clarification on the complaints presented by IDPs in Comoro. (DN)

FNJP Gives Ultimatum To Government

Frente Nasional Justisa no Paz has given an ultimatum to the government to urgently resolve the crisis or face actions to dissolve the Parliament, Vital dos Santos, the groups’ coordinator told the media on Tuesday following a meeting with all interested parties that they want peace for the country. The government has been given one week (12/9-19/9) to resolve the problems. He did not reveal what type of actions the group is planning.

In the meantime, MP Madalena da Silva (Fretilin) demands the President of the Republic present the report on the implementation of emergency measures especially in the areas of defence and security to Parliament. According to Madalena, until now the Parliament has not received a report and does not know where the defence development stands since President Xanana declared a state of emergency. She would like the Parliament to present her request to President Xanana. (TP, STL)

Fretilin Reformer Prepared To Dialogue

A member of Fretilin’s Reformer Group, Vicentre Maubocy said his group is prepared to dialogue with Mari Alkatiri and Lu’Olo’s group in order to resolve Fretilin’s internal problems. Maubocy said the main theme of the dialogue would center on Mari Alkatiri’s image as he is the reason for the downfall of the Fretilin government. (DN)

STAE Violates Constitution

Cecilio Caminha Freitas, Chairperson of East Timor People Action (ETPA) said the census process launched by the Technical Services of the Electoral Administration (STAE) is against the constitution of RDTL. Freitas said according to the Constitution of RDTL , census can only be processed when an Independent Electoral Commission has been established in order to oversee the work of STAE. He said STAE must wait for the legislation on the electoral law and the Independent Electoral Commission, noting there would be some changes to STAE as per the new legislation. He recommends it would be better for STAE to wait until the legislation is approved by the Parliament and the President. (STL)

Band Tours For Peace

In order to promote peace and commemorate the International Day of Peace, the bank 5 do Orient is touring the enclave of Oecussi, Ego Lemos, the bank coordinator said in a communiqué. The band hopes to further encourage the communities in Oecussi to maintain and strengthening peace. The theme of the tour will be “Peace and Nature/Environment” and involves activities such as screening of films, music concert and festival gathering with the communities which kicks off in the sub-districts of Nitibe on Sunday 17 September, then Oesilo, Pasabe and conclude on Pante Makassar the International Peace Day, 21 September. The government of Ireland, Oxfam Australia, IOM-Timor-Leste, Caritas Australia, Concern Timor-Leste, civil society and the people of Oecussi have sponsored the tour. (TP)

RTTL Headlines, 13 September 2006

Patients Leave Dili National Hospital as the result of the ongoing attacks

The Director of Dili National Hospital, Antonio C. Junior told the media that in the last three days, stone-throwing is still occurring near the national hospital which has resulted in at least 28 patients leaving the hospital. He said that the fighting is initiated by people who are outside the IDP camp, but enter the hospital compound. At a result of the fighting some IDPs have tried to protect themselves by hiding in the patients’ rooms traumatizing the patients and forcing them leave.

National Parliament (NP) to send letters to Government and Head of UN in Timor-Leste

The president of NP told the media that based on the complaint from the members of NP in regard to the act of International Forces, two letters have been prepared and will be sent as soon as possible to the government and the head of the UN mission in East Timor. One will contain the result of the liberation plenary that has just completed and the other will set out the discontent of the members of NP regarding the acts of International Forces against the IDPs allegedly occurring during several incidents last week.


Outubro 2006

O mês em que se espera o relatório da Comissão de Investigação da ONU e que a PGR se pronuncie sobre os casos de Rogério Lobato e Mari Alkatiri.


'Sheriff' Australia under fire

13/09/2006 22:20 - (SA)

Sydney - Australia says it is not the sheriff of the South Pacific, but complaints over a rebel jailbreak in East Timor and riots in the Solomon Islands are putting its new activist foreign policy to the test.

In both countries Australia has troops or police on the ground in a peacekeeping role, and in both cases it has been blamed for failures that plunged them deeper into crisis.

Prime Minister John Howard has reacted angrily to the charges, but analysts said on Wednesday he should expect increasing criticism as he follows through with the "Howard doctrine" of greater intervention in the region.

'Cop the flak'

"This is part of growing up in foreign policy terms and you've got to cop the flak sometimes, that's just one of the costs," said University of Sydney security analyst Alan Dupont.

"One of the problems in taking a more active approach under the so-called Howard doctrine is we are going to suffer the consequences every time something goes wrong in one of these states and it's difficult to get any kudos," he told AFP.

Australia's responsibility

Howard has made it clear that he believes Australia, as the most powerful country in a region of tiny and impoverished island nations, has a responsibility to help them maintain stability.

He announced last month that the army would be boosted by 2 600 troops and the federal police force by 400 to cope with increasing international deployments.

But he rejected suggestions that he aspired to be the region's sheriff.

"Can I just place on the record my rejection of the proposition that Australia has become the sheriff of the Pacific," he told reporters.

Solomon Islands

On Wednesday, however, a clearly annoyed Howard said he would not accept Solomons Prime Minister Manasseh Sogavare's expulsion of Canberra's high commissioner over an inquiry into rioting and for meddling in internal politics.

"We don't accept for a moment the expulsion of our high commissioner Patrick Cole," Howard told national radio, setting the stage for a diplomatic showdown.

"He was doing the right thing, he was representing the interests of Australia, he was concerned about corruption in the Solomon Islands," he said.

East Timorese jailbreak

Australia was also blamed by the East Timorese Prime Minister Ramos Horta for a jailbreak last month which saw rebel military officer Alfredo Reinado walk out of prison with 56 others.

Howard and foreign minister Alexander Downer strenuously denied the charge, saying responsibility for prison security was in the hands of the East Timorese.


One dead in E. Timor gang clashes


POSTED: 0232 GMT (1032 HKT), September 13, 2006

DILI, East Timor (AP) -- Gangs of youths armed with machetes have clashed in the East Timorese capital, killing one fighter and injuring five others, police and hospital officials say.

International peacekeepers fired tear gas and rubber bullets during the violence late Wednesday to disperse the gangs as they fought close to the presidential palace, witnesses said.

Manuela Gaio, a nurse at Dili's main hospital, said the corpse of one fighter was taken to hospital, along with four wounded men. Another injured man was treated at a nearby health clinic, an official there said.

The dead and wounded had puncture wounds consistent with sharp weapons, Gaio said.

Asia's newest nation descended into chaos in May when fighting between factions of the security forces spilled into gang warfare, looting and arson attacks, leaving at least 30 people dead and sending some 150,000 others fleeing their homes.

Calm largely returned with the installation of a new government and the arrival of foreign peacekeepers, but tens of thousands of people still live in temporary camps and gang fights have continued.

Gang fighting was a problem in East Timor before the May violence, but it was exacerbated by the crisis.

Copyright 2006 The Associated Press. All rights reserved.This material may not be published, broadcast, rewritten, or redistributed.


ETimor Gangs Clash in Dili


14.9.2006. 12:34:19

Gangs of youths armed with machetes have clashed in the East Timorese capital Dili, killing one fighter and injuring five others, police and hospital officials said.

International peacekeepers fired tear gas in an attempt to disperse the violence which took place near the presidential palace.

Manuela Gaio, a nurse at Dili's main hospital, said the corpse of one fighter was taken to hospital, along with four wounded men. Another man was treated at a nearby health clinic for his injuries, an official said.

The dead man and the wounded fighters have puncture wounds consistent with sharp weapons, Gaio said.

East Timor descended into chaos earlier this year when fighting broke out between factions of the security forces and spilled into gang warfare, looting and arson attacks, leaving nearly 30 people dead and displacing some 150,000 people.

A new government and international peacekeepers have largely restored calm to the country, but thousands of people continue to live in temporary camps.


Dos leitores

The World Bank in its statement said “ Timor-Leste achievement are remarkable. The executive branch of the state has been successfully in establishing core planning and resource management functions that are effective, transparent, and anchored on the NDP, and compare very favorably with other low income countries…..” (2006)

At the time of the restoration of its independence in 2002 the annual budget was USD 77.7 million, of which more that half originated from donors. For the Fiscal Year of 2006/2007 the government could now propose USD 315 million.

Timor-Leste has also completed a set of regulatory framework to ensure a proper and transparent management of its non-renewable resources. The Petroleum Fund, Petroleum Taxation Act, Petroleum Mining Code all have been passed and in use.

Positive economic growth 2005/06 of 2.3% after the mere 0.4% figure in 2004, but in the same time the population has grew at a rate of around 3.2%, this might help to explain the negative figure on overall GDP growth as reported by some sources.

In the area of Education the Government has recovered, built and is operating 649 public primary schools, 90 Pre-Secondary schools, 31 Secondary Schools. By June 2006 it was suppose to complete another new 50 schools and have 26 schools rehabilitated, but due to the recent crisis it is not clear if it has been completed. There are at least 6000 teachers being engaged. Even though working under difficulties the government has recently introduced the school feeding programme for primary schools and freed the students from school fees. This school feeding programme will benefit at least 75000 students. By the end of 2005 the combined gross enrolment ratio was 66% and the primary school attendance ratio was 86%.

It is estimated that 82% of Timorese has now access to health care services, it was around 62% in 2002. The country has now in average one doctor for every 3400 Timorese, one hospital bed for every 2400 citizens. The infant mortality rate has dropped from 88 in 2002 to 66 per every 1000 births and child mortality rate was also reduced from 125 to 83 per 1000 children. During the last four years the country has new 26 health centers and 10 health post adding up to the 22 health centers and 81 health posts rehabilitated during the same period.

About 157 irrigation system has been rehabilitated and built, which combined with accessibility to agricultural inputs and technical assistance increased by 19% the production of rice and 22% of maize during last year. The agriculture sector contributed around USD 105 million to the GDP, it was USD 81.5 million in 2002.

Timor has no foreign debt.

Extracts…..taken from “Timor Leste an Overview.” (3. What have been Achieved) By: Hernani F Coelho da Silva (2006) current Timor Leste Ambassador to Australia (The Original document is too large to fit in the Blog).


Queixa contra comportamento forças militares e policiais australianas

De um leitor:


Joint Task Force - Brig. Mick Slater

UNPOL – Commissioner Antero Lopes
Obrigado Baracks

Australian Federal Police – Colonel Steve Lancaster
Timor Lodge

Subject: Complaint against Australian military and policial action

Yesterday, 11th of September 2006, around one in the morning I was driving alone on green Mitsubishi Pajero with the registration number 16-874. After the Bidau Bridge on the direction towards Areia Branca and away from Dili, I was told to stop at an auto-stop by an Australian military patrol.

I was driving faster than the permitted 45kph speed limit given the frequent attacks against vehicles at nights.

I stopped and the soldiers requested my authorisation to search the car which I immediately granted.

I was talking on the phone when one of the soldiers who were searching the car moved towards me and used the word "fuck", to comment on something related to the velocity at which I was driving.

I asked whether he used the word "fuck" or could I have misunderstood him. The soldier answered yes and he said "fuck," and from then one he began to repeat ostensively in an aggressive and arrogant way using offensive words in every sentence.

I told him that he should not use that type of language, at which he responded that he could speak with any "fucking" way he pleased.

I requested his identification and told him that I expected an apology. He responded that he did not have to give me any "fucking" identity and would not be "fucking" apologising.

I contacted the Australian police who sent a patrol with two Australian and two Malaysian police officers.

They took note of the incident and said that they would identify the Australian soldiers. The Australian police officer Dean Messenger gave me the job number, it was 18530.

They told me that the next day I could ring the same number at the Australia police command and they would inform me of the correct proceedings to present a formal complaint.

All of the members of the police patrol had a correct and professional attitude, which was also witnessed by some of my friends who arrived in the meantime.

This morning I rang the police command and passed on my name and the job number and was told to be contacted later.

They called me again and asked what I wanted. I told them again about what happened and they decided to call me back later.

As no one rang me by 3 in the afternoon, I called them and again gave them the job number. I told them again what happened and I wanted to know where I could lodge the complaint, etc.

They said that they would connect me to their superior. Sergeant Better came to the phone and asked me my name again and what had happened.

I explained that I have already spoken many times with his colleagues today and gave them the job number and told him that I have explained many times what had happened, and if he could give me the patrolling soldiers' identification and inform me where I can lodge a complaint.

He said he wasn't aware of the situation that I had to repeat everything again. I asked him to refer to the job number. He hung up the phone.

I called again and asked him if the line were down. He said he had things to do and it was he who hang up the phone.

He said that the Australian military liaison officer would call me at his time and convenience, which he arrogantly repeated time and again.

I have never witnessed such arrogance and lack of professionalism from the members of the security force such as that of the Australians and that of sergeant Better from Australian police.

Timor-Leste is a sovereign nation and the foreign security forces are in this country to help re-establish order, and not to do whatever they please without being accountable to anyone.

In a place where violence occurs daily in the streets around the capital amid the presence of thousands of Australian soldiers, these ones order a woman to stop in the middle of the night. They are vulgar and arrogant.

The Australian police sergeant who attended the telephone putting himself in the service of the people came across as arrogant and lacked professionalism, did not provide the correct proceedings, did not give information requested to him, forcing me to think that he was more concerned about protecting his own Australian nationals than trying to solve the situation.

I would like to know if these soldiers and these police would show the same attitude if I were an Australian or if we were in Australia and not Timor-Leste.

The Australian military, instead of showing a professional example, they are acting exactly the opposite to what is expected.

The Australian military has been accused today in the National Parliament for making various inadmissible interventions inside the refugee camps at the airport.

The Australian military which protected a deserter, a wanted man which only detained him after other security forces denounced the situation.

The Australian military force accused by the Prime Minister of Timor-Leste of having allowed the escape of 57 prisoners from the Becora Prison including Alfredo Reinado.

The Australian military forces, which command confirmed that he knew the whereabouts of the prisoners, but after 12 days did not even make any detention.

It is now easier to understand the statements made by the Australian Minister of Foreign Affairs, Downer when he said that it is easier for the Australian military force in Timor-Leste to receive orders from Canberra than from New York, as an argument to oppose the integration of Australian military into a force under the United Nations.

It is seven in the evening and by the looks of it, it has not been convenient for the Australian liaison officer to get in contact with me.

Therefore I appeal to all authorities to whom I address this letter to proceed according to the rules and protocols of which this issue is subjected and to do everything possible so that this type of situation does not repeat itself.

Best Regards,

(identified name and signature)

Díli, 12th of September 2006


GNR resolveu confrontos em Díli


A GNR foi obrigada a utilizar armamento não letal para pôr termo a confrontos violentos entre moradores de dois bairros de Díli, disse à Lusa o comandante da força portuguesa em Timor-Leste.

Segundo o capitão Gonçalo Carvalho, os confrontos ocorreram hoje à noite (hora local) e prolongaram-se por cerca de 90 minutos, tendo a GNR enviado para o local dois pelotões e uma equipa de operações especiais.

"Durante a acção de reposição da ordem pública foram efectuados 65 disparos de caçadeira, com zagalotes de borracha, 25 disparos de granadas com bagos de borracha e arremessadas 10 granadas, também com bagos de borracha", precisou o oficial da GNR.

Os confrontos iniciaram-se depois dos moradores de Quintal Bot (Quintal Grande, em tétum), terem sido atacados pelos vizinhos de Quintal Ki`ik (Quintal Pequeno), que os acusaram de terem morto um dos seus, motivando uma primeira intervenção de militares australianos, que chegaram a efectuar disparos com balas reais.

Face à sua incapacidade para resolver o problema, os militares australianos pediram o apoio da GNR, que fez deslocar efectivos para dispersar os grupos em confronto, que antes apedrejaram viaturas civis que passaram no local.

Os moradores de Quintal Ki`ik resistiram à ordem de dispersar e começaram a apedrejar e a atirar dardos contra os militares portugueses, atingindo nomeadamente a bota de um e o colete de outro, mas sem os ferirem, disse Gonçalo Carvalho.

"Também do lado dos atacantes não referenciamos nenhum ferido", acrescentou o comandante da GNR em Timor-Leste.

A situação ficou resolvida após cerca de 90 minutos, depois de desmanteladas as inúmeras barricadas no local, formadas por viaturas, frigoríficos, pedras e pedaços de árvores.
Timor-Leste vive uma situação de tensão desde o final de Abril, sendo frequentes os confrontos entre grupos rivais em Díli.

Agência LUSA
2006-09-13 15:58:30

António Costa vai a Díli


O ministro de Estado e da Administração Interna parte para Timor-Leste dia 25 deste mês, chega a Díli dia 27 e regressa a Portugal no dia 29.

(17:45) António Costa vai visitar os 130 elementos da GNR e 15 da PSP que se encontram em serviço naquele país.

Embora nem todos os encontros estejam, para já, confirmados, o ministro deverá encontrar-se também com o Presidente da República Xanana Gusmão e com o Primeiro-ministro Ramos Horta.

Com António Costa vão viajar o Director Nacional da PSP Orlando Romano e o Comandante Geral da GNR Mourato Nunes, este último acabado de regressar de Timor.

Mourato Nunes visitou os seus homens a semana passada e vai fazê-lo de novo dentro de duas semanas.


Bem aparecidos bravos da GNR!

Do Timor um blog do Publico.pt:

Em fim de calmo serão familiar, somos subitamente surpreendidos pelo ladrar dos cães de todos os quintais da vizinhança dando sinal de que algo corre mal.

Não sendo nenhum tremor de terra – que, quando acontece origina de imediato uma sucessão de ruídos (gritos e bater de objectos) propositadamente provocados em tom de informação aos que estão no âmago da Terra e aos que já partiram que, nós, os vivos, ainda cá estamos no Mundo -, o mal só pode ter tido origem humana!

Num crescendo, ouvem-se gritos, o tinir dos canos de ferro usados como sinal de alerta, ruídos que tão depressa parecem estar próximos como mais distantes e, logo a seguir, uns quantos tiros.
Tanto e tão alto soaram os angustiados gritos que o Guilhermino, montanhês pouco habituado a estas loucuras da cidade, tão depressa quanto imaginou, transformou a íntima suposição em pública e certa realidade, garantindo sério ter até ouvido o choro das mulheres e crianças…

Prudentemente apagadas as luzes da varanda – que o diabo tece-as! -, tentamos perceber a origem da aflição. Com as montanhas que nos rodeiam, os sons ecoam por todo o lado e ficamos um tanto confundidos com a proveniência de tanto alvoroço. Tanto pode ser da ponte de Comoro, como do aeroporto como de Rai Kotuk, lá mais para a frente, próximo de Taci Tolu.

De imediato, telefonamos aos nossos mais velhos. É urgente avisá-los, saber como estão, aconselhar-lhes calma! Conhecedores entretanto de que os mais velhos, familiares e amigos da zona se encontram a salvo, é a vez de um contacto para a GNR. Telefone ocupado. Tento ligar para o número de outro amigo; daí a pouco e em resposta ao meu telefonema fico a saber que mais de uma centena de jovens tentou atacar o campo de refugiados do aeroporto. Daí a correria e os gritos. Os tiros para o ar são da GNR que, chamada ao local, procura restabelecer a calma. Alguns minutos mais tarde, tudo volta a ficar silencioso.

Respirámos fundo! Bendito retorno à tranquilidade! Até pudemos olhar o céu e apreciar o fantástico luar de Agosto!

E comungámos do mesmo e imenso sentimento de gratidão! Pela GNR,naturalmente; pela sua pronta intervenção e resolução de mais um problema. Ah, bem aparecidos bravos da GNR!

Angela Carrascalão Sábado, Setembro 09, 2006


Soldados da GNR atacados


Cerca de 60 elementos da GNR reagiram aos confrontos entre dois grupos, na última noite, junto ao palácio presidencial no centro da capital timorense.

(23:17) Segundo a agência France Press, durante a intervenção, a GNR acabou por tornar-se o alvo e teve de reagir com disparos de balas de borracha.

Duas pessoas foram hospitalizadas, feridas por pedras, mas a situação está agora calma.


Dos leitores

Tradução da Margarida.

É um disparate o que Ellison e Downer disseram. Reinado não tem apoio e eles recebem sempre informações sobre onde estão mas nunca chegam a tempo. Chegam tarde demais, como foi admitido tanto pelo Comandante Lancaster como pelo porta-voz da ADF.

Não há dúvida de que tem de haver cuidado porque o homem com o XXX tatuado na parte detrás do pescoço é um vendedor de guerras e do que ele mais gosta é de (provocar) lutas (vejam o tiroteio de Fatoahi que ele provocou captado pelo programa Dateline da SBS's).

Mas agora estamos na questão de aplicar a lei, de coagir o bem contra o mal. É do que se trata (agora).

Assim....vamos a isso!

Há bastantes recursos, a (questão) é como são usados. Dizem isso figuras de topo das F-FDTL, que se eles estivessem envolvidos na caçada, que Reinado seria capturado dentro de dias.

Isso pode não se ajustar à imagem que alguns gostariam de colar às F-FDTL, porque isso mostraria que as F-FDTL ainda têm a confiança do povo e não são a força diabólica que alguns interesses estrangeiros lhes quiseram colar. Mas não têm escolha. Só as F-FDTL podem ajudar a capturar Reinado....só têm que ter a humildade para aceitar alguma ajuda. Não são os recursos que são o problema...é a confiança e a capacidade para dialogar com os Timorenses....é aqui que tem estado sempre o problema das forças Australianas em Timor-Leste.

O sucesso da INTERFET deveu-se inteiramente ao envolvimento dos Timorenses como seus parceiros, muitos dos quais estão agora nas F-FDTL. Isso tem também sido uma tradição, se nos lembrarmos da II Guerra Mundial quando uma mão cheia de comandos Australianos foram mantidos vivos pelos seus ajudantes Timorenses. Isso permitiu-lhes manter dezenas de milhares de soldados japoneses ocupados, com grande custo de dezenas de milhares Timorenses que morreram em represália pelos Japoneses pela ajuda que deram aos Australianos.

"Ainda é cedo. Há-de chegar a altura em que denunciarei um por um, e o povo fará o seu juízo em relação às pessoas que neste país continuam a querer desestabilizar"

Não, não. Ao contrário do que possa parecer, esta frase não foi dita por Alkatiri, mas por Ramos Horta.

Parece-me que ele é que começa a abrir os olhos...

H. Correia.

Notícias - Traduzidas pela Margarida

Desistirei se podem fazer melhor: Ramos Horta desafia os amotinados
Agence France-Presse/SMH - Setembro 14, 2006

DILI: O Primeiro-Ministro Timorense, José Ramos Horta, avisou que resignará se alguém – incluindo amotinados anti-governamentais – o provocarem a fazê-lo.

O laureado do Prémio Nobel foi nomeado para o cargo em Julho, substituindo Mari Alkatiri, que desistiu no início da violência em Maio que forçou o destacamento de tropas internacionais.

O desassossego foi na sua maioria entre facções de polícias e militares em luta e rebentou depois de cerca de 600 soldados desertores terem sido despedidos em Março.

Os soldados foram liderados por Gastão Salsinha, enquanto um outro soldado, Alfredo Reinado, mais tarde desertou e clama agora liderar os amotinados.

"Se o Sr Salsinha pode ser um melhor primeiro-ministro, se o Sr Alfredo pode ser um melhor presidente, está bem. Não tinha o mínimo interesse em tornar-me primeiro-ministro. Pediram-me para ser primeiro-ministro," disse o Sr Ramos Horta. "Se alguém me quer fora (do cargo) de primeiro-ministro, sairei hoje. Não preciso de nenhuma manifestação para resignar."

Reinado foi preso para enfrentar acusações de posse ilegal de armas, mas fugiu da prisão no fim do mês passado e tem estado em fuga desde então.

O Sr Ramos Horta disse que elementos que permanecem em Timor-Leste queriam desestabilizar a nação empobrecida mas rica em petróleo e gás.

"Digo a todos os grupos aqui e lá que querem desestabilizar o Governo que [se o quiserem fazer] entregarei a minha resignação ao Presidente e sairei nesse mesmo dia," disse. "Não hesitarei em resignar de um momento para o outro, com aviso muito curto, se não estiver contente com as políticas."

O Sr Ramos Horta estava a falar depois duma cerimónia de entrega da autoridade da polícia internacional às Nações Unidas.

A regra da lei é a chave para a estabilidade na nação jovem
The Australian
Setembro 14, 2006

Recuperando Timor-Leste

Que o major fugitivo de Timor-Leste Alfredo Reinado se mantenha ao largo nas montanhas que rodeiam a capital Dili é um forte lembrete das dificuldades enfrentadas pelas tropas e polícias Australianas que tentam preservar a frágil paz antes da eleição geral do próximo ano. Polícias Australianas e internacionais em Timor-Leste têm dito que lhes faltam elementos para perseguir Reinado. Apesar disso o correspondente do The Australian, Mark Dodd, foi capaz de se encontrar com um em forma, saudável e despreocupado Reinado disposto a continuar os ataques ao sistema de justiça de Timor-Leste. É difícil criticar a AFP, contudo, porque Reinado jurou resistir com força a qualquer tentativa para o recapturar e devolver à prisão. Reinado recebeu treino militar Australiano e seria um opositor violento. A polícia Australiana não tem capacidade ou treino para o apanhar e não se deve esperar que o faça. As tropas Australiana já neutralizaram o que fora um impasse armado entre os amotinados de Reinado e as forças armadas e policiais de Timor-Leste, em primeiro lugar. A missão deles não se alarga a caçar Reinado e os outros 56 presos que saíram para a liberdade através da porta da frente da prisão de Becora há duas semanas. A prioridade imediata permanece o esvaziar dos campos de deslocados das dezenas de milhares de pessoas demasiado assustadas para regressar a casa quando gangs criminosos continuam a vagabundear pelas ruas de Dili. O focos teve ser também na recuperação das espingardas e munições das armarias dos polícias e dos militares Manter a paz e fiscalizar eleições livres de problemas é a chave vital para o futuro de Dili.

Isto não é para dizer que a fuga de Reinado pose ser simplesmente ignorada. Como acontece com tudo em Timor-Leste, parece haver rodas a trabalhar dentro de rodas. As acções de Reinado em liderar uma divisão nas forças armadas de Timor-Leste foi instrumental na construção duma crise que levou ao derrube do antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri. Tem havido um nível de comunicações entre Reinado, Presidente Xanana Gusmaão e o novo Primeiro-Ministro José Ramos Horta, que apresenta a sua luta como política. No fim, a negotiação aparece como a melhor solução. Reinado pode bem ter preocupações genuínas sobre as operações do sistema de justiça de Timor-Leste, sob as quais foi acusado com a posse de armas ilegais e tentativa de homicídio. Mas ele não pode ser autorizado simplesmente a manter-se ao largo, fazendo declarações críticas (contra) o Estado e ameaçando usar armas contra os que tentarem devolvê-lo à prisão.

A regra da lei em funcionamento é a fundação básica de um Estado em funcionamento. E assim como o sistema judicial de Timor-Leste deve ser reparado e melhorado, Reinado deve enfrentá-lo para demonstrar que o futuro do país será decidido na caixa de votos e não de um esconderijo do mato e através do cano de uma pistola.

Timor-Leste Policiado Agora pelas Nações Unidas
09/13/2006 01:23 PM

Oficiais de polícia das Nações Unidas assumiram oficialmente o policiamento da inquieta nação asiática de Timor-Leste, com alguns 554 oficiais agora a servir a nova missão da ONU lá. Foi feita uma cerimónia que foi atendida por alguns 100 oficiais.

Os problemas irromperam entre polícias locais e cidadãos em Maio deste ano. O Primeiro-Ministro Ramos-Horta disse na cerimónia: "Têm uma dupla responsabilidade e prioridade: servir a comunidade e servir os vossos respectivos países."

Em geral, 1,608 oficiais e 34 de ligação à administraçãoseráo acrescentados à missão da ONU, que inicialmente demorará seis meses até às eleições do próximo ano.

Fonte: news.yahoo.com

A ONU assume o policiamento em Timor-Leste
Dili (ANTARA News) – A polícia internacional destacada para Timor-Leste no início da violência em Maio entregou formalmente a sua autoridade às Nações Unidas na Quarta-feira numa cerimónia na capital.

Alguns 554 polícias agora estão sob o controlo da nova missão em Timor-Leste, decidida pelo Conselho de Segurança no mês passado, relatou a AFP citando uma porta-voz da missão.

Diplomatas da Austrália, Malásia e Portugal colocaram simbolicamente bonés azuis nas cabeças dos representantes das respectivas forças de polícia que servem na pequena nação numa cerimónia onde estiveram presentes cerca de 100 oficiais.

"Têm uma dupla responsabilidade e prioridade: servir a comunidade e servir os vossos países," disse o Primeiro-Ministro José Ramos-Horta no encontro.

Ramos-Horta louvou o "importante" trabalho feito pela força de polícia estrangeira até agora em Timor-Leste, que foi mergulhada em meses de incerteza política depois de violência entre facções de polícias e militares que deixaram algumas 21 pessoas mortas em Maio.

A UNMIT, que tem um mandato inicial de seis meses, tem a tarefa de assistir nas eleições previstas para o próximo ano bem como no fortalecimento da polícia Timorense e do sistema de justiça.

Alguns 1,608 oficiais de polícias e 34 oficiais de ligação militar devem participar na missão.

A violência inicial, que provocou uma estimativa de 150,000 pessoas da nação de um milhão a fugir das suas casas com medo das suas vidas, foi desencadeada pela demissão de 600 soldados desertores.

A maioria dos deslocados mantém-se nos campos, com falta de confiança na situação da segurança.

Um dos países mais jovens e pobres do mundo, Timor-Leste tornou-se independente em 2002 depois de votar em 1999 para acabar 24 anos de domínio Indonésio.

Foi administrado pelas Nações Unidas dirante um período interino, que rapidamente reduziu as suas operações depois da independência. (*)

Copyright © 2006 ANTARA
Setembro 13, 2006

PM de Timor-Leste pronto a resignar
13.9.2006. 16:29:03

O Primeiro-Ministro de Timor-Leste José Ramos Horta diz que resignaria com satisfação se o povo do seu atormentado país lhe pedir e desafiou os seus críticos a tomarem o leme se pensam que podem desempenhar melhor o cargo.

"Resignarei num segundo," disse José Ramos Horta em resposta aos esforços do líder militar desertor Alfredo Reinado para mobilizar uma revolta "poder popular " que procura removê-lo.

O Sr Ramos Horta acrescentou, "Nem preciso de esperar por uma manifestação."

Timor-Leste caíu no caos mais cedo este ano quando a luta entre facções das forças de segurança se transformou em guerra de gangs, pilhagens e ataques incendiários.

A violência deixou pelo menos 30 pessoas mortas e deslocou mais de 150,000 outras.

A calma regressou largamente com a instalação de um novo governo dirigido pelo Sr Ramos Horta e a chegada de tropas estrangeiras, mas as tensões aumentaram depois de Reinado, acusado por alguns da pior violência, ter fugido da prisão no mês passado.

O líder amotinado mantém-se ao largo depois de sair da prisão com outros 60 presos quando houve uma mudança da guarda. Desde que fugiu tem denunciado repetidamente o novo governo.

"Não estou satisfeito com toda a política com que as pessoas estão a jogar," disse o Sr Ramos Horta.

"Se (Reinado) pensa que pode fazer um trabalho melhor como primeiro- ministro, o emprego é seu. Não estou interessado. Só o agarrei porque (houve) gente que me pediu," disse.

Transferência para a ONU

Entretanto a polícia Internacional destacada para Timor-Leste no início do desassossego em Maio entregaram formalmente a sua autoridade às Nações Unidas durante uma cerimónia na capital Dili.

Mais de 550 polícias estão agora sobre o controlo da missão da ONU em Timor-Leste que foi montada pelo Conselho de Segurança no mês passado.

Diplomatas da Austrália, Malásia e Portugal colocaram simbolicamente bonés azuis nas cabeças dos representantes das suas respectivas forças da polícia a servir na pequena nação.

O Primeiro-Ministro José Ramos Horta disse aos oficiais que agora têm a dupla responsabilidade de servir a comunidade e os seus países.

A missão tem um mandato inicial de seis meses incluindo assistir nas eleições previstas no próximo ano e a fortalecer a polícia Timorense e o sistema de justiça.


Ramos Horta ameaça desistir se for provocado
Quarta-feira, Setembro 13, 2006. 6:14pm (AEST)
ABC News Online

O Primeiro-Ministro de Timor-Leste, José Ramos Horta, avisou que resignará do seu posto se alguém, incluindo os amotinados anti-governo, o provocarem a fazer isso.

O laureado do Nobel da paz foi nomeado Primeiro-Ministro em Julho, substituindo Mari Alkatiri.

O Dr Alkatiri saiu no início da violência em Maio, que deixou 21 pessoas mortas e forçou o destacamento de milhares de tropas internacionais.

O desassossego foi na sua maioria entre facções de polícias e militares em luta e rebentou depois de alguns 600 soldados desertores terem sido despedidos em Março.

Os soldados foram liderados por Gastão Salsinha, enquanto um outro soldado, Alfredo Reinado, desertou mais tarde e agora clama que lidera os amotinados.

"Se o Sf Salsinha pode ser um primeiro-ministro melhor, se o Sr Alfredo pode ser um presidente melhor, está bem," disse o Dr Ramos Horta.

"Não tinha o mínimo interesse em tornar-me primeiro-ministro. Foi-me pedido ser primeiro-ministro.

"Se alguém me quer fora do cargo de primeiro-ministro, eu sairei hoje. Não é preciso nenhuma manifestação para eu resignar."

Reinado tem estado preso para para enfrentar acusações sobre posse ilegal de armas, mas fugiu da prisão no mês passado e tem estado em fuga desde então.

O jornal The Australian relatou esta semana que durante uma entrevista Reinado tinha criticado o Dr Ramos Horta, queixando-se que ele passa demasiado tempo fora do país e não estava a manter as suas promessas à pequena nação.

O Dr Ramos Horta diz que elementos que permanecem em Timor-Leste querem desestabilizar a empobrecida nação mas rica em petróleo e em gás.

"Digo a todos os grupos aqui e lá que querem desestabilizar o Governo que (se o fizerem) entrego a minha resignação ao Presidente e saio nesse mesmo dia," disse.

"Não hesitarei em resignar de um momento para o outro, com pouco tempo de aviso, se não estiver satisfeito com as políticas."

Polícia da ONU

A polícia internacional destacada para Timor-Leste no início do desassossego em Maio entregou formalmente a sua autoridade à ONU durante uma cerimónia na capital.

De acordo com a porta-voz da missão, alguns 554 polícias caem agora sob o controlo da nova missão da ONU em Timor-Leste (UNMIT), que foi montada pelo Conselho de Segurança no mês passado.

Diplomatas da Austrália, Malásia e Portugal colocaram simbolicamente bonés azuis nas cabeças de representantes das forças de polícia respectiva a servir na pequena nação, na cerimónia.

"Têm uma dupla responsabilidade e prioridade: servir a comunidade e servir os vossos respectivos países," disse o Dr Ramos Horta.

O Dr Ramos Horta elogiou o "importante" trabalho feito pela força policial estrangeira até agora em Timor-Leste.

A UNMIT, que tem um mandato inicial de seis meses, tem a tarefa de assistir nas eleições previstas para o próximo ano bem como no fortalecimento da polícia Timorense e no sistema de justiça.

Alguns 1,608 oficiais de polícia e 34 oficiais de ligação militar vão participar na missão.



Comunicado - Comissão investigadores UN
Fonte: Gabinete das Nações Unidas em Timor-Leste

Data: 13 Sep 2006
A Comissão Independente Especial de inquérito das Nações Unidas para Timor-Leste está perto de completar o seu relatório.

Boa tarde a todos os Representantes dos Media,

Boa tarde aos representantes das várias organizações,

Boa tarde a todos.

Antes de passarmos às perguntas, tenho uma curta declaração a fazer.

Gostaríamos de agradecer a todos os que vieram a esta conferência de imprensa.

A Comissão está no processo de completar o seu trabalho com a segunda visita dos membros da Comissão a Timor-Leste. Nos últimos 10 dias os membros da Comissão têm trabalhado intensamente com os membros da equipa da Comissão, revendo a informação reunida pelos investigadores e tornando a entrevistar actores chave. Os membros da Comissão partirão no fim da semana e retomarão o seu trabalho em Geneva no fim de Setembro de modo a finalizar o seu relatório.

Como muitos sabem, o nosso mandato é:

- estabelecer os factos e as circunstâncias relevante dos incidentes em 28-29 Abril, 23-25 Maio e outros eventos relatados ou questões que contribuiram para a crise;

- clarificar as responsabilidades nesses eventos; e

- recomendar medidas para garantir responsabilidade, tendo em conta os mecanismos legais e judiciais existentes em Timor-Leste, para crimes e violações sérias d direitos humanos alegadamente cometidos durante o período.

Para levar a cabo o nosso mandate a Comissão teve a completa cooperação do Governo e de todas as instituições e indivíduos relevantes para este inquérito.

A Comissão tem uma equipa legal de 12 investigadores criminais e de direitos humanos e Conselheiros Legais. Foram entrevistadas cerca de 200 testemunhas e mais de 3000 documentos foram reunidos de instituições diferentes, incluindo das F-FDTL, PNTL, gabinetes do Governo, ONG’s, polícia Australiana, UNOTIL e outras Agências da ONU, e outras instituições internacionais. Esses materiais fornecem a base para o relatório da Comissão.

Estamos conscientes do facto de haver altas expectativas da parte dos líderes do governo, representantes dos vários grupos e dos indivíduos com quem nos encontrámos, e pela população em geral que o nosso relatório contribuirá para a reconstrução da confiança nas instituições do Governo e na regra da lei.

De acordo com o nosso mandato,

1) o nosso relatório dará uma explicação objectiva e equilibrada dos incidentes de Abril e Maio.

2) o relatório identificará indivíduos que, na opinião da Comissão, foram responsáveis por crimes cometidos em Abril e Maio, até ao ponto que a evidência estabeleça a sua responsabilidade para além da dúvida razoável.

3) identificará o falhanço de instituições cujos actos ou omissões contribuíram para a crise.

4) fará recomendações sobre como garantir a obrigação de prestar contas.

O relatório será submetido ao Secretário-Geral das Nações Unidas e ao Parlamento Nacional de Timor-Leste dentro do calendário de três meses previsto para o trabalho da Comissão, i.e. em 7 de Outubro ou à volta disso.

Temos fortes esperanças e confiança que os representantes do Governo e todas as instituições relevantes darão séria consideração às nossas recomendações, e que utilizarão o relatório como um passo para o reforço das instituições do país. Temos ainda a esperença de que o relatório será disponibilizado ao público numa forma acessível com prazer, de modo que o povo neste país possa trabalhar junto para dar o primeiro passo com total transparência.

Finalmente, gostaríamos de agradecer a cada indivíduo e instituição que cooperaram connosco. Podemos dizer que conseguimos contar com uma muito boa cooperação de todos.

Agradecemos muito outra vez o vosso interesse e presença aqui hoje.

Agora gostaríamos de os convidar a fazer perguntas relacionadas que possam ter.

Os membros da Comissão

Paulo Sérgio Pinheiro (presidente)
Ralph Zacklin
Zelda Holtzman

A Comissão Independente Especial de inquérito das Nações Unidas para Timor-Leste

Dois feridos quando gangs se confrontam na capital deTimor-Leste
Agence France-Presse – Quinta-feira Setembro 14, 02:03 AM

DILI – Duas pessoas foram feridas em confrontos de ruas envolvendo gangs a atirar pedras e a intervenção das tropas Portuguesas na capital de Timor-Leste Dili, disse um oficial.

A violência teve lugar perto do palácio presidencial por volta das 8:00 pm (1100 GMT), disse o Tenente Helder Oliveira, que nas tropas Portuguesas destacadas em Dili para manter a calma na cidade desde que a cidade desceu no caos em Maio.

"A nossa patrulha estava informada que havia um incidente entre grupos diferentes e tivemos de intervir," disse Oliveira aos repórteres na sua sede.

Disse que a patrulha encontrou dois grupos a lutarem na rua. "Mas depois as nossas forças foram atacadas por esses grupos e fomos obrigados a a disparar com balas de borracha," disse o Tenente, acrescentando que ninguém foi preso no incidente.

Separadamente contou à AFP que cerca de 60 tropas Portuguesas foram atacadas com pedras e outros mísseis. Disse que os dois feridos foram atingidos por pedras e levados para o hospital.

Acrescentou que agora a situação estava calma.

Não houve detalhes imediatos sobre quem eram os grupos envolvidos na luta.

Gangs de criminosos e de jovens alinhados em divisões oeste e leste na nação da meia-ilha estiveram por detrás alguma da violência mortal em Abril e Maio que se seguiu o despedimento de cerca de 600 soldados desertores.

O derramamento de sangue apressou o destacamento de 3,200 tropas internacionais, mas esporádico desassossego de baixa intensidade tem continuado a atormentar a capital e dezenas de milhares de deslocados permanecem em campos, demasiado aterrorizados para regressarem às suas casas.


De um leitor

Tradução da Margarida.

De facto, desde que Alkatiri se demitiu, as coisas estão na mesma ou piores.

"A coisa certa a fazer seria ele escolher os membros do seu gabinete."

Eu diria antes: seria certo se a Fretilin escolhesse os sus próprios primeiros-ministros. Ao aceitar Ramos Horta, que não é membro da, e o anti-Alkatiri JL Guterres, a Fretilin já lhes prestou um grande favor. Se RH se sente desconfortável no seu papel, tudo o que tem a fazer é resignar, porque ninguém o está a forçar a ser primeiro-ministro. De facto, foi ele quem se ofereceu para o cargo.

"Eles votaram neles próprios para governar "

E quem votou em Ramos Horta?

H Correia.

De um leitor

Tradução da Margarida.

Olá João Boavida aqui estão algumas sugestões amigáveis:


O PD decia acrescentar:

1.11 – Todos os Partidos Políticos (especialmente o PD) devem respeitar os resultados das eleições, porque é a única indicação verdadeira da voz do povo.

Gostaria de congratular o PD por ter ficado em segundo lugar, a seguir à FRETILIN nas eleições para a Assembleia Constituinte. Parabéns por terem obtido 8.7 % do voto popular e sete em 88 lugares. Isto é um esforço significativo quando a FRETILIN obteve 57.4% dos votos e 55 lugares na Assembleia de 88 lugares.


Ramos Horta ridicules Reinado

AP/The Australian - September 14, 2006

Correspondents in Dili

EAST Timor Prime Minister Jose Ramos Horta has dismissed criticism from Australian-trained army officer Alfredo Reinado, mocking the rebel's claim the people are against the newly appointed leader.

Major Reinado told The Australian at the weekend that Mr Ramos Horta did not have a firm grip on power and spent too much time out of the country.

Mr Ramos Horta yesterday ridiculed Major Reinado's claims that he could mobilise people power to oust the Nobel Peace Prize laureate.

The Prime Minister said he would happily resign if the people of his troubled nation demanded it, and challenged his critics to take over the helm if they thought they could do a better job.

"I'd resign in a second," he said. "I don't even need to wait for a demonstration."

Asia's newest nation descended into chaos in May when fighting between factions of the security forces spilled into gang warfare, looting and arson attacks, leaving at least 30 people dead and sending some 150,000 others fleeing their homes.

Calm largely returned after Mr Ramos Horta formed a new government, replacing Mari Alkatiri, and the arrival of an Australian-led peacekeeping force under the command of Brigadier Mick Slater.

Tensions mounted after Major Reinado escaped from prison two weeks ago with nearly 60 others. He remains at large and has repeatedly denounced the new Government.

"I'm not happy with all the politics people are playing around me," Mr Ramos Horta said. "If you (Reinado) think you can do a better job as prime minister, the job is yours. I'm not interested. I only took it because people asked me to."

Major Reinado told The Australian he was willing to negotiate with the Government about handing himself in, but not if it meant returning to prison. He blamed his plight on a corrupt legal system and self-serving politicians but said he had no intention of waging a guerilla war or taking up arms against his country.

The former head of East Timor's military police faces charges of attempted murder and illegal possession of weapons in connection with recent political violence. The UN on September 3 promised Major Reinado a fair trial if he gave himself up.


Dos leitores

Tradução da Margarida.

(Sobre o artigo “Uma nova fase na crise de Timor-Leste” da MRZine)

Como o autor diz com bastante razão "para alguns " as coisas estão melhor sob Horta. Não há ainda confiança real na segurança, nem nenhuns sinais que os deslocados regressarão a casa.

A questão dos peticionários não está resolvida. Alfredo está fora e Rai Los juntou-se a ele nas montanhas.

Parece que a remoção de Alkatiri não resolveu nenhuma questão fundamental da crise.

A posição forte de Timor nas negociações do Mar de Timor agora está minada. A rapidez das licenças dos negócios e dos contentores a moverem-se com rapidez para fora dos portos num país onde há poucos recursos humanos para controlar tais transacções só aumenta a possibilidade de permitir gente duvidosa ou criminosos de se apoderarem do sistema.

A crise revelou o papel essencial de Horta na injusta remoção de Alkatiri. O Primeiro-Ministro está a ficar sob maior pressão de elementos chegados a ele e à FRETILIN que discutiram o envolvimento de Horta na crise durante um recente encontro do Comité Central.

As coisas só na superfície é que parecem irem melhor sob Horta.


Two injured as gangs clash in ETimor capital

Agence France-Presse - Thursday September 14, 02:03 AM

DILI - Two people were injured in street clashes involving stone-throwing gangs and intervening Portuguese troops in East Timor's capital Dili, an officer said.

The violence took place near the presidential palace at around 8:00 pm (1100 GMT), said Lieutenant Helger Oliveira, who is among the Portuguese troops deployed in Dili to maintain calm since the city descended into chaos in May.

"Our patrol was informed that there was an incident between different groups and we had to intervene," Oliveira told reporters at his headquarters.

He said that the patrol found two groups fighting on the street. "But then our forces were attacked by those groups and we were obliged to shoot at them with rubber bullets," the lieutenant said, adding that no one was arrested in the incident.

He separately told AFP that about 60 Portuguese troops had come under attack from hurled rocks and other missiles. He said that the two people injured had been hit by rocks and were taken to hospital.

He added that the situation was now calm.

There were no immediate details on who the groups involved in the fighting were.

Gangs of thugs and youths aligned along east and west divisions in the half-island nation were behind some of the deadly violence in April and May that followed the sacking of some 600 deserting soldiers.

The bloodshed prompted the deployment of 3,200 international peacekeepers, but sporadic low-level unrest has continued to plague the capital and tens of thousands of refugees remain in camps, too afraid to return to their homes.

Cinco candidatos mais um à sucessão de Kofi Annan

A Semana Online

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai prosseguir amanhã o processo de selecção do sucessor de Kofi Annan como secretário-geral, para quando ele terminar no fim do ano a sua década à frente da organização. Existem cinco candidatos em liça, todos eles asiáticos, dentro do preceito de que o cargo deve rodar entre as diversas regiões do mundo.

Os cinco candidatos são: príncipe Zeid Ra’ad Zeid al-Hussein, embaixador da Jordânia em Nova Iorque, aparentemente o favorito dos Estados Unidos e do Reino Unido; Ban Ki-moon, ministro sul-coreano dos Negócios Estrangeiros; o indiano Shashi Tharoor, subsecretário-geral da ONU para as comunicações e informação pública; o vice-primeiro-ministro tailandês, Surakiart Sathirathai, apoiado pela Associação das Nações do Sueste Asiático (ASEAN); e Jayantha Dhanapala, do Sri Lanka, que de 1987 a 1992 foi subsecretário-geral para os Assuntos do Desarmamento.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Helen Clark, desmentiu na semana passada as especulações de que também poderia vir a entrar na corridar e procurar ser a primeira secretária-geral da ONU, num lugar que há 60 anos é ocupado por homens, a começar pelo norueguês Trygve Lie, cujo mandato foi de 1946 a 1953.

O último asiático que esteve no cargo foi o birmanês U Thant, de 1961 a 1971, tendo-se-lhe seguido o austríaco Kurt Waldheim (1972-1981); o peruano Javier Perez de Cuellar (1982-1991); e o egípcio Boutros Boutros-Ghali (1992-1996), antes de ter chegado a vez de Annan, que é do Gana, casado com a advogada e artista sueca Nane Maria Annan, que muitas vezes o acompanha nas suas deslocações. Nane é sobrinha do empresário e benemérito Raoul Wallenberg, que como representante diplomático de Estocolmo em Budapeste salvou milhares de judeus húngaros, durante a II Guerra Mundial.

"Cremos que seria bom o Conselho de Segurança e a Assembleia Geral apoiarem um candidato muçulmano familiarizado com as Nações Unidas", disse à Associated Press o príncipe Zeid, que em 1997 foi a primeira pessoa a pedir na organização um relatório completo da ONU sobre a chacina de Srebrenica, que em Julho de 1995 vitimou pelo menos 8.000 muçulmanos da Bósnia.

Se acaso os cinco candidatos formalmente existentes não forem suficientes ou se se chegar a um impasse, tem-se avançado a título oficioso (pelo menos as pequenas ilhas Fiji lançaram essa cartada) com a hipótese de um eurodeputado conservador britânico que também é cidadão do Sri Lanka: Niranjan Deva-Aditya, vulgo Nirj Deva.

Jorge Heitor.

Os tílulos das notícias da RTTL

Tradução da Margarida.


Os lamentos dos deslocados do Aeroporto sobre as Forças Internacionais e o PM Horta

Representantes dos deslocados do aeroporto encontraram-se no Parlamento Nacional na Segunda-feira para protestar contra as acções das forças Australianas que conforme relatos invadiram os seus campos e prenderam e agrediram alguns deslocados incluindo alguns guardas de segurança. Falando aos jornalistas depois do encontro no Parlamento Nacional, um dos deslocados também lamentou a atitude do PM Horta que não mostrou interesse por eles.

Foi relatado que Horta disse que tinha trabalhado muito mas que os deslocados o fizeram sofrer. Respondendo a um dos deslocados que disse que era o líder que os fazia sofrer, Horta respondeu que em 30 anos nunca tinha recebido um cêntimo dos Timorenses.

O CCF pediu ao PM Horta para não prometer demasiado

O Comité Central da FRETILIN, CCF, segundo relatos, decidiu pedir ao Primeiro-Ministro José Ramos Horta para não fazer tantas promessas. Falando a jornalistas em Manatuto no Domingo, o Vice-Secretário-Geral, José Reis, disse que tem sido sempre um princípio da FRETILIN não fazer promessas ao povo, porque o povo está cansado de promessas vazias. Assim, ao fazer-se tantas promessas que não podem ser cumpridas a imagem da FRETILIN pode ser afectada.


Ameaças ao Governo de Timor-Leste

A semana online

O major rebelde Alfredo Reinado, que há 13 dias se evadiu da cadeia de Becora, em Díli, ameaçou agora com uma revolução ou com luta até à morte se o Governo de José Ramos-Horta não for demitido e todo o poder em Timor-Leste entregue ao Presidente Xanana Gusmão, noticiou ontem o jornal The Australian.

Numa entrevista a apresentar esta semana pela televisão indonésia e revelada em primeira mão pelo correspondente em Jacarta daquela publicação australiana, Stephen Fitzpatrick, Reinado - um oficial de 39 anos treinado pela Austrália - acusa o deposto primeiro-ministro Mari Alkatiri, secretário-geral da Fretilin, partido maioritário, de "manter o controlo remoto do Governo, por intermédio dos seus agentes".

Segundo o militar rebelde, que estará armado, tal como outros elementos que lhe obedecem, o actual Executivo encontra-se sob a influência daquilo a que chama "a mafia de Moçambique, incluindo Mari Alkatiri"; referindo-se assim ao facto de durante a ocupação indonésia alguns dos dirigentes da Fretilin terem vivido em Maputo, como hóspedes da Frelimo.

No sábado, o Comité Central da Fretilin recomendou ao independente Ramos-Horta, que em tempos também pertenceu à Frente Revolucionária e depois se afastou, que não interfira "nos assuntos que digam respeito à vida partidária" e que "tome medidas concretas e imediatas no sentido de garantir a segurança das populações".

Decidiu ainda o partido que mais lutou pela independência de Timor-Leste criar uma comissão que o prepare para as eleições presidenciais e legislativas de 2007, colocando na direcção da mesma José Maria dos Reis, secretário-geral adjunto. Mas Reinado disse agora à televisão indonésia duvidar de que haja estabilidade suficiente para que a ida às urnas se possa concretizar.

"Ele e os seus homens estão nas montanhas não muito longe de Díli", afirmou ao Sydney Morning Herald o seu advogado, Paulo Remédios. "Muita gente me diz que a polícia e os militares australianos sabem onde ele está". Jorge Heitor 12 de Setembro de 2006

I'll quit if you can do better: Ramos Horta challenges rebels

Agence France-Presse/SMH - September 14, 2006

DILI: The East Timorese Prime Minister, Jose Ramos Horta, has warned that he will resign if anyone - including anti-government rebels - provokes him to do so.

The Nobel peace laureate was named to the post in July, replacing Mari Alkatiri, who quit in the wake of violence in May that forced the deployment of international peacekeepers.

The unrest was mostly between warring police and military factions and flared after about 600 deserting soldiers were sacked in March.

The soldiers were led by Gastao Salsinha, while another soldier, Alfredo Reinado, later deserted and now claims to lead the rebels.

"If Mr Salsinha can be a better prime minister, if Mr Alfredo can be a better president, that's fine. I hadn't the slightest interest in becoming prime minister. I was asked to be prime minister," Mr Ramos Horta said. "If anyone wants me out as prime minister, I'll be out today. I don't need any demonstration for me to resign."

Reinado was jailed to face charges of possessing illegal weapons, but he escaped from prison late last month and has been on the run since.

Mr Ramos Horta said elements remaining in East Timor wanted to destabilise the impoverished but oil- and gas-rich nation.

"I tell all groups here and there who want to destabilise the Government that [if they do so] I will file my resignation to the President and step down this very day," he said. "I will not hesitate to resign for one moment to the next, on very short notice, if I am not happy with the politics."

Mr Ramos Horta was speaking after a ceremony handing policing authority from international police to the United Nations.

FRETILIN exige ao PM medidas para garantir segurança da população

Díli, 13 Set (Lusa) - A FRETILIN, partido maioritário em Timor-Leste e base de apoio do governo liderado por José Ramos-Horta, exortou hoje o primeiro- ministro a adoptar de imediato "medidas concretas" para garantir a segurança da população, incluindo os seus militantes.

As medidas exigidas pela FRETILIN, segundo um comunicado que o partido divulgou em Díli, incluem a resolução do problema dos deslocados, o desarmamento dos grupos ilegais, a reafirmação da autoridade do Estado e a garantia de "toda s as condições necessárias para a realização das eleições de 2007".

Citando o secretário-geral do partido e antigo primeiro-ministro Mari A lkatiri, o comunicado denuncia que "muita violência parece organizada e orientad a contra os apoiantes da FRETILIN".

"Os nossos estão a ser aterrorizados e a serem expulsos das suas casas na capital", acusou Alkatiri.

"Estamos muito preocupados com o elevado número de armas pesadas que ai nda se encontram nas mãos de grupos ilegais e dos gangs anti-FRETILIN. Um elevad o número de armas da polícia foram roubadas e essas armas precisam urgentemente de serem recuperadas", lê-se no comunicado.

Continuando a citar Mari Alkatiri, a FRETILIN manifesta o receio de que esse arsenal seja usado "num esforço organizado para impedir os candidatos [do partido] a fazerem campanha eleitoral, tornando-se assim uma ameaça à realização de eleições justas e livres que se deverão realizar em Abril".

O comunicado destaca que o apelo foi feito numa reunião alargada em Díl i, em que participaram membros do Comité Central, coordenadores de distrito e mi nistros e deputados do partido.

O primeiro-ministro timorense, José Ramos-Horta, disse hoje à Lusa que não hesitará em pedir a demissão do cargo, para que foi empossado há cerca de do is meses, caso persista a instabilidade no país.

Ramos-Horta substituiu Mari Alkatiri na chefia do governo, depois de o ex-primeiro-ministro ter sido acusado de envolvimento numa alegada distribuição de armas a civis para eliminar os seus adversários políticos.

Timor-Leste vive num clima de tensão desde o final de Abril, sendo freq uentes os confrontos entre grupos rivais, sobretudo em Díli.

Confrontos ocorridos em Maio e Junho provocaram cerca de 30 mortos e ma is de 160 mil deslocados internos.


GNR resolveu confrontos entre moradores de dois bairros

Díli, 13 Set (Lusa) - A GNR foi hoje obrigada a utilizar armamento não letal para pôr termo a confrontos violentos entre moradores de dois bairros de Díli, disse à Lusa o comandante da força portuguesa em Timor-Leste.

Segundo o capitão Gonçalo Carvalho, os confrontos ocorreram hoje à noite (hora local) e prolongaram-se por cerca de 90 minutos, tendo a GNR enviado par a o local dois pelotões e uma equipa de operações especiais.

"Durante a acção de reposição da ordem pública foram efectuados 65 disparos de caçadeira, com zagalotes de borracha, 25 disparos de granadas com bagos de borracha e arremessadas 10 granadas, também com bagos de borracha", precisou o oficial da GNR.

Os confrontos iniciaram-se depois dos moradores de Quintal Bot (Quintal Grande, em tétum), terem sido atacados pelos vizinhos de Quintal Ki'ik (Quintal Pequeno), que os acusaram de terem morto um dos seus, motivando uma primeira intervenção de militares australianos, que chegaram a efectuar disparos com balas reais.

Face à sua incapacidade para resolver o problema, os militares australianos pediram o apoio da GNR, que fez deslocar efectivos para dispersar os grupos em confronto, que antes apedrejaram viaturas civis que passaram no local.

Os moradores de Quintal Ki'ik resistiram à ordem de dispersar e começar am a apedrejar e a atirar dardos contra os militares portugueses, atingindo nomeadamente a bota de um e o colete de outro, mas sem os ferirem, disse Gonçalo Carvalho.

"Também do lado dos atacantes não referenciamos nenhum ferido", acrescentou o comandante da GNR em Timor-Leste.

A situação ficou resolvida após cerca de 90 minutos, depois de desmanteladas as inúmeras barricadas no local, formadas por viaturas, frigoríficos, pedras e pedaços de árvores.

Timor-Leste vive uma situação de tensão desde o final de Abril, sendo frequentes os confrontos entre grupos rivais em Díli.


Responsáveis pela crise vão ser identificados por comissão da ONU

Os responsáveis pela violência registada em Abril e Maio em Timor-Leste serão identificados no relatório que vai ser elaborado por uma comissão de peritos da ONU, disse hoje o presidente daquele órgão.

Segundo Paulo Sérgio Pinheiro, presidente da Comissão Independente de Investigação, mandatada pelas Nações Unidas para estabelecer os factos e circunstâncias relevantes da crise político-militar timorense, o relatório será entregue a 7 de Outubro ao secretário-geral da ONU, ao Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos e ao presidente do Parlamento Nacional de Timor-Leste.

"Não somos nenhum tribunal, pois não fomos mandatados para julgar quem quer que seja, mas vamos apontar quem está envolvido e recomendar acções judicia is contra esses responsáveis", precisou Sério Pinheiro.

A Comissão Independente foi criada pela ONU a 12 de Junho, na sequência de um pedido nesse sentido, enviado quatro dias antes pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros, hoje primeiro-ministro de Timor-Leste, José Ramos-Horta.

Presidida pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, a Comissão integra ainda a sul-africana Zelda Holtzman e o britânico Ralph Zacklin.

Ao longo dos três meses de mandato conferido pelo secretário-geral da ONU, a comissão ouviu cerca de 200 pessoas e consultou mais de 3 mil documentos.

Aquelas fontes irão servir para um relatório que incluirá recomendações que reforcem a responsabilidade, tendo em conta os mecanismos jurídico-legais existentes em Timor-Leste, pelos crimes e violações de direitos humanos alegadamente cometidos particularmente nos dias 28 e 29 de Abril e entre 23 e 25 de Maio.

Nestas datas, a crise político-militar timorense foi marcada por confro ntos armados entre facções da polícia e das forças armadas, a que se associaram grupos de civis, armados pelas duas partes beligerantes.

A crise, que provocou cerca de 30 mortos e mais de 160 mil deslocados internos, tem vindo a ser alimentada por confrontos entre bandos rivais, sobretudo na capital, Díli, com efeitos na destruição de propriedade privada e do Estado .

Em resultado da crise, o antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri pediu a demissão do cargo, tendo sido substituído por José Ramos-Horta.

"Esperamos que as recomendações que vamos apresentar sejam depois divulgadas", salientou Sérgio Pinheiro, que reconheceu, todavia, que cabe às autorida des timorenses uma decisão nesse sentido.

"Estamos a lidar com acontecimentos recentes, em que muitas das pessoas que ouvimos ocupam presentemente cargos de responsabilidade política. Essa situ ação requereu da comissão um grande sentido de responsabilidade. Penso que se tr ata de uma tarefa delicada, mas não penso que seja difícil ou impossível", acrescentou.

Nos dias 28 e 29 de Abril, no final de uma manifestação patrocinada por ex-militares, efectivos militares enviados pelo então governo liderado por Mari Alkatiri substituíram a Polícia Nacional na contenção dos manifestantes, e nos dias 23, 24 e 25 de Maio registaram-se combates entre efectivos das forças armadas e militares sublevados, em vários pontos de Díli.


GNR resolvou confrontos entre moradores de dois bairros

Díli, 13 Set (Lusa) - A GNR foi hoje obrigada a utilizar armamento não letal para pôr termo a confrontos violentos entre moradores de dois bairros de D íli, disse à Lusa o comandante da força portuguesa em Timor-Leste.


East Timor Now Policed by United Nations

09/13/2006 01:23 PM

United Nations police officers have officially taken over the policing of troubled Asian nation of East Timor, with some 554 officers now serving the new UN mission there. A ceremony was held and attended by some 100 officials.

Trouble erupted between local police and citizens in May this year. Prime Minister Ramos-Horta said at the handover ceremony: "You have a double responsibility and priority: to serve the community and to serve your respective countries."

Overall, 1,608 officers and 34 administration liasons will be added to the UN mission, which will initially run for six months until next year's elections.

Source: news.yahoo.com


Uma nova fase na crise de Timor-Leste

Tradução da Margarida.


Por Tom O'Lincoln

Em 30 de Agosto, Alfredo Reinaldo, uma figura chave no motim que deitou abaixo o governo de Alkatiri, saiu a dançar do portão com outros 56 presos. Até isso ter acontecido, o pequeno e empobrecido país parecia estar a estabilizar vagarosamente, depois duma combinação de ataques internos e pressão Australiana deitar abaixo o infeliz governo do Primeiro-Ministro Mari Alkatiri.

Reinado, que tem tatuado XXX na parte detrás do pescoço a imitar Xander Cage o machão do filme, apelou a uma revolução de “poder popular”. Isto poderá ter alguma ressonância com uma população a enfrentar miséria continuada; muitos ainda em campos de deslocados.

Uma outra figura amotinada, Vicente de Conceição, ou "Railos," tinha fugido para as montanhas do oeste alguns dias mais cedo para evitar a prisão.

Ao mesmo tempo que Reinaldo desaparecia, a multi-cultural SBS TV1 da Austrália passava um documentário censurando buracos muito abertos na história que nas dão sobre a queda de Alkatiri.

A crise começou com o motim nas forças de segurança, seguida por violência de gangs. A causa principal foi a pobreza, mas os principais media Australianos culparam rapidamente o Primeiro-Ministro Alkatiri, cujo crime real foi enfrentar Canberra nas negociações sobre o petróleo e o gás. Depois descobriram o "carismatico" Reinaldo. Ele tem liderado um grupo armado divisionista que se confrontou contra as forças armadas, mas ele clama agir em auto-defesa.

Depois o programa de TV Four Corners acusou Alkatiri de organizar um esquadrão de ataque contra os seus opositores. Railos declarou que liderava este esquadrão. As acusações destruidoras forçaram a resignação de Alkatiri, depois de semanas de resistência.

Agora os jornalistas da Dateline David O'Shea e John Martinkus desafiaram toda esta narrativa. E estes tipos são credíveis. O'Shea estava com Reinaldo nas montanhas quando ela lutou contra as forças armadas pela primeira vez, e mais tarde quando ele concordou em ser detido. Martinkus tem coberto Timor-Leste há dez anos.

O'Shea e Martinkus mostram que Reinaldo disparou primeiro contra as forças armadas (O'Shea viu-o) e que Railos, alegado organizador do esquadrão de ataque de Alkatiri, estava na verdade a lutar ao lado das pessoas que era suposto ele "atacar." Railos curiosamente apareceu na cerimónia de nomeação do substituto de Alkatiri, Ramos Horta, e tem sido visto na casa do Presidente Gusmão um outro inimigo de Alkatiri.2 A linha da história criada, confeccionada para legitimar a queda do PM, não tem lógica.

Em seu lugar emergem outros padrões. Como parte da campanha contra Alkatiri, o político da Oposição Fernando Araújo queixou-se de que a sua família tinha sido aterrorizada. Talvez foram – Timor-Leste hoje é um local violento e caótico. O seu Partido Democrático ajudou a co-ordenar manifestações anti-Alkatiri – em si próprio isto poderia ser apenas a democracia a funcionar, apesar de (ser) com uma pequena assistência das tropas Australianas . . . mas vejam quem mais o ajudou. Um ajudante foi Rui Lopes, de quem O'Shea e Martinkus dizem que "fez fortuna através das suas apertadas conexões com a Kopassus, as famosas Forças Especiais Indonésias." Um outro foi Nemecio de Carvalho, antigo líder duma das piores milícias que aterrorizaram os Timorenses em 1999.

Contudo uma outra força a pressionar para a remoção de Alkatiri foi a hierarquia da Igreja, e não se limitaram a rezar. "Forças confiáveis no alto comando das forças armadas disseram à Dateline que dois padres urgiram-nos pessoalmente a correr com Alkatiri." E há mais:

Em finais de 2005, o Chefe das Forças Armadas, o Brigadeiro-General Taur Matan Ruak e o Tenente-Coronel Falur Rate Kaek foram contactados por dois líderes Timorenses acompanhados por dois estrangeiros em duas ocasiões separadas. Os quatro pediram também que as forças armadas, as F-FDTL, removessem o Primeiro-Ministro Alkatiri.
Aqui a evidência não é clara. Eram os estrangeiros Americanos ou Australianos? Ninguém sabe ao certo. Alkatiri não pode provar que havia uma conspiração generalizada contra ele. Limita-se a dizer: "Evidência, não. Mas o único primeiro-ministro no mundo que me estava realmente a 'aconselhar-me' abrir parêntesis - fechar parêntesis, a sair era o Primeiro-Ministro da Austrália."

Parece que as investigações actualmente procedem nos eventos dos últimos meses, e que figuras como Reinado e Railos são as que estão a ficar sob escrutínio mais apertado. Mário Carrascalão, um outro político da direita, lamentou que "Railos sente-se frustrado. Forneceu informação para ajudar a resolver o problema mas iam prendê-lo."3

Canberra ganhou o que queria quando José Ramos Horta substituiu Alkatiri. Horta é um campeão do neo-liberalismo e dos investidores estrangeiros: declarou recentemente que a "Austrália não pode ser sempre filantrópica com tudo o que faz para Timor-Leste." Isto foi em relação com os depósitos de petróleo e gás localizados entre os dois países, sobre os quais a Austrália tem estado completamente fora da lei nas negociações.

Mas começando com a fuga da prisão, para o que partilham alguma da culpa – aparentemente era suposto guardarem o exterior da prisão – as forças Australianas começam a estar sujeitas a uma maior pressão política.

Em Julho passado o antigo ministro do interior Rogério Lobato acusou-os de violarem as leis dos direitos humanos, depois prenderam-no com acusações relacionadas com armas, dizendo que tinham usado força e não tinham um mandato judicial. Em 28 de Agosto, o Chefe da Academia de Polícia Timorense Júlio Hornai disse ao jornal The Age que polícias Australianos o tinham forçado a despir em público o seu uniforme. Em 22 Agosto atiradores de pedras feriram sete polícias Australianos, e no princípio de Setembro, uma multidão atirou-se contra polícias Australianos depois de um confronto na rua. Mesmo a muito pró-Australiana primeira dama, Kirsty Sword Gusmão, diz que os Aussies estão longe do povo e que "têm muito pouco conhecimento local."4

Entretanto falhou a tentativa de há muito tempo da ONU para esconder o abuso sexual do seu pessoal civil e em uniforme em Timor-Leste. A verdade veio à luz do dia.5

Dado o crescente descontentamento com a presença estrangeira, dado que a Fretilin é ainda a organização política do país, e tendo em vista a partida para as montanhas de Reinado e Railos com armas e manifestos, com 100,000 pessoas em campos de deslocados, há também alguma pressão sob Horta de ser mais do que um lambe-botas do imperialismo. Isto expressa-se no modo como diz um correspondente de Murdoch com base em New York "num tom agressivo anti-Australiano " e na verdade "criticismo venonoso " em resposta à fuga da prisão. Imprecisamente ligado a isto há exigências para que as forças Australianas se submetam ao controlo da ONU.6

Ausente está qualquer movimento político significativo orientado para o povo. Sem isso, o descontentamento popular pode ser canalizado para apoiar Reinado, ou a ala direita, ou grupos perigosos como os gangs de artes marciais com 30,000 elementos que grassam por Timor-Leste.

É verdade que para alguns as coisas estão melhor sob Horta. "A gente dos negócios diz que as autorizações agora demoram horas e não dias, os contentores agora movimentam-se com mais rapidez para fora dos portos e a corrupção parece contida."7 O governo tenta bastante responder às necessidades do capital.

Entretanto, 100,000 deslocados vivem ainda debaixo de panos, e a estação das chuvas vai criar um inferno.

1 Transcrições da SBS Dateline, "East Timor - Downfall of a Prime Minister," 30 Agosto 2006. Esta é a fonte para tudo que não em nota de rodapé próprio. Disponível em .

2 Parece também que o Gabinete do presidente pagou a conta do hotel de Reinado a primeira vez que esteve em fuga. Mark Dodd, "Claim That President Paid Major's Hotel Bill," The Australian, 12 Setembro 2006.

3 Lindsay Murdoch, "Timor Faces New Rebellion," The Age, 2 Setembro 2006.

4 John Stapleton, "Forces Must Know the People," The Australian, 4 Setembro 2006.

5 Veja Lindsay Murdoch, "UN Acts to Stamp Out Sex Abuse by Staff in East Timor," The Age, 30 Agosto 2006.

6 David Nason, "Venom Threatens Separate Mission," The Australian, 4 Setembro 2006. Como as acusações dos abusos sugerem a ONU não é uma melhoria necessariamente.

7 Murdoch, "Timor Faces New Rebellion."



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.