segunda-feira, abril 16, 2007

Fretilin will not initiate violence if it loses elections, Alkatiri says

Jakarta Post - April 16, 2007

Though he is no longer the prime minister of Timor Leste, Mari Alkatiri -- the secretary general of the country's largest political party Fretilin -- is an influential political figure. The Jakarta Post's Abdul Khalik interviewed Alkatiri on Saturday in Dili. The following are excerpts from the interview.

Question: How do you evaluate the presidential election so far?

Answer: It has passed very quietly although a lot of intimidation took place in some places, including in Dili. We (Fretilin) have been accused of intimidation. But in reality, we were intimidated by others in Dili, Liquica, Ermera and Bobonaro. But this is no time to make such claims and create difficulties for the country. We have decided to accept the results, and we will be ready for the second round. We are still confident that we will win the presidency.

What about accusations of fraud against Fretilin?

These accusations are completely baseless. There are a lot of international officials and observers monitoring the CNE and STAE (the bodies handling the election). So how can such claims be made? We could even accuse CNE of fraudulent behavior because its spokesman has not been neutral.

Many people said we would not accept the results, and now we have accepted the results, they are accusing us of fraud.

How do you expect to win the run-off when most losing candidates are likely to unite behind Ramos-Horta?

That is not certain. Even if the losing candidates can get together (to support Ramos-Horta), their supporters may change their minds. I am sure that a lot of them will vote for Mr. Lu 'Olo (Francisco Guterres Lu 'Olo).

International media and observers seem to think it was members of Fretilin who initiated the recent violence. Do you have a comment on this?

Again, these accusations are baseless. On the contrary, we have been the victims of violence since April last year despite the fact that we refrained from violence. That is why the country is stable. I decided to resign from the post of prime minister last year to avoid violence and bloodshed in this country. We have proven during the last 10 months that we have refrained from violence. However, a lot of provocation is coming from other groups against our people. Now that we are close to victory, there is no reason to start violence.

What if Fretilin loses? Will there be any violence?

It is completely wrong to think that we will initiate violence if we lose the election. But I don't think other groups will accept the result if they lose the election.

What did actually happen during your term as prime minister?

Problems that we face in this country come from the top. The situation between President Xanana (Gusmao) and myself as the prime minister had worsened and although we tried to avoid it, eventually it was not possible. They wanted me out of the government. If there was a president from Fretilin and a parliament predominately made up of Fretilin members, we could create stability. We could send a clear message to the people that there would no longer be conflict within the government. We are going to work together in solidarity with the institutions so the country can return to normal.

What will happen if Fretilin either loses the presidency or control of the parliament?

If Fretilin wins the presidency but loses the parliamentary elections there will be problems between the government and the parliament. But our presidential candidate will work with the government and the prime minister. We don't know what it will be like if the opposite occurs. It would be difficult to deal with Ramos-Horta because he is a man without a plan and a vision. He has ideas and goodwill but no plans. I am a friend of Ramos-Horta. I know him very well. But even I think he would be worse than Xanana in this position. Anyway, we will try to cooperate if he wins because there is no other option. It is the decision of the people.

Will you run for the post of prime minister to challenge Xanana?

No, I am not considering running for the post of prime minister. Someone else from the party will run. I will lead the party during the parliamentary elections but this doesn't mean I will become prime minister.

What would a Fretilin-led government do?

First of all, we would create a safe environment for the people of this country and send refugees back to their respective homelands. We would resolve the problems of Maj. Alfredo Reinado (influential rebel leader). We would prioritize making the police force more professional and not politicized. We have been accused of politicizing the police force. But in 2006 when the conflict started between the military and police, there were still 160 international police advisors in the country. What were they doing? We also need to establish a clear policy on the army, which would stop them fighting with the police. Then we could develop the country, create jobs, invest in infrastructure, telecommunications, power and particularly in education and health.

What about oil money from the Timor Gap?

Of course we will use that money. The law on that money is very clear, and it was adopted unanimously by all. How can we bring development to the country if we don't use that money?

But actually you can't just distribute the oil money to the people. We don't want to hold on to the money for nothing when the country needs to invest in infrastructure, education and health.

We've successfully avoided debt although we have been under pressure to go to the World Bank or IMF. However, if we can manage to get money on easy terms then we will use that rather than our own money. It's completely wrong also to accuse us of not being transparent in managing money while every month we have presented a report to the public.

What about future relations between Timor Leste and Indonesia?

We need Indonesia as you are our closest neighbor. We still feel good things about Indonesia and we need to resolve all pending issues with the country. Timor Leste is a very small country in between giants. We need to play a role in bringing everybody together and stopping conflict.

This is the only way for small countries to survive. It is totally wrong to say that Fretilin would prioritize Portugal or Mozambique.

Notícias em inglês - 16 de Abril de 2007

"Technical mistake" clouds ETimor poll

Dili, April 15 (AFP) - A huge discrepancy between the number of registered voters in a district and the actual number of votes reported was the result of a technical error, an East Timorese electoral commission spokesman said Sunday.

Confusion surrounding the first round of voting in East Timor's presidential election mounted on Saturday when the election commission said the Baucau district, with 100,000 eligible voters, had produced three times as many votes.

The figure of 300,000 "was not at all there," Martinho Gusmao, spokesman for the national election commission, told a press conference here.

"This discrepancy was a technical mistake by the STAE (East Timorese Technical Secretariat for Election Administration) and the polling staff," Gusmao said, adding that the real figure was around 100,000 votes.

He said the mistake was "in the matter of writing up thefigure," and was only discovered Saturday evening.

Election commission chief Faustino Cardoso said the error was a technical mistake by polling staff.

"The distortion at several polling centres was because of their lack of capacity and knowledge of the electoral process," Cardoso told journalists separately.

Gusmao declined to say whether the mistake had affected the results so far. He said the final results would be taken to the court of appeal, where it would be decided whether a second round would be necessary.

East Timor, which is holding its first presidential poll since independence in 2002, has just 520,000 eligible voters.

Jose Ramos-Horta, East Timor's current prime minister, and Francisco "Lu-Olo" Guterres, the ruling Fretilin party's candidate, have emerged from a field of eight candidates to contest the run-off.

The commission said Friday that serious flaws in the election could force some areas to repeat first-round voting.

Most of the candidates who stood formally demanded a recount, even though international observers said the poll in the former Portuguese colony was generally orderly and peaceful.
The commission had rejected a recount on Thursday, saying there was no legal basis on which to grant the request.

A number of the candidates also raised the possibility that voters were intimidated, stoking fears of instability in the troubled state ahead of the second round.

Business Day (South Africa) - 16 April 2007
Portugal hopes for Timor peace

John Kaninda, Diplomatic Editor
As accusations of vote rigging threaten stability in East Timor, Portuguese Foreign Affairs Minister Luis Amado has expressed hopes that political maturity will prevail and contenders will respond to the expectations of their people by establishing a democratically elected government.
Amado was speaking at the close of a working visit to his South African counterpart, Nkosasana Dlamini-Zuma, in Pretoria on Friday. “It is unacceptable to see such a country letting itself become submerged again in suspicion and unrest that could lead to political violence,” Amado said.

Monday’s poll was the first presidential election on the island since East Timor’s independence in 2002, but it has been clouded by growing calls for a recount and allegations that it was conducted unfairly. Indonesian occupation of East Timor ended in 1999 with a bloody split, and violence has pulsed through the impoverished state since then.

International peacekeepers were dispatched last year to restore order. Accusations of electoral fraud were levelled by Democratic Party candidate Fernando Lasama who, in an eight-page letter written to electoral commissioner Faustino Cardoso, said that voting irregularities, including “repulsive, anti-democratic and manipulative acts”, were sufficient to declare the April 9 election invalid.

Electoral spokesman Martinho Gusmao told journalists earlier that official counts showed more than 300000 extra voters had been registered in the district of Baucau, where initially 51000 were shown as eligible to vote.

Lasama repeated this claim, but also listed cases of alterations of tally sheets, use of false ballot papers and instances of multiple voting. “We have handed documents on to (United Nations representative) Atul Khare,” he said. “And (we) are waiting for a decision from the national electoral commission.”

Amado feels, however, that leaders in the former Portuguese colony should concentrate on finding a peaceful resolution.

“The electoral process was satisfactory, according to reports issued by international observers. We can view these elections as a milestone, considering they are the first ever held since independence there and the fact they might open the door for a better future in that country. And even if the opposition lays claims of fraud, the most important thing is that any disagreement be managed peacefully.”

Amado said that East Timor had not come up in his discussions with Dlamini-Zuma.

Jakarta Post - April 16, 2007
Timor Leste election was free and fair: South Africa

The atmosphere in Dili during the election campaign and at the time of voting was calm and peaceful and both were in accordance with electoral regulations, South Africa's observer mission said last week.

The South African government sent a four-member election observer mission to Timor Leste. The team was led by the South African Ambassador to Indonesia, who is also accredited to Timor Leste, Griffiths Mandlenkosi Memela.

"In the voting stations visited by the South African mission, the voting process was well organized, with electoral officers adhering to the operating schedule as prescribed in the election manual," the mission said in a press release sent to The Jakarta Post last week from Dili.
Despite earlier concerns about the possibility of a resurgence of violence during the elections, the release said, the atmosphere at voting stations was calm and no incidents of harassment, violence or victimization were reported.

"Voters were generally well behaved, demonstrating maturity and readiness to exercise their choice, free from any undue influence.

"Electoral officers and party officials were disciplined and vigilant throughout the process, creating an atmosphere that was conducive for voters to exercise their democratic rights to elect a candidate of their choice," the mission said.

According to the release, United Nations Police units were deployed at voting stations and International Stabilization Force (ISF) personnel were visible and patrolled the streets to ensure law and order without intimidating voters and interfering with the election process.
"Based on the observations made in the foregoing, the observer mission concludes that the presidential elections held on April 9, 2007, were free and fair, and that the results will be a true reflection of the will of the people of Timor-Leste," the mission said.

The mission thanked the government of Timor-Leste for extending an invitation to South Africa to send observers. The mission also commended the National Election Commission, United Nations Mission in Timor Leste (UNMIT) and the Timor Leste people for delivering a successful election process.

Timor-Leste: CNE anuncia fim da análise das actas eleitorais - Votos a mais explicados

Correio da Manhã - Segunda-feira, 16 de Abril de 2007
F.J.G. com agências

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Timor-Leste explicou ontem que a inusitada multiplicação de votos numa assembleia eleitoral do distrito de Baucau se ficou a dever a um erro de preenchimento da folha oficial dos resultados. A revelação foi feita durante o anúncio do fim da análise, por parte da CNE, das actas e votos nulos e reclamados das Presidenciais de 9 de Abril.

Recorde-se que a assembleia de voto de Vae-Gae registou um total de mais de 300 mil votos válidos, quando em todo o distrito de Baucau havia apenas 60 552 eleitores inscritos. Apesar das aparências, não se tratou de uma fraude mas sim de um erro. O que aconteceu é que um técnico eleitoral colocou o número de identificação da mesa de voto, 0311301, no local onde deveria constar o total de votos. Assim, o que ficou escrito foi que 311.301 eleitores tinham votado naquele pequeno círculo eleitoral.

O presidente da CNE, Faustino Cardoso, revelou ainda que durante o processo de revisão das actas e apreciação dos votos nulos e reclamados foram detectadas inúmeras outras “inconsistências” aritméticas. Este facto, adiantou, explica a demora na revelação dos resultados finais, que deverá ter lugar quarta-feira.

Um dos principais problemas de todo o processo, segundo Faustino Cardoso, foi a falta de formação “dos recursos humanos”, o que em parte se deve, afirmou, ao atraso na criação da CNE, que só a 15 de Janeiro começou a ser formada.

Timor-Leste anuncia hoje resultados provisórios

Público - Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

A contagem dos votos da primeira volta das presidenciais deverá ser oficializada até sexta-feira. A segunda volta está marcada para dia 8 de Maio

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Timor-Leste só hoje deverá anunciar os resultados provisórios das presidenciais de dia 9, depois de ter concluído a análise das actas eleitorais e dos votos nulos. O excesso de votos contabilizados no distrito de Baucau foi atribuído a um erro técnico no escrutínio da pequena secção eleitoral de Vae-Gae.

Um dia depois de o porta-voz da CNE, padre Martinho Gusmão, ter aludido à existência de situações "ilógicas" e "inexplicáveis", Faustino Cardoso, presidente da entidade, explicou que o processo de revisão das actas e de decisão sobre os votos nulos e reclamados das 705 secções terminou cerca das 04h30 locais de ontem (20h30 de sábado em Lisboa). Foi um processo "meticuloso e demorado", face à constatação de erros técnicos na forma como foram escrutinados e registados os votos em várias secções.

Faustino Cardoso explicou que "as actas originais, as actas electrónicas, o envelope com os votos nulos, o envelope com os votos reclamados, as reclamações, o livro de presença de eleitores e a lista de presença dos oficiais eleitorais deveriam ter sido empacotados separadamente, o que não aconteceu em todos os casos.

Esta situação, mais comum nos distritos de Baucau, Ermera, Manufahi e Oecussi, obrigou à abertura das urnas, "sob as orientações dos comissários responsáveis do distrito e na presença de fiscais de candidatura e de partidos políticos e de observadores nacionais e internacionais".

Inúmeros problemas

Faustino Cardoso explicou que durante a revisão das actas foram constatados inúmeros problemas, que atrasaram ainda mais o escrutínio final. "Um grande número das actas de estação de votação apresentaram inconsistências aritméticas que exigiram muito tempo a resolver. O número de votos nulos apresentados por estação de votação foi muito elevado, atingindo em alguns casos mais de cem por cento."

Perante esta situação, os comissários foram obrigados a rever cada um dos votos para decidir se eram nulos ou válidos. Outras actas surgiram sem a informação necessária para serem processadas de imediato. Nalguns casos, não constava o resultado obtido por cada candidato, apenas o total de votos válidos; noutros existia discrepância entre o total de votos válidos e o de votos distribuídos por candidato. A situação mais caricata ocorreu em Baucau, onde o total de votos registados era três vezes superior de eleitores recenseados.

Eleições timorenses : CNE admite graves problemas

Jornal Noticias (Maputo) - Segunda-Feira, 16 de Abril de 2007
David Filipe, em Dili

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Timor-Leste admitiu, no fim-de-semana, haver "problemas graves" na contagem dos votos depositados nas urnas pelos eleitores nas presidenciais de há uma semana, e não descarta a possibilidade de requerer uma repetição parcial da votação ao Tribunal de Recurso.

Fonte do órgão disse a jornalistas, em Dili, que o "caso" relaciona-se com o facto de a soma dos votos até agora apurados nos vários candidatos não corresponder ao total dos votos validados. Em Dili, por exemplo, segundo a fonte, foram detectados problemas "muito sérios" em pelo menos 59 mesas votos das 113 que funcionaram na capital timorense.

Nos distritos de Aileu, Ainaro e Bobonaro há no total 95 mesas de votos com problemas e a fonte da CNE revelou ontem que o órgão analisa ainda o distrito de Baucau, onde o número de votos considerados nulos ou falsos é um "autêntico desastre". Neste distrito, o segundo mais populoso do país, eram esperados cerca de 60 mil votos, mas os números apurados até sábado indicavam terem ali votados cerca de 300 mil pessoas.

Em função destas irregularidades, a CNE admite requerer ao Tribunal de Recurso para decidir sobre uma possível repetição parcial da votação.

Um observador internacional disse, porém, ontem ao "Notícias" em Dili, que nos centros de apuramento por onde passou, o seu grupo não detectou nenhuma destas situações, mas confessou que, devido à complexidade que rodeia estas eleições, não estranha os problemas anunciados pela CNE.

"Nas mesas de escrutínio em que estive, aqui em Dili, não vi nenhuma situação como esta. As actas de apuramento foram conferidas e assinadas pelos fiscais de todos os candidatos, aparentemente sem problemas visíveis", referiu a fonte.

O secretário-geral da FRETILIN, partido que suporta a candidatura de Francisco Guterres-"Lu Olo", o líder da contagem desta eleição, com 29 porcento dos votos até agora expressos, considerou "absurdo" o pronunciamento e a intenção da CNE, porque "carecem de um argumento válido e credível".

A lei eleitoral timorense dá liberdade a que cidadãos votem aonde lhes convier, desde que estejam recenseados para isso. Significa isso que um eleitor registado no sul, pode ir votar no norte do país ou vice/versa, sem prejuízo do seu direito.

Na opinião de Mari Alkatiri, entrevistado ontem em Dili pelo "Notícias", é isso o que pode ter acontecido para justificar a presença de muitos eleitores, por exemplo, em Baucau, cerca de 100 quilómetros a sul da capital.

Alkatiri sustenta a sua opinião com o argumento de que nas vésperas da votação "houve muita intimidação e ameaças aos eleitores em Dili, o que terá forçado muitos cidadãos a preferirem exercer o seu direito cívico em localidades mais seguras, fora da capital do país".

Resultados Hoje

Mari Alkatiri critica também a intenção da CNE pelo facto de não haver no país cadernos de registo eleitoral que poderiam ajudar no controlo de eleitores. Esta ausência, segundo ele, pode facilitar que pessoas mal intencionadas de fora dessas localidades possam ali deslocar-se para votar de forma fraudulenta, "porque não se saberá provar se este cidadão é ou não é residente da área abrangida. Espero que o Tribunal de Recurso não se deixe cair nesta armadilha", comentou Mari Alkatiri.

Entretanto, o anúncio dos resultados da primeira volta das eleições, que deveria ter acontecido ontem, foi adiado para hoje. Fonte da autoridade eleitoral disse ontem ao "Notícias" que a CNE necessita de muito tempo do que o inicialmente previsto para apurar o resultado final nacional da primeira volta, uma vez que o processo "parece estar repleto de muitos erros e falhas".

Porto de Díli isolado devido a derrame químico

Díli, 16 Abr (Lusa) - A área em redor do porto de Díli está desde hoje de manhã rodeada por um cordão de segurança devido a um derrame químico no cais.

O alarme foi dado durante a madrugada de hoje devido a fugas de gás clorídrico numa cisterna desembarcada domingo à noite no porto de Díli, disse à Lusa fonte das forças de segurança internacionais.

Durante a manhã, soldados australianos das Forças de Estabilização Internacionais (ISF) e elementos da Polícia das Nações Unidas, incluindo militares da GNR de Portugal, montaram um cordão de segurança num raio de cerca de 250 metros do porto, em pleno coração da capital.

A principal preocupação é com os deslocados instalados nos terrenos mais próximos do porto, em frente ao Hotel Timor.

As ISF e a UNMIT prepararam de imediato meios e forças para a evacuação do campo de deslocados, com uma população oficial de cerca de 2.500 pessoas.

"O número real de deslocados neste campo deve ser um pouco mais baixo, cerca de 1500 pessoas", disse à Lusa, no local, um dos coordenadores da operação de segurança.

A cisterna desembarcada ontem à noite em Díli é proveniente de Surabaia, na Indonésia, com destino à Austrália, "e já estava com fugas a bordo", adiantou a mesma fonte à Lusa.

O gás clorídrico, com a referência internacional de carga 1789, "é um gás altamente letal em espaço fechado", e daí a preocupação de que pudesse atingir as tendas dos deslocados junto ao porto.

O facto de o vento não soprar para terra evitou, durante o dia, que a evacuação da área fosse decidida mais cedo.

Logo no início da operação de evacuação, os deslocados reagiram mal à ideia, acusando as forças de segurança de os quererem remover por motivos políticos.

O Governo, a Organização Internacional das Migrações e o chefe das missão das Nações Unidas (UNMIT), Atul Khare, reuniram cerca das 17:00 locais (09:00 em Lisboa) para "tomar uma decisão política sobre a evacuação do campo de deslocados junto ao porto", declarou à Lusa fonte das forças de segurança internacionais.


Os oficiais eleitorais não foram capazes de responder o que aconteceu a 150,000 votos'

(Tradução da Margarida)

Eleições aprofundam divisões políticas
The Courier-Mail - Sábado, Abril 14, 2007
John Martinkus em Dili

A eleição presidencial desta semana em Timor-Leste não resolveu nenhum dos problemas que afectou a amargamente dividida jovem nação.

Com o Primeiro-Ministro em exercício José Ramos Horta enfrentando o candidate da Fretilin Francisco "Lu Olo" Guterres na segunda volta em 8 de Maio, mantém-se elevada a possibilidade de violência politicamente motivada.
Esta tem sido uma semana caótica e bizarre que demonstra mais uma vez que os candidates perdedores receiam o poder da Fretilin, o partido no poder no país e que não aceitarão a sua dominação política.
Na Quarta-feira, a paisagem política em Dili mudou dramaticamente. Começou com uma conferência de imprensa convocada pelo candidato Fernando "Lasama" Araujo.

Os repórteres presumiam que o evento fora convocado para anunciar a aceitação pelo líder do Partido Democrático de que ficara em terceiro lugar e que ficara de for a da segunda volta. Em vez disso o Sr Araujo deixou cair uma bomba.

Juntamente com quatro dos outros perdedores na eleição presidencial, emitiu uma declaração a pedir à comissão eleitoral para parar a contagem dos votos na base de alegações de má conduta por oficiais eleitorais e pela Fretilin.

Era amplamente sabido que os resultados da parte leste do país, uma praça-forte da Fretilin, estavam previstos serem anunciados à tarde e que aos partidos tinha sida dada previamente a informação dos resultados pela comissão eleitoral. Todos os cinco candidatos tinham esperado (saber) os resultados para alegarem má conduta e declararem oficialmente inválida a eleição.

Quando questionados pelos repórteres quanto à evidência da má conduta, a candidate Presidencial Lúcia Lobato mostrou um bocado de papel e disse repetidas vezes: "Esta é a evidência ".Recusou não só ler o que estava no papel como até mostrá-lo aos jornalistas aí presentes.
Pouco depois nessa tarde a Comissão Nacional Eleitoral Timorense (CNE), anunciou o resultado. O porta-voz da CNE Martinho Gusmão disse aos repórteres que o Sr Guterres tinha saltado de terceiro para primeiro lugar com 28.79 por cento dos votos nacionais e que o por todo o lado declarado favorito Sr Ramos Horta estava no segundo lugar com 22.52 por cento, e o Sr Araujo com 18.52 por cento.

As expressões nas caras dos diplomatas e jornalistas na sala que já tinham declarado o Sr Ramos Horta como o vencedor com base nos resultados anteriores, indicou o choque com este resultado.

Há duas razões para que ninguém tenha previsto este resultado. A primeira foi a emissão seleccionada dos números preliminaries pela autoridade eleitoral.

O Sr Gusmão da CNE surpreendeu os repórteres numa conferência de imprensa na semana passada ao declarar que apoiava o Sr Araujo e que tinha esperança que ele ganhasse. Isso foi anotado no relatório dos observadores oficiais da União Europeia que falou de exemplos de oficiais públicos que tomaram posições políticas nestas eleições.

A segunda razão para o choque foi o atraso da CNE no anúncio dos resultados do leste do país.

Ao atrasar a sua inclusão, parecia que o porta-voz da CNE estava a jogar uma espécie de jogo político que levava a especulações anteriores de uma vitória de Ramos Horta.

Mas, de longe, o aspecto mais perturbador do anúncio de Quarta-feira foi o número total de votos válidos contados. Foi dado o número de 357,766 – bastante longe dos 522,000 que se tinham registado para votar nas eleições.

Os oficiais eleitorais não foram capazes de responder às perguntas sobre o que é que tinha acontecido a 150,000 votos.
Preocupações sérias foram levantadas pelo grupo de observadores de 27 membros da UE em relação às debilidades dos dois órgãos do governo Timorense – a Comissão Eleitoral e a STAE, que conduziram as logísticas para as eleições.

CNE analisa 141 reclamações

Diário Digital / Lusa 16-04-2007 8:01:08

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) está hoje a analisar 141 reclamações relativas às presidenciais de 09 de Abril, anunciou hoje uma porta-voz da entidade que supervisionou o acto eleitoral.

Maria Angelina Sarmento, a segunda porta-voz da CNE além do padre Martinho Gusmão, acrescentou que 51 reclamações são relativas ao distrito de Díli.

A CNE decidiu que, como critério de avaliação das reclamações, pode validar os documentos em que o erro de escrutínio não seja superior a cinco votos.

Maria Angelina Sarmento recordou que «a CNE não tem poder para proceder a uma recontagem dos votos».

O que os comissários estão desde domingo a fazer é a análise de reclamações de inconsistência ou de documentos incompletos.

Deu como exemplo a discrepância entre o número de votos válidos numa estação de voto e o total da distribuição por cada candidato, por excesso ou por defeito.

Há também actas que não foram preenchidas ou foram mal preenchidas pela brigada ou pelo presidente da estação de voto, casos em que a CNE decidiu reabrir as urnas e identificar os envelopes de votos nulos ou inválidos.

Os casos que não puderem tecnicamente ser resolvidos pela CNE serão remetidos para o Tribunal de Recurso, que terá também de analisar o relatório final do escrutínio.

Só então haverá um resultado final nacional das eleições e proclamados os candidatos que vão disputar a segunda volta.

Maria Angelina Sarmento declarou que o primeiro porta-voz da CNE «não foi demitido», apenas foi nomeado um segundo comissário que passa a partilhar essas funções.

Pequena estação de voto mas erro grosseiro

Jornal de Notícias, 16/04/07

Uma estação de voto com apenas 350 eleitores esteve na origem do maior erro de apuramento das presidenciais de 9 de Abril, afirmou um dos membros da Comissão Nacional de Eleições CNE). Um erro de preenchimento na acta da estação de voto de Vae-Gae, no subdistrito de Vemassi, fez com que o número de votantes no distrito de Baucau quintuplicasse o número de eleitores recenseados.

Com o apuramento nacional concluído na madrugada de ontem, a CNE reuniu durante a tarde a sua assembleia plenária. Em cima da mesa estão mais de uma centena de casos de "inconsistência" ou "incompletude" dos documentos de votação, anunciou o presidente da CNE, Faustino Cardoso.

A multiplicação de números em aconteceu porque, em vez do número de votantes em Vae-Gae, um técnico eleitoral colocou o número de código da estação de voto. A identificação de Vae-Gae no processo é o código 03-113-01, que resulta de uma sequência de três números, sucessivamente, o código de distrito de Baucau (03), do subdistrito de Vemassi (113) e do suco, o equivalente territorial de freguesia, de Vae-Gae (01). Foi o número 311 301 que deu entrada na base de dados eleitoral, no campo relativo aos votantes.

O recenseamento eleitoral apurou um total de 60 552 eleitores no distrito de Baucau. No entanto, o apuramento a nível nacional revelou mais de 311 mil votantes no distrito de Baucau. Esta "situação ilógica", como lhe chamou o porta-voz da CNE, padre Martinho Gusmão, ficou esclarecida cerca das 20 horas locais anteontem, durante o apuramento nacional provisório.

Dos Leitores

Margarida deixou um novo comentário na sua mensagem "UNMIT - Security Situation":

Parece que afinal foi o “lapso” de acrescentarem um zero aos resultados da cidade de Baucau que originou esta confusão. Mas houve media (Público, Euronews, alguns on-lines) que de imediato se lançaram na especulação mas, tal como o porta-voz da CNE, OMITIRAM que a Comissão de Contagem do Distrito de Baucau tinha validado apenas cerca de 100 mil votos;

Logo a ter havido “irregularidades”, “confusões”, “lapsos”, (como queiram chamar) seriam da responsabilidade da CNE pois que lhe compete analisar as actas vindas dos Distritos e decidir dos (poucos) votos invalidados contestados...

Curiosa e nada inocente a politiquice de Martinho Gusmão, porta-voz da CNE e da hierarquia da Diocese de Baucau em que certos media logo embarcaram.

Percebe-se o objectivo: afinal sabem que na segunda volta a vitória está muito mais ao alcance de Lu-Olo e que este já disse que depois de acabar o ciclo eleitoral não se justifica a presença de tropas estrangeiras no país e por isso tentam já criar nos espíritos a ideia de que tendo havido “irregularidades” o futuro PR não terá legitimidade para assim o decidir.

É lamentável que eleições que foram essencialmente livres, correctas e transparentes estejam a ser emporcalhadas por bocas levianas, irresponsáveis e irreflectidas do porta-voz da sua CNE.

Pequena estação de voto na origem do maior erro do escrutínio

Díli, 15 Abr (Lusa) - Uma estação de voto com apenas 350 eleitores esteve na origem do maior erro de apuramento das presidenciais de 09 de Abril, afirmou à Lusa um dos membros da Comissão Nacional de Eleições CNE).

Um erro de preenchimento na acta da estação de voto de Vae-Gae, no subdistrito de Vemassi, fez com que o número de votantes no distrito de Baucau quintuplicasse o número de eleitores recenseados.

Com o apuramento nacional concluído na madrugada de hoje, a CNE reuniu durante a tarde a sua assembleia plenária. Em cima da mesa estão mais de uma centena de casos de "inconsistência" ou "incompletude" dos documentos de votação, anunciou o presidente da CNE, Faustino Cardoso.

A multiplicação de números no distrito de Baucau aconteceu porque, em vez do número de votantes em Vae-Gae, um técnico eleitoral colocou o número de código da estação de voto.
A identificação de Vae-Gae no processo eleitoral é o código 03-113-01, que resulta de uma sequência de três números, sucessivamente, o código de distrito de Baucau (03), do subdistrito de Vemassi (113) e do suco, o equivalente territorial de freguesia, de Vae-Gae (01).

Foi o número 311.301 que deu entrada na base de dados eleitoral, no campo relativo a número de votantes.

O recenseamento eleitoral apurou um total oficial de 60.552 eleitores no distrito de Baucau, a segunda cidade do país.

No entanto, o apuramento a nível nacional revelou mais de 311.000 votantes no distrito de Baucau.

Esta "situação ilógica", como lhe chamou o porta-voz da CNE, padre Martinho Gusmão, ficou esclarecida cerca das 20:00 locais (12:00 em Lisboa) de dia 14, sábado, durante o apuramento nacional provisório.

Trabalhando 24 sobre 24 horas durante três dias para respeitar prazos legais de escrutínio e anúncio de resultados, a CNE finalizou o apuramento dos 13 distritos cerca das 05:00 de hoje (21:00 de sábado em Lisboa), conforme a Lusa constatou na sala de trabalho dos comissários.

Os eleitores de Vae-Gae, segundo a acta corrigida a que a Lusa teve acesso, deram a vitória ao candidato da Fretilin, Francisco Guterres "Lu Olo", com 262 votos. O segundo candidato mais votado foi o primeiro-ministro José Ramos-Horta, com 50 votos válidos.


CNE termina apuramento nacional provisório

Díli, 15 Abr (Lusa) - A Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Timor-Leste anunciou hoje o fim da análise das actas e dos votos nulos e reclamados das presidenciais de 09 de Abril, mas o escrutínio não está concluído e ainda não há resultados para anunciar.

Faustino Cardoso, presidente da CNE, declarou que o processo de revisão de actas e de decisão sobre os votos nulos e reclamados das 705 estações de voto das eleições presidenciais, vindas dos 13 distritos, terminou cerca das 04:30 de hoje (20:30 de sábado em Lisboa).

O processo iniciou-se no dia 12, "às 11:38" locais (03:38 de Lisboa), acrescentou Faustino Cardoso, perante uma sala onde os observadores eleitorais pelos vários candidatos estavam tão ávidos de questionar a CNE quanto os jornalistas.

O presidente da CNE explicou em detalhe em que consiste o apuramento de resultados, na sequência de irregularidades e situações "ilógicas" (segundo a expressão usada sábado pelo porta-voz da CNE, padre Martinho Gusmão).

Faustino Cardoso listou alguns dos problemas encontrados no processo de apuramento.
"As actas originais, as actas electrónicas, o envelope com os votos nulos, o envelope com os votos reclamados, as reclamações, o livro de presença de eleitores e lista de presença dos oficiais eleitorais, deveriam ter sido empacotados separadamente, o que não aconteceu em todos os casos", afirmou o presidente da CNE.

Faustino Cardoso reconheceu também que "os materiais eleitorais dos distritos de Baucau, Ermera, Manufahi e Oecussi não vieram separados, o que levou à abertura das urnas, sob as orientações dos comissários responsáveis do distrito e na presença de fiscais de candidatura e de partidos políticos e de observadores nacionais e internacionais".

"O processo de ordenar os documentos em dossiers por cada estação de voto foi meticuloso e demorado", acrescentou Faustino Cardoso.

Vários problemas surgiram no processo da revisão das actas, votos nulos e votos reclamados de cada estação.

"Um grande número das actas de estação de votação apresentaram inconsistências aritméticas que exigiu muito tempo a resolver. O número de votos nulos apresentados por estação de votação foi muito elevado, atingindo em alguns casos mais de 10 por cento dos votos", sublinhou.

Esta situação, explicou o presidente da CNE, exigiu muito tempo para apreciar e decidir sobre cada voto - "se o voto se mantém nulo ou se se classifica como válido".

Há actas que apareceram sem a informação necessária para serem processadas de imediato e que serão apreciadas pela CNE.

O presidente da CNE apresentou ainda uma lista de "inconsistências", desde a discrepância entre total de votos válidos e o total de votos distribuídos por candidato, passando por actas em que não consta o resultado obtido por cada candidato, mas apenas o total de votos válidos.

O processo de apuramento inicia-se com a chegada das urnas de votos de cada distrito. Os documentos são em seguida ordenados em dossiers, para serem apreciados pelos comissários.
A revisão das actas, a apreciação e decisão dos votos nulos e votos reclamados de cada estação de voto e a introdução dos dados actualizados por estação de cada distrito numa base informatizada são os outros passos do apuramento.

Após a assembleia plenária dos comissários, iniciada hoje à tarde, o relatório final da CNE será remetido ao Tribunal de Recurso, que receberá, no prazo de 24 horas, as queixas e reclamações. Só depois será anunciado o resultado final oficial.

Falharam recursos humanos, diz presidente da CNE

Díli, 15 Abr (Lusa) - O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Timor-Leste, Faustino Cardoso, afirmou hoje à agência Lusa que "um dos problemas" com o escrutínio da votação presidencial de 09 deste mês foi "a qualidade dos recursos humanos".

"Não é só um problema, são muitos, mas um deles é o aspecto do pessoal que exerce o dever de pôr em funcionamento o processo de eleição", admitiu Faustino Cardoso minutos antes da assembleia plenária da CNE.

Outro problema sublinhado por Faustino Cardoso foi a criação tardia da CNE, que não existia até 15 de Janeiro deste ano.

"Devia ter sido criada há mais tempo. Quando isso não acontece, vão haver com certeza consequências", afirmou o presidente da CNE.

"Começámos com zero. Não tínhamos nada. Até o edifício da CNE não era assim. Foi com o tempo que se desenvolveu. O mesmo se passou com os comissários", admitiu Faustino Cardoso quando questionado sobre se existe um problema interno com o porta-voz da CNE, o padre Martinho Gusmão.

"Temos deficiências e temos de aprender com a experiência, incluindo como se deveria instituir o mecanismo que possa garantir as informações saídas" da CNE, disse Faustino Cardoso.

"Para haver um funcionamento com qualidade, os comissários devem ter conhecimentos suficientes na área onde estão responsabilizados, para assim facilitar melhor o desempenho da sua tarefa", acrescentou.

Um dos 15 comissários eleitorais afirmou à Lusa que o ambiente esteve hoje "tenso" na CNE, sublinhando que a questão das declarações e do comportamento do porta-voz nas últimas semanas "foi directamente abordada".

"Chegou-se a um entendimento de que o porta-voz não fará declarações sem primeiro consultar o colectivo dos comissários", adiantou o mesmo elemento da CNE à Lusa.

Na conferência de imprensa, realizada na sede da CNE na presença de todos os comissários, Faustino Cardoso respondeu sobretudo a questões de observadores dos vários candidatos às presidenciais.

Uma mulher de Baucau perguntou-lhe mesmo "se todo o pessoal que enchia as estações de voto tinha tido alguma formação".

Faustino Cardoso admitiu que houve falhas no recrutamento dos funcionários da máquina eleitoral que organizou as eleições de 09 de Abril.

"O processo de recrutamento deve tomar em consideração o facto de ser necessário saber a forma como se pode assegurar a qualidade dos recursos humanos, para obter um melhor processo eleitoral", explicou Faustino Cardoso.

O presidente da CNE apontou outros problemas, como as actas de cada estação de voto indevidamente preenchidas ou com informação deficitária.

"Há também a questão da inconsistência dos números, devido à falta de qualidade dos recursos humanos que estão colocados na base", acrescentou Faustino Cardoso.

A CNE terminou hoje de madrugada a análise das actas e dos votos nulos e reclamados das presidenciais, num processo de apuramento nacional que tinha um prazo legal de 72 horas para ser concluído.

Esse prazo terminava às 00:00 de hoje (16:00 de sábado em Lisboa), mas a CNE vai tentar terminar o apuramento final dentro de mais 72 horas, até à próxima quarta-feira, dia 18.
É este o limite que a lei eleitoral dá à CNE para a elaboração das actas e afixação na sede da comissão.

"Qualidade importa mais que velocidade" no escrutínio - ONU

Díli, 14 Abr (Lusa) - A missão das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT) considerou hoje que "a qualidade do processo de apuramento e anúncio dos resultados é mais importante que a velocidade".

"A UNMIT apoia todas as medidas das autoridades nacionais para assegurar que o processo de apuramento e anúncio dos resultados é livre, justo e aceitável por todos", declarou a porta-voz da missão internacional, Allison Cooper.

O escrutínio das presidenciais realizadas a 09 de Abril tem sido marcado por irregularidades, contradições, bem como de resultados sem sentido aparente, apresentados como "surpresas" e "milagres" pelo porta-voz da Comissão Nacional de Eleições, padre Martinho Gusmão.

"O apuramento nacional é um processo complicado que requer cuidado e atenção ao detalhe para assegurar que é rigoroso e que todos os possíveis factores são tidos em conta", acrescentou Allison Cooper no comunicado difundido ao princípio da noite (início da tarde em Lisboa).

"A UNMIT entende que a Comissão Nacional de Eleições precisa de mais tempo do que inicialmente previsto para completar o apuramento nacional das eleições presidenciais de 09 de Abril".

Na conferência de imprensa diária da CNE, Martinho Gusmão anunciou hoje que "não há resultado nenhum para Baucau".

O último apuramento de votos válidos em Baucau é mais de cinco vezes superior aos eleitores recenseados no distrito (60.552) e multiplica o apuramento provisório de mais de cem mil votos divulgado há cinco dias.

"É uma situação ilógica", considerou o porta-voz da CNE.

A Resolução 1704 do Conselho de Segurança das Nações Unidas dá à UNMIT o mandato de "apoiar Timor-Leste em todos os aspectos do processo eleitoral das presidenciais e das legislativas de 2007, incluindo através de apoio técnico e logístico, assessoria em política eleitoral, verificação e outros meios".

As eleições legislativas estão marcadas para 30 de Junho.
PRM Lusa/Fim

CNE diz não ter resultados para Baucau

TSF – 14 de Abril 07, 21:27

A Comissão Nacional de Eleições timorense confirmou não dispôr de resultados para Baucau. O porta-voz Martinho Gusmão diz que é «ilógica» a situação que ocorreu na segunda maior cidade do país que tinha mais de cem mil votantes e «tem um apuramento» de mais de 300 mil votantes.

O porta-voz da Comissão Nacional de Eleições timorense surpreendeu, este sábado, tudo e todos ao anunciar que «não há nenhum resultado para Baucau» relativo às presidenciais de segunda-feira. Antes, o padre Martinho Gusmão tinha anunciado que o distrito de Baucau, que «tinha cento e tal mil votantes, tem um apuramento de 300 e tal mil votantes», uma situação que o porta-voz da CNE considerou «ilógica».

Na conferência de imprensa deste sábado, Martinho Gusmão usou a palavra «milagre» para se referir a mais este resultado que carece de sentido, numa cidade, a segunda do país, onde estão oficialmente recenseados apenas pouco mais de 60 mil eleitores.

Segundo este responsável, as irregularidades que forem apreciadas pela CNE, poderão em alguns casos ser «resolvidas logo pela Comissão», se tiveram carácter meramente técnico.
Martinho Gusmão, que anunciou que o resultado apurado em Manatuto foi «limpíssimo, sem nenhum falhanço», adiantou ainda que o resultado final provisório das presidenciais seria conhecido «talvez na segunda-feira» e que não tinha o número de votantes relativo a capital Díli.
O apuramento dos resultados das eleições que designarão o sucessor de Xanana Gusmão na presidência de Timor-Leste estão já concluídos em Aileu, Liquiçá, Baucau, Bobonaro, Díli e Manatuto, estando ainda por terminar em Lautém, Viqueque, Manufahi, Oecussi e Covalima.

Para ouvir o debate sobre Timor-Leste de ontem, sábado, 14 de Abril de 2007:

Divulgação dos resultados finais das eleições adiada

Rádio Renascença - 15-04-2007 10:19

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) não vai apresentar hoje os resultados finais das presidenciais de 9 de Abril como previsto. O anúncio só será feito daqui a 72 horas.

Faustino Gomes, presidente da CNE, justificou esta decisão devido ao número elevado de irregularidades e falhas encontradas durante a contagem de votos.

De acordo com este responsável, os problemas ocorreram devido à existência de grandes deficiências ao nível dos recursos humanos que participaram neste processo.

Sobre a polémica questão de Bacau - onde o último apuramento de votos válidos foi cinco vezes superior aos eleitores recenseados no distrito (60.552) - Faustino Gomes disse que tudo foi um engano, no qual se colocou erradamente no computador o código de distrito no lugar do numero de eleitores.

O presidente disse que todos estes erros são da responsabilidade da CNE, alegando que a comissão não teve tempo nem formação suficiente para organizara estas eleições e desejou que na segunda volta não se comentam estes erros.

As eleições legislativas estão marcadas para 30 de Junho.

Áudio em:

Resultados provisórios na segunda-feira

TSF – 15 de Abril de 2007, 17:14

Os resultados provisórios das presidenciais de Timor-Leste vão ser divulgados já na segunda-feira. Luís Martinez assegurou ainda que os resultados definitivos vão aparecer até sexta-feira, pois no domingo começa a campanha para a segunda volta.

O vice-chefe da Missão de Observadores da União Europeia em Timor-Leste indicou que o anúncio dos resultados provisórios das eleições presidenciais será mesmo feito na segunda-feira.

Ouvido pela TSF, Luís Martinez explicou que este anúncio será feito na segunda-feira para que não esteja em causa a realização da segunda volta destas eleições marcada para 8 de Maio.

«Os resultados provisórios serão conhecidos amanhã com uma série de recomendações para o Tribunal de Recurso que tem 24 horas para decidir. Uma vez tomada a decisão há um novo prazo de 24 horas para que os candidatos apresentem reclamações e depois mais 24 para que o Tribunal as aceite ou não», acrescentou.

Perante estes prazos, Luís Martinez acredita que os resultados finais da primeira volta das presidenciais sairão na quinta ou na sexta-feira, algo que é «obrigatório por lei, porque a campanha para a segunda volta começa no domingo».

«Se não houvesse resultados até sexta-feira seria um problema, mas, em princípio, será possível respeitar os prazos», adiantou o vice-chefe da missão, que diz nunca se ter confrontado com qualquer problema relacionado com manipulação.

«O que vimos foram muitos erros humanos. Acreditamos que o problema é o sistema que é muito sofisticado e parecido ao que é usado em Portugal e em toda a Europa Continental. Aqui é usado por timorenses que têm um nível de educacional muito baixo. Por isso, os erros são frequentes», adiantou. Em declarações à agência Lusa, um dos membros da Comissão Nacional de Eleições (CNE) explicou que uma deficiente introdução de um dado relativo a uma estação de voto com apenas 350 eleitores.

Tudo se passou na estação de voto de Vae-Gae, distrito de Baucau, onde um técnico eleitoral introduziu o código da estação (03-113-01) no lugar onde deveria constar o número de votantes, fazendo com que estes "disparassem" para 311301, quando neste distrito estão recenseados apenas 60552 eleitores.

Durante a assembleia plenária da CNE deste domingo, o presidente deste organismo, Faustino Cardoso, explicou que estavam em cima da mesa mais de uma centena de casos de «inconsistência» ou «incompletude» dos documentos de votação.

Entretanto, este domingo, a CNE anunciou o fim da análise das actas e dos votos nulos e reclamados das presidenciais, o que não termina, contudo, com o escrutínio, não havendo para já resultados a anunciar.

Faustino Cardoso admitiu, em declarações à agência Lusa, que a «qualidade dos recursos humanos» foi um dos problemas durante o apuramento dos resultados.

Este responsável assinou também que a criação tardia da CNE, apenas a funcionar desde 15 de Janeiro, também foi um problema.

Uma palavra amiga do Blog "Agitar Antes De Usar"...

Monday, April 16, 2007

O Mali Azul vs. o Público, a TSF, a RTP, o Expresso…

O Malai Azul publica o Malai como qualquer estrangeiro em Timor; azul, não faço a mínima ideia porquê. O Malai Azul conta a vida quotidiana de timor; pequenas histórias do que se passa em Dili, com um detalhe que evoca imagens intensíssimas a quem (como eu) por lá passou.

Nas eleições o Malai Azul relatou o que se passava com o mesmo detalhe; e enquanto Público e restante media em Portugal dava Ramos Horta à frente, o Malai relatava uma história diferente. E tinha razão.

Fascinante mundo, em que alguém, no terreno, tem o poder de difundir para o mundo o que se está a passar, curto-circuitando jornalistas ou desconhecedores do país onde estão, ou ignorantes, ou até a soldo de interesses pouco claros. Bem hajas, Malai Azul.

posted by tiago m.

Ramos-Horta vows to fight on in East Timor’s Presidential elections

Página do Dr José Ramos-Horta - Apr 13, 2007

In light of the strong show of support in the presidential elections, the first since East Timorese independence five years ago, Prime Minister José Ramos-Horta declared his intention to stand in the second round elections announced by the President H.E. Kay Rala Xanana Gusmão to be held on May 9th 2007.

With no single candidate winning an overall majority, (to gain election a candidate has to attain over 51 per cent of votes) Ramos-Horta will continue to campaign in opposition to Fretilin party's Francisco "Lu'Olo" Guterres on his platform of peace, unity and prosperity for the East Timorese people.

“We have been through tough times in East Timor recently, but this is nothing new for a post-conflict nation, and in our situation one that has been occupied for centuries, with the military occupation 1975-1999 marked by severe abuse.

“The past couple of weeks, however, have seen our population mobilise in its demands for a new direction, a brighter future and an insistence that things need to change,” Dr Ramos-Horta said.
“I vow to stand as an independent candidate and continue to give the people the voice they need to drive change, improve the basic conditions and infrastructure they need to live. I vow to unite our nation in a determination to build a better future.

“The Presidential election has demonstrated that the people are ready for change. In the light of credible allegations of corruption and coercion they have attempted to vote with their hearts and their conscience to show that they are clearly ready for change. I call on all those that recognise the need for a change in our precious nation to work with me in the second round to deliver a strong message that we will no longer tolerate intimidation and inept governance and provide me with a strong mandate to work with our government and the international community in the best interests of our people.”

Notícias em inglês - 15 de Abril de 2007

AAP - April 15, 2007 05:32pm
Army admits to searching Dili homes
By Jill Jolliffe

The Australian Army has admitted it entered Dili homes and searched them on Thursday, contrary to its earlier denial.

People from the Kampung Alor District of the East Timorese capital had accused Australian soldiers from the International Stabilisation Force of searching homes without permission and leaving them in disarray.

One of them, Rosa Soares, said she was asked if she had seen fugitive Timorese officer Alfredo Reinado, wanted on attempted murder and other charges arising from political violence last year. Yesterday, the force denied officers had raided any homes.

But today, it said the denial was wrong.

"The statement was based on the best information we had at the time, but was wrong,'' an army spokesman said. "Yes, we did enter a number of premises during the operation.''

He said that "all houses were entered with the permission of owners. We searched them alongside UN police''.

The army also had denied that the raids were linked to the Reinado manhunt.

The army spokesman said the "primary role'' of the raids was election security.

He added that a charge by Timorese human rights activist Jose Luis Oliveira concerning the detention of Reinado's family three days earlier, on April 9, was wrong.

Mr Oliveira had said that during four hours of questioning Australian soldiers asked Reinado's relatives how they had voted in the presidential election that day, which he said was "a violation of human rights''.

The army spokesman said questions concerning the election were asked but "they were not specifically asked 'who did you vote for'.''

AFP - 4/16/2007 1:23
Dili - A huge discrepancy between the number of registered voters in a district and the actual number of votes reported was the result of a technical error, an East Timorese electoral commission spokesman said yesterday.

Confusion surrounding the first round of voting in East Timor's presidential election mounted on Saturday when the election commission said the Baucau district, with 100,000 eligible voters, had produced three times as many votes.

The figure of 300,000 "was not at all there," Martinho Gusmao, spokesman for the national election commission, told a press conference here.

"This discrepancy was a technical mistake by the Stae (East Timorese Technical Secretariat for Election Administration) and the polling staff," Gusmao said, adding that the real figure was around 100,000 votes.

He said the mistake was "in the matter of writing up the figure," and was only discovered on Saturday evening.

Election commission chief Faustino Cardoso said the error was a technical mistake by polling staff.

"The distortion at several polling centres was because of their lack of capacity and knowledge of the electoral process," Cardoso told journalists separately.

Gusmao declined to say whether the mistake had affected the results so far. He said the final results would be taken to the court of appeal, where it would be decided whether a second round would be necessary.

East Timor, which is holding its first presidential poll since independence in 2002, has just 520,000 eligible voters.

Jose Ramos-Horta, East Timor's current prime minister, and Francisco "Lu-Olo" Guterres, the ruling Fretilin party's candidate, have emerged from a field of eight candidates to contest the run-off.

The commission said Friday that serious flaws in the election could force some areas to repeat first-round voting.

Most of the candidates who stood formally demanded a recount, even though international observers said the poll in the former Portuguese colony was generally orderly and peaceful.
The commission had rejected a recount on Thursday, saying there was no legal basis on which to grant the request.

A number of the candidates also raised the possibility that voters were intimidated, stoking fears of instability in the troubled state ahead of the second round.

Radio Australia – 16/04/2007, 07:57
Election result sees fall in Fretilin support

East Timor's electoral commission spokesman says the outcome of the first round of voting in the country's presidential election represents a significant political setback for the ruling Fretilin party.

While the party's candidate, Francisco "Lu Olo" Guterres secured the biggest vote in the April the 9th poll, it wasn't the 50 percent required to avoid a second round run-off next month against Prime Minister Jose Ramos Horta.

The electoral commission spokesman, Martinho Gusmao, says while Fretilin has more than half of the seats in parliament, the party only managed to secure 28 per cent of the vote for president.

He says this represents a significant reduction in popular support.

The Herald Sun - April 16, 2007 12:00am
Army in Dili backflip
The Australian Army has admitted it searched Dili homes last week, contrary to its earlier denial.

People from the Kampung Alor district of the East Timorese capital accused Australian soldiers of searching homes without permission and leaving them in disarray.
The army said its denial was based on the best information at the time. "All houses were entered with the permission of owners," an army spokesman said.

9 News (EUA) - 4/14/2007 4:32:05 PM
City connects with three special visitors

Fort Collins – With electricity, food production and health care, the city is reaching out to three people from East Timor in a project called Creating Connections.

Bernardo Alberto Maia, Jose Miguel Madeira and Betty Da Silva, all in their 20s, are in town learning skills in various trades they plan to take back to their country, which has been riddled with violence since its independence from Indonesia in 2002.

Maia is a builder in the mountains of East Timor and is studying how electricity is managed in the United States. Last week, he was at Merit Electric getting a tutorial.

Madeira has been learning about food production. Last week, he and one of the project's coordinators, Nancy Marray, put together a solar food dehydrator.

Da Silva, who is interested in health care, has shadowed a nurse practitioner and spent the day in an ambulance.

The project stems from a trip back in 2005, when a group of Poudre High School students attended the PeaceJam Youth Conference.

The group met Jose Ramos Horta, who is the country's Prime Minister and recently ran for President. Initially, a group from Fort Collins was going to visit East Timor, but civil unrest forced the trip's cancellation. The money raised was then used to bring the three East Timorese here.

The goal is not just to give them useful skills, but also to create a bridge between East Timor and Fort Collins with the hope the connection - and the knowledge traded through that connection - will benefit both sides.

Votos de Baucau multiplicam por cinco o número de eleitores

Pedro Rosa Mendes, da Agência Lusa Díli, 14 Abr (Lusa) - A divulgação do apuramento final dos resultados das eleições presidenciais em Timor-Leste subiu hoje para o patamar do "ilógico", com a confissão da CNE timorense de que "não há resultado para o distrito de Baucau", a segunda cidade do país.

"Não há resultado nenhum para Baucau", declarou o porta-voz da Comissão Nacional de Eleições (CNE) timorense, padre Martinho Gusmão, na conferência de imprensa diária desta entidade. "É uma situação ilógica", considerou o porta-voz da CNE.

O sacerdote respondia a uma insistência da Agência Lusa sobre qual é, afinal, o apuramento de votantes que faz fé para Baucau, a diocese de Martinho Gusmão, à hora da conferência de imprensa: se os cerca de cem mil votos apurados no escrutínio distrital ou os mais de 300 mil votos válidos que o porta-voz acabara de anunciar.

Este último apuramento de votos válidos em Baucau é mais de cinco vezes superior aos eleitores oficialmente recenseados no distrito (60.552) e multiplica o apuramento provisório divulgado há cinco dias.

A conferência de imprensa iniciou-se com uma curta declaração de Martinho Gusmão sobre a conclusão do apuramento final dos distritos de Aileu, Ainaro, Liquiçá, Baucau, Bobonaro, Díli e Manatuto.

Martinho Gusmão tinha "duas surpresas" para anunciar.

A primeira era relativa ao apuramento de Manatuto, que foi "limpidíssimo, sem nenhum falhanço", uma situação inédita em cinco dias de escrutínio. "Outra surpresa é que o distrito de Baucau, que tinha cento e tal mil votantes, tem um apuramento de 300 e tal mil votos válidos" no apuramento efectuado em Díli.

A declaração do porta-voz da CNE causou grande perplexidade nos jornalistas presentes e nos observadores eleitorais e nos membros das embaixadas, nomeadamente de Portugal e da Austrália. O resto da conferência de imprensa, mais curta, menos concorrida e mais confusa do que as anteriores, foi ocupada com um círculo de questões sobre as últimas revelações da CNE.

Em tetum, português, inglês e bahasa indonésia, Martinho Gusmão resumiu a única resposta possível numa mesma palavra: "ilógico". O porta-voz da CNE aludiu de novo à palavra "milagre" para referir resultados que carecem de sentido, como aliás fizeram durante a semana, num fogo-cruzado de humor, o actual e o antigo chefe de governo, José Ramos-Horta e Mari Alkatiri.

A triplicação de votos em Baucau é mais uma das muitas irregularidades, contradições e "surpresas" que têm marcado o processo eleitoral desde o encerramento das urnas, às 16:00 locais de 09 de Abril (08:00 em Lisboa). A CNE, que está a trabalhar 24 sobre 24 horas para completar o apuramento de todos os distritos até domingo, prosseguia ao fim do dia de hoje o tratamento dos documentos e votos contestados de Lautém, depois Viqueque, Manufahi, Oecussi e Covalima.

As irregularidades serão apreciadas pela CNE "e é possível que algumas possam ser resolvidas logo pela Comissão", se tiverem carácter meramente técnico, explicou Martinho Gusmão. A CNE enviará o seu relatório com o resultado final provisório ao Tribunal de Recurso, que, nas 24 horas seguintes, poderá receber queixas e pedidos de impugnação.

O resultado das eleições presidenciais será do conhecimento público "talvez na segunda-feira", afirmou o padre Martinho Gusmão. "Não tenho o número de votantes de Díli". Esta foi a última resposta do porta-voz da CNE antes do encerramento da conferência de imprensa.

Na sequência das eleições presidenciais: Moçambique dá nota positiva aos timorenses

Jornal Noticias (Maputo) - Sábado, 14 de Abril de 2007
David Filipe, em Dili

Os dois observadores que representaram Moçambique nas eleições presidenciais da passada segunda-feira em Timor-Leste deram nota positiva ao processo, embora sublinhando alguns problemas de carácter organizativo que rodearam e salpicaram a campanha eleitoral e o escrutínio. Moçambique fez-se representar por dois observadores integrados nas missões internacionais de observação convidadas para supervisionar o processo pelas autoridades timorenses, nomeadamente Geraldo Chirindza, embaixador moçambicano na Indonésia e em Timor-Leste, e António Carrasco, director do STAE.

Entrevistados em separado pelo "Notícias" em Díli, para uma primeira avaliação da forma como decorreram as segundas eleições presidenciais em Timor-Leste, Chirindza e Carrasco convergiram na apreciação positiva do processo, embora o director do STAE tenha considerado que a violência registada durante a campanha eleitoral "manchou de certa maneira o processo", porque nalguns casos ela "foi premeditada e planeada".

"De uma forma geral, o processo foi positivo", considerou António Carrasco, reconhecendo, todavia, que durante a campanha eleitoral "houve muita violência", sobretudo entre os seguidores dos dois principais candidatos, Ramos-Horta, apoiado pelo presidente da República, Xanana Gusmão, e pela Igreja Católica timorense, e Francisco Guterres "Lu Olo", candidato da FRETILIN, o partido governamental.

Carrasco censurou o apoio assumido e público do Chefe do Estado timorense à candidatura de Ramos-Horta. Mais grave ainda, segundo Carrasco, foi o facto de o candidato presidencial ter repetidamente violado a própria Constituição timorense e a Lei Eleitoral do país, durante a sua campanha eleitoral.

O perito moçambicano reprovou ainda o alegado "tratamento desigual" dispensado pelo Chefe do Estado aos oito candidatos à sua sucessão, com Xanana Gusmão a apelar publicamente ao povo "para votar maciçamente em Ramos-Horta".

Ramos-Horta o favorito

"Por outro lado, da análise que fizemos, como observadores deste processo, constatámos que cerca de 80 porcento das notícias diárias divulgadas pela "media" local favoreciam claramente a candidatura do dr. Ramos-Horta ", denunciou António Carrasco, condenando também o facto de o bispo de Díli ter aparecido publicamente com este candidato nas vésperas da votação, numa acção de propaganda eleitoral.

"Isto é claramente uma violação à Lei Eleitoral timorense, que, infelizmente, nenhum órgão dos que supervisionam o processo apareceu a denunciar", disse.

Numa análise específica ao desempenho da Comissão Nacional de Eleições (CNE), António Carrasco elogiou o seu trabalho, mas censurou a parcialidade do seu porta-voz, "que nos seus pronunciamentos institucionais, antes e depois da votação, apareceu várias vezes com um discurso que denunciava o seu sentido de voto, favorável ao dr. Ramos-Horta. Isso é uma atitude condenável. É uma forma de influenciar o próprio processo eleitoral. A CNE é uma instituição imparcial, que deve dar tratamento igual a todos os candidatos. Infelizmente, não foi isso que verificámos aqui em Díli, onde o padre Martinho Gusmão tem feito pronunciamentos que ameaçam a estabilidade do processo eleitoral", considerou António Carrasco.

O director do STAE foi igualmente peremptório quando lhe perguntámos se esses problemas terão de certa forma influenciado o resultado final da votação: "Não tenho dúvida nenhuma", respondeu, acrescentando: "Com estas manipulações, o maior valor acrescentado vai, sem dúvida, para Ramos-Horta.

Por isso, para Carrasco, estas eleições foram, sim, pacíficas, ordeiras e transparentes, "mas não foram justas, porque o tratamento aos candidatos não foi igual".

O embaixador Geraldo Chirindza preferiu, por seu turno, destacar o grande civismo demonstrado pelos eleitores neste processo, considerando que mais uma vez o povo de Timor-Leste provou ao mundo e aos seus políticos que o que quer é a paz e estabilidade do seu país.

"Ao dirigirem-se em massa e de forma ordeira às mesas de votação, os timorenses fizeram uma demonstração inequívoca de que querem a paz e estabilidade do seu martirizado país", referiu Chirindza, destacando o facto de vários eleitores terem percorrido longas distâncias a pé para ir votar na assembleia eleitoral mais próxima.

E Timor poll count increasingly 'illogical'

AFP/ABC – Sunday, April 15, 2007. 0:46am (AEST)

The confusion surrounding the first round of voting in East Timor's presidential election has mounted after the Election Commission said a district with 100,000 eligible voters had produced three times as many votes.

Martinho Gusmao, spokesman for the National Election Commission, could not explain the discrepancy, which emerged amid growing questions about East Timor's first presidential poll since independence in 2002.

"It registered a little more than 100,000 but the result is more than 300,000," he said of Bacau, East Timor's second town. "The commissioners will discuss it together in order to find out how this illogical situation happened in Bacau."

The surplus 200,000 would represent a huge proportion of the total vote because East Timor has just 520,000 eligible voters.

Mr Gusmao refused to say whether the new discovery could invalidate the provisional results, in which Jose Ramos Horta, East Timor's current Prime Minister, and Francisco "Lu-Olo" Guterres, the ruling Fretilin party's candidate, emerged to contest the run-off.

The commission said serious flaws in the election could force some areas to repeat first-round voting.

Most of the candidates who stood formally demanded a recount, even though international observers said the poll was generally orderly and peaceful.

The commission rejected their demand on Thursday, saying there was no legal basis on which to grant the request.

A number of the candidates also raised the possibility that voters were intimidated, stoking fears of instability in the troubled state ahead of the second round.

“Conspiração impediu-me de passar à segunda volta”

Diário de Notícias – 14 de Abril de 2007

DN - Exigiu esta semana, em conjunto com Lúcia Lobato, Francisco Xavier do Amaral, Manuel Tilman e Avelino Coelho, o “congelamento imediato” do escrutínio eleitoral. Está convencido de que houve algum tipo de fraude nestas presidenciais ou apenas irregularidades?

Fernando Lasama - Ainda estamos a compilar muitas queixas e a verificar alguns resultados eleitorais para podermos recorrer para o Tribunal de Recurso [que funciona como Tribunal Constitucional em Timor-Leste]. Só em Díli, temos, por exemplo, vários dados que nos indicam terem existido 14 mil votos a mais do que aqueles que foram contabilizados oficialmente.

DN - Mas havia observadores nas mesas de voto e os candidatos têm os seus delegados a acompanharem o escrutínio...

Fernando Lasama - Pois têm e se isto aconteceu num sítio onde existiam muitos observadores internacionais e pessoas de todas as candidaturas a fiscalizar, imaginem só o que pode ter acontecido nas regiões mais remotas do país e nas regiões de interior.

DN - Tem dúvidas sobre se o candidato da Fretilin, Francisco Guterres (Lu-Olo), ganhou ou não esta primeira volta e se disputará a segunda com o primeiro-ministro Ramos-Horta?

Fernando Lasama - O que eu gostaria é que este país não viesse a ter como Presidente [da República] alguém que tivesse sido eleito com base em manipulações ou irregularidades...

DN - E houve?

Fernando Lasama - Se houvesse apenas um ou dois votos a mais ou a menos, diria que isso se devia a um erro humano. Mas quando verificamos que o erro chega a 50 ou mais votos, só podemos pensar que houve má intenção de alguém.

DN - De quem?

Fernando Lasama - Estas eleições foram organizadas pelo Governo, que é da Fretilin, e, em especial, pela ministra [da Administração Territorial] Ana Pessoa. É óbvio que eles quiseram beneficiar com isto tudo Lu-Olo, que era o candidato que eles apoiavam.

DN - Enquanto candidato, julga que foi prejudicado?

Fernando Lasama - Em circunstâncias normais, tenho a certeza de que passaria à segunda volta. Com Lu-Olo ou com Ramos-Horta. O que não aconteceu. Por isso, julgo neste momento é claro que houve uma conspiração entre a Fretilin, o Presidente da República e o candidato Ramos-Horta para me impedirem de passar à segunda volta...

DN - Porquê?

Fernando Lasama - Se calhar, porque tenho as minhas próprias ideias... E porque eles sabem que não iria obedecer às suas ordens e que também era capaz de não respeitar os compromissos que eles assumiram.

A minha eleição era uma ameaça para eles. Foi por isso que me prejudicaram.

DN - Mas há quem diga que Fernando Lassama acabou por ter mais apoios da Igreja Católica e até de muitos padres do que qualquer outro candidato, incluíndo José Ramos-Horta?

Fernando Lasama - Não tenho essas informações. E que eu saiba, também não foi isso que se passou. Pelo menos, eu nunca falei com nenhum padre durante a campanha eleitoral... Nem com nenhuma madre. E também não fui eu que apareci ao lado dos bispos em público, nem andei a distribuir cartazes com a fotografia de D. Carlos [Ximenes Belo, antigo bispo de Díli e co-Prémio Nobel da Paz de 1996]... Sem isso, Ramos-Horta, se calhar não ia à segunda volta.

DN - Espera que o seu recurso para o tribunal ainda o leve à segunda volta?

Fernando Lasama - Eu só espero que este recurso e que as recontagens que já exigimos permitam retirar todas as dúvidas deste processo, de forma que os timorenses possam eleger um Presidente que não esteja sob suspeita. Só isso.

Eles adoravam escrever e guardavam tudo

Público – 14 de Abril de 2007
Paulo Moura, em Díli

Por trás da vitrina: "Companheiros: Vigilância redobrada, boas entradas e sucessos na luta são os desejos de todos". Por trás da vitrina: "Todo o caminho é árduo. O percurso é que vai anotando a firmeza da acção, e a acção estabelecendo a firmeza do espírito". Por trás da vitrina:

"... mais um ano passou, na dureza das provas. Mais um ano..." Por trás da vitrina: "Querido irmão. Saudações muito combativas. Mais um ano de separação física. Acredita-me: estamos unidos no pensamento e na acção. Pátria ou morte".

Os documentos estão expostos, em cópias fac-similadas, ou guardados e prontos para serem consultados, num dos dois computadores colocados à disposição do público. São cartas, contas, relatórios, mapas, guias de remessa, fotografias, contratos, recibos, recortes de imprensa, bandeiras, cartazes, imagens, comunicados, manifestos. "Eles adoravam escrever", diz Alfredo Caldeira, da Fundação Mário Soares. "E guardavam tudo." Foi isso que descobriu quando a sua equipa, com a colaboração do professor José Mattoso, começou a recuperação dos documentos da Resistência. "Eles tinham uma noção muito clara de que era preciso preservar todas as provas". Tinham a noção de que se tornariam História e lenda. Os mitos do país independente que nasceria no futuro.

Escreviam tudo. Escreviam muito. Contavam, explicavam, especulavam. E não deitavam nada fora, excepto a própria vida. Talvez esse desapego os levasse a respeitar os objectos, os registos que lhes sobrevivessem. Como se as pegadas fossem tão importantes como os próprios passos.
A aventura dos investigadores portugueses começou em 2001, quando Timor, e Xanana Gusmão, pediu ajuda à Fundação Mário Soares para organizar uma exposição da independência. De início, ninguém tinha nenhuma ideia do que seria. Mas os documentos começaram a chegar. Cada um dos antigos combatentes guardava cartas, papéis e todo o tipo de objectos. Cada comandante militar, cada chefe de aldeia tinha um espólio imenso.

Organizou-se então a recolha do património. Ou melhor: a entrega do património. Quando se soube da exposição, toda a gente tinha coisas para entregar. Foram abertos os abrigos da Resistência, por todo o país, nas montanhas, nas aldeias, para retirar os documentos. Papéis e canetas, caixas, carimbos e máquinas de impressão, a máquina de escrever de Konis Santana, o primeiro líder da Resistência. Chegaram a entregar-se documentos rasgados. Até as cinzas de documentos queimados. Tudo parecia importante.

Em 2002, realizou-se a primeira grande cerimónia de entrega de documentos. Foi um momento de emoção única. Os velhos guerrilheiros não continham as lágrimas enquanto as caixas iam sendo depositadas. Líderes militares e políticos choravam como crianças. Vieram de todo o lado, para assistir. Àquele momento de triunfo, de fundação e de símbolo. E também de reconciliação. Mário Carrascalão, que apoiou a ocupação indonésia, que levou à morte de centenas de milhares de pessoas, veio entregar as fotografias da invasão.

Os documentos eram levados para Portugal, para seleccionar e recuperar. Depois digitalizar e interpretar. A maior parte deles está guardada em Lisboa, mas disponível para consulta na base de dados do museu.

Durante a crise de 2006, manifestantes em fúria passaram à porta do museu. Não lhe tocaram.

Francisco ‘Lu-Olo’ - A nova luta do guerreiro

Correio da Manhã – 14 de Abril de 2007
F. J. Gonçalves

Foi soldado por necessidade e agora diz odiar a guerra. Afirma querer ser presidente para consolidar a “paz” e “acabar com conflitos institucionais”.

Quando em 2001 participou como candidato nas primeiras eleições livres em Timor-Leste, o país estava ainda em processo de transição para a liberdade. Durante uma festa integrada na campanha da Fretilin, uma rapariga convida Francisco Guterres para dançar. “Tenho os pés muito pesados. Terei de praticar primeiro ou as raparigas não vão querer dançar comigo”, respondeu, embaraçado. Para um homem que durante quase toda a vida adulta viveu na selva, lutando contra a ocupação (tinha apenas 20 anos em 1975, aquando da invasão indonésia) a passagem para a vida civil foi um desafio com muitas frentes.

O soldado teve de fazer-se homem e paralelamente político (é hoje um dos candidatos presidenciais classificado para a segunda volta das eleições). Mas a caminhada foi espinhosa e recheada de etapas entre o dramático e o cómico.

Sobre as inibições amorosas explicou, em 2001: “O problema é que não sei como estar na companhia de mulheres. Vivi nas montanhas durante tanto tempo que não tenho experiência, não sei como fazer. Ou sou comandado ou torno-me comandante de novo, como fazia na guerrilha. É um problema sério.”

Se no plano amoroso a adaptação estava a ser lenta, na política nem tanto. A campanha de 2001 resultou numa vitória esmagadora da Fretilin e para Guterres significou a eleição para deputado e, depois, a nomeação para a presidência da Assembleia Constituinte de Timor-Leste.

Entretanto, houve outros obstáculos a ultrapassar. Em 1999 a Indonésia foi forçada por pressões internacionais a realizar um referendo sobre a independência de Timor. A luta armada parecia estar no fim. Mas o regresso à vida civil escondia armadilhas inesperadas. “No início foi difícil adaptar-me a viver na cidade. Um dia, estava a descansar na cama, coisa que me era estranha, pois sempre dormira no chão. Não sei como fiz, devo ter-me voltado, porque de repente dei comigo no chão. Senti-me tão envergonhado que olhei para a porta, a ver se alguém me teria visto. Depois voltei para a cama e dormi encostado à parede para não cair de novo.”

Seis anos depois, Francisco Guterres – ainda conhecido por muitos apenas pelo nome de guerra, ‘Lu-Olo’ – está muito mais integrado, social e politicamente. Em 2001 explicou que só cederia às pressões familiares e arranjaria mulher depois de “reconstruir a vida do povo”. Presume-se, por isso, que em sua opinião tal já aconteceu, pois, ultrapassando reservas e inibições, namorou Cidália Lopes Nobre Mouzinho, com quem casou e de quem tem dois filhos.

Mas na arena política o presidente do Parlamento quer somar nova vitória, agora a título individual, e suceder na presidência da República a Xanana Gusmão. De comum com ele tem os anos de luta armada, mas a política separou-os. Esta semana explicou a candidatura afirmando que deseja contribuir “para a paz e a estabilidade” e “acabar com os conflitos institucionais”.

As palavras subentendiam uma crítica a Xanana, acusado pela Fretilin de responsabilidade pela crise que varreu Timor-Leste em 2006 e forçou o regresso de tropas internacionais ao território. Outro dos alvos de ‘Lu-Olo’ é o Nobel da paz José Ramos-Horta, primeiro-ministro e seu rival na corrida à presidência.

“Uma derrota de Ramos-Horta será também uma derrota do próprio presidente Xanana”, afirmou esta semana ‘Lu-Olo’, comentando a aliança entre os dois e considerando a criação de um novo partido político por parte do presidente (com o qual Xanana pretende candidatar-se à chefia do governo nas legislativas deste ano) “uma tentativa para influenciar” e “manipular” os timorenses. Esta leitura prende-se com o facto de a sigla do partido, CNRT (Conselho Nacional da Reconstrução de Timor), ser a mesma do antigo Conselho Nacional da Resistência Timorense, fundado em 1997 para coordenar a luta pela independência, e do qual ‘Lu-Olo’ foi um dos líderes.

Guterres considera-se favorito nas presidenciais, mas para já, depois de uma primeira volta inconcludente, na qual foi o mais votado, mas sem maioria, a certeza é que disputará a chefia do Estado na segunda volta (a 9 de Maio), onde poderá defrontar Ramos-Horta, candidato independente, ou Fernando ‘Lasama’ de Araújo, presidente do Partido Democrático.

Francisco Guterres nasceu em Ossú (1995), distrito de Viqueque. No final da adolescência foi confrontado com as mudanças políticas em Timor e aos 20 anos junta-se à guerrilha contra a ocupação indonésia. Comandou unidades de combate em Matebian e em 1978 era um dos responsáveis pela zona oriental. Em 1982 passa a acumular funções políticas na Fretilin com a luta armada nas Falintil. Em 1993 é nomeado vice-secretário da Comissão Directiva da Fretilin e em 1997 passa a secretário. É eleito presidente do partido em 2001, cargo que mantém.

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Timor-Leste afirmou ontem terem sido detectadas “irregularidades graves” na contagem dos votos das presidenciais de segunda-feira, o que poderá forçar a recontagem de votos ou mesmo a repetição da votação em alguns distritos.
“A soma de votos nos candidatos não bate certo com o total de votos válidos e nalguns casos a diferença é de 100 votos”, referiu um porta-voz, referindo que o processo foi remetido para o Tribunal de Recurso.

As principais deficiências foram detectadas em Díli e nos distritos de Aileu, Ainaro e Bobonaro. Os resultados parciais davam como prováveis rivais da segunda volta Francisco Guterres, da Fretilin, e o primeiro-ministro José Ramos-Horta. Este reuniu ontem com os cinco candidatos que quarta-feira solicitaram a suspensão do escrutínio, e solidarizou-se com eles.

A contagem parcial dos votos das presidenciais dá 28,7% para Francisco Guterres e 22,6% para Ramos-Horta. Em terceiro lugar, muito perto do primeiro-ministro, surge Fernando ‘Lasama’ de Araújo, com 19%.

Além de Díli, os distritos onde se registaram as irregularidades mais graves são Aileu, Ainaro e Bobonaro. Baucau configura também um caso problemático, pois registou-se aí um número invulgar de votos nulos.

A violência que ciclicamente afecta Timor-Leste “é um grito de revolta” e “não um sinal de grande agitação”, defendeu num artigo de opinião, a jornalista Judy Charnaud, colunista do ‘Sydney Morning Herald’.

CNE nega recontagem de votos

Jornal de Noticias – 14 de Abril de 2007

Orlando Castro

"Não haverá repetição parcial das eleições em Timor-Leste, nem congelamento de resultados, nem recontagem", afirmou ao JN o presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE). Mas será mesmo assim? "É mesmo assim", corrobora Faustino Cardoso, realçando que "as falhas detectadas não justificam as pretensões de alguns candidatos porque, de facto, as correcções não vão alterar a posição relativa dos candidatos".

De opinião diferente é o porta-voz da CNE, que admite uma repetição parcial da votação porque, diz, "a soma de votos não bate certo com o total de votos válidos e nalguns casos a diferença é de 100". Martinho Gusmão fala mesmo de "irregularidades muito graves nos distritos de Aileu, Ainaro, e Bobonaro", e de "desastre" em Díli.
Faustino Cardoso reconhece que a última palavra cabe ao Tribunal de Recurso, mas adianta que a "CNE não vê razões práticas para tanta polémica". "É claro que os candidatos aproveitam todas as pequenas falhas, que existiram, de modo a que, juntando-as, se fique com a ideia de que houve um grande erro", diz o presidente da CNE, acrescentando que este órgão não recebeu dos candidatos "nenhuma reclamação substancial que reflectisse a matéria de facto que é plasmada na comunicação social".

Quanto à divergência de posições com o porta-voz da CNE, Faustino Cardoso explica que as afirmações de Martinho Gusmão são "algumas vezes descontextualizadas, para além de não vincularem formalmente a CNE".

O presidente da CNE confirma que os resultados finais serão entregues amanhã ao Tribunal de Recurso, respeitando o prazo legal estipulado, e recorda que, "a partir daí, as reclamações, queixas ou impugnações têm 24 horas para serem apresentadas".

Contactado pelo JN, José Manuel Fernandes, assessor do candidato "Lu Olo" (que com Ramos-Horta disputará a segunda volta no próximo dia 9), afirma que "existiram erros e falhas, muitos provocados pela inexperiência do país em matéria de organização de eleições, mas que não justificam nada do que é exigido pelos adversários de Lu Olo". "Se calhar Lu Olo até terá sido o mais prejudicado pelos erros, mas nem por isso vamos impugnar as eleições", acrescentou José Manuel Fernandes.

Pouco satisfeito com o processo está Ramos-Horta, que garante que é preciso repor a legalidade e averiguar o que se passou, nem que seja necessário "haver uma nova contagem". "Para ilegalidades não contem comigo", diz Horta.

Portugal apela à "responsabilidade e maturidade" dos dirigentes

Joanesburgo, 13 Abr (Lusa) - O ministro português dos Negócios Estrangeiros afirmou-se preocupado com a situação hoje criada em Timor-leste pelas dúvidas suscitadas no processo de contagem de votos, apelando à "responsabilidade e maturidade política dos dirigentes" timorenses para resolver a crise.

Luís Amado fez a declaração à agência Lusa, pouco antes de embarcar em Joanesburgo com destino a Lisboa, no final de uma visita oficial de um dia à África do Sul.

O ministro considerou que o Estado de Timor-Leste está numa "situação de grande fragilidade do ponto de vista institucional", salientando que a nação precisa de novas instituições, como o Parlamento, a Presidência e o Governo, legitimadas pelo voto popular o mais rapidamente possível.

"Este processo eleitoral será decisivo nesse sentido e por isso acompanharemos, ao longo dos próximos dias, com a comunidade internacional (uma vez que a missão das Nações Unidas tem uma responsabilidade particular no acompanhamento desse processo) a evolução dos acontecimentos e esperamos que a responsabilidade e maturidade política dos seus dirigentes possa prevalecer", comentou. Amado contactou telefonicamente, hoje ao fim da tarde, o embaixador português em Dili, a partir de Joanesburgo, e mantém um olhar atento sobre a situação em Timor-Leste.

"Os dirigentes de Timor-leste terão que ultrapassar as divergências que os animam e encontrar uma plataforma de sustentação mínima à edificação do Estado de Timor-Leste, que está numa situação de grande fragilidade", concluiu Luís Amado.


Notícias em inglês

AAP – Saturday Apr 14 16:29 AEST
Australian troop raids anger Dili locals
By Jill Jolliffe in Dili

Dili residents are angry about the latest Australian military operations, apparently undertaken to increase pressure on the fugitive Major Alfredo Reinado.

Eight Reinado family members were detained during a night-time raid on their central Dili home on Monday, a move prompting criticism from human rights watchdog Yayasan Hak. "The soldiers think Alfredo is in Dili. His uncle Victor Alves's house was encircled, and relatives taken to an Australian camp for questioning," rights activist Jose Luis Oliveira said.

He said they were interrogated for four hours. "Among the questions asked was how they voted in the elections," Oliveira said. "This is a violation of human rights."

On Thursday, houses in the inner suburb of Kampung Alor were surrounded and searched around 4pm (local time), raising occupants' hackles.

Widow Rosa Soares said soldiers entered her house with guns in hands. "They held up a photo of Major Alfredo and asked if I had seen him. Then they went through each room, searching drawers, and pulling things out," she said.

Next-door neighbour Ana Maria was alone with three children when soldiers appeared at her front door, but in this case they asked permission to enter.

She said they searched each room, pulling out drawers and overturning mattresses. "We were scared," she said. "My son Iko asked: `Mummy why are foreigners searching our house?'"

A spokesman for Australia's International Stabilisation Force (ISF) denied Thursday's operation was linked to Reinado, or that any homes had been entered.

"UN police and ISF forces conducted operations in relation to electoral security," he said. "Our targets were gangs and illegal weapons."

He said "many illegal weapons" were confiscated, including a home-made rifle.

Ana Maria said the troops returned things to their place before leaving, but Ms Soares said they left her house in disarray, as did neighbour Jacinto de Andrade, a deputy for the opposition Social Democrat Association. "They forced entry," he said. "These troops were supposed to come here to free us, not to violate our rights. This system reminds us of Indonesian times."

The spokesman denied the charges. "We did not enter any houses," he said.

The ISF is currently sending regular unsolicited SMS messages to mobile phones in East Timor calling on Reinado to surrender.

"We want a peaceful solution - when are Reinado and his fugitives coming to check this with us?" an army text sent out to Dili phones asked.

Jakarta Post – April 14, 2007
I can talk with everyone in Timor Leste, Ramos-Horta says

Despite accusations of irregularities and fraud in the vote counting process, Prime Minister Jose Ramos-Horta and Fretilin's Francisco Guterres Lu 'Olo emerged as the winners and moved to the run-off stage in recent elections in Timor Leste.
The Jakarta Post's Abdul Khalik interviewed Ramos-Horta in his office in Dili on Friday. The following are excerpts of the interview.

Question: What is your assessment on the election?

Answer: Generally, I would say it has been peaceful with a few nasty, ugly incidents of violence perpetrated mostly by radical Fretilin elements in the Los Palos, Dili and Viqueque districts. These groups are traditionally very intolerant and radical and never accept other people's views.

Of course, this does not mean the Fretilin leadership is responsible.

The leadership of Fretilin always tries to encourage its members not to be involved in such instances of violence but many of them are a bit crazy and don't listen. What happens is they discredit the party and the more violence they commit the more the party is discredited.

What about allegations of fraud and irregularities during the election?

Yes, there have been many reports of irregularities on the part of the STAE (Technical Secretariat for Electoral Administration), a state entity that deals with the election.

There have been some strange things happening such as one candidate that was very much behind in the vote within a matter of hours receiving over 20,000 extra votes. Also, why was the vote counting in Baucau so slow and why did nine ballot boxes that were not counted beforehand suddenly appear in Dili? Because of instances like these, there are strong suspicions.

But there is no hard evidence yet.

Will these irregularities undermine the credibility of the election?

Definitely, it will undermine the credibility of the vote counting process. But fortunately we have a second round. The international community can take more measures to prevent the repetition of irregularities and lack of professionalism in the run-off.

Unfortunately, that will not help the third or fourth placed candidates that are already out. Maybe if there was no fraud, Mr. Lasama (Fernando de Araujo) would have progressed to the second round rather than Mr. Francisco Guterres.

Will whoever wins the run-off be credible enough to be Timor Leste President?

As long as the United Nations and the friendly countries take action right now to prevent the repetition of threats, violence and the intervention of election officials and Fretilin.

Many believe that the losing candidates will unite behind you because they are the traditional opposition of Fretilin. How do you see this possibility?

Well, directly after this meeting I will attend a lunch with all the opposition parties. Mr. Xavier do Amaral (who obtained the fourth largest vote) has pledged 100 percent to support me. And I will go to his district to talk with his supporters.

What qualities do you have to help you win the presidency?

My advantage against Mr. Guterres is that I have always been independent and I talk with every one. Its very difficult for someone like Mr. Guterres to suddenly try to convince people that he is independent and neutral.

Secondly, I have always had a very good rapport with the Church. I have a very good relationship with Protestants and Muslims as well as Hindus and Buddhists. I also have very good relations with President Xanana Gusmao, with Mari Alkatiri (the secretary general of Fretilin and former prime minister) and with Mr. Guterres himself.

It is my nature to talk with everyone because I enjoy talking to people. Mr. Guterres doesn't have the personality and charisma to talk with people. We also differ in the area of foreign policy. Mr. Guterres always thinks of Mozambique and Portugal whereas I think of Indonesia, ASEAN countries, Australia and New Zealand. I also think of China, Japan, South Korea and India.

If you become the President, what will you do to make things better? What will you do with the oil money from the Timor Gap?

We have a lot of oil money now that has not been spent. We have to spend it faster to help the poor, students, youth and widows of this country.

We have to create jobs by investing in infrastructure and in tree planting activities by mobilizing thousands of youth to save our mountainous environment.

I am also planning to introduce a radical fiscal reform policy. After it is implemented sometime this year, it will be the most liberal fiscal regime in the entire Asian region after Hong Kong. Most taxes will be eliminated, meaning consumer items aside from alcohol and cigarettes will not be taxed. Computers, educational materials, cars, tractors and trucks will not be taxed whatsoever. Corporate taxes will be mostly eliminated.

What about Timor Leste-Indonesia relations under your presidency?

These relations will be improved even more. Since I became foreign minister and prime minister, I have visited Indonesia maybe 30 times to see President Susilo Bambang Yudhoyono, Ibu Megawati Soekarnoputri and my good friend Abdurrahman Wahid.

I have had many good friends in Indonesia for more than 30 years. I will settle some urgent issues before the end of the year. Border demarcation must be settled and border trade must be regulated to enable tens of thousands of people living on both sides of the border to travel freely across the border.

I would also like to consider a free trade agreement between Timor Leste and Indonesia. We buy a lot from Indonesia. Why should we be concerned about taxes? We should let our people trade with each other to earn a living without taxes.

If you win the presidency, will Fretilin's opposition bring ineffectiveness to your administration?
No, I don't think so because I am a founding member of Fretilin. I have support from many thousands of its members, who see that I am better for Fretilin and for President. If I win, then Fretilin have not lost, only the so called Maputu or Mozambique group known as the Alkatiri faction. But those who never left the country are very supportive of me. I also have a good rapport with Dr. Alkatiri and have worked with him.

Associate Professor Damien Kingsbury - Election Observation Team Director - April 14, 2007

The Case of the Missiing 166,000 East Timorese Voters
Some election observers (myself included) - and East Timor's Prime Minister Jose Ramos-Horta have been disturbed by the large gap between the official number of registered voters in East Timor and the number of valid votes actually cast.

With 522,933 registered voters, there were only 357,766 valid votes cast, leaving a worrying gap of 165,167 voters having 'disappeared'. This is easily a big enough number to cast doubt over the whole voting process.

The failure of the Electoral Commission to acknowledge this discrepancy, much less provide an adequate explanation for it, has further increased quite legitimate concerns. However, it now appears that the 'missing' voters have been 'found', or at least their number accounted for.
East Timor' Electoral Commission, like many other institutions in East Timor, is still learning how to do things. Since its formation earlier this year, the Electoral Commission's learning curve has been steep, and it has faltered a few times along the way.

One of the mistakes it has made is that registered voters who have died since the last ballot two years ago have not been taken off the register. This could account for around six per cent of the registered voters, or perhaps more. Beyond this, it appears there has been a relatively high proportion of votes counted as 'invalid', either being black or not properly marked.

The differing criteria for what constitutes a valid mark on a ballot paper between polling stations, and the clear partisan allegiance of some polling staff, has meant that the Electoral Commission has now decided to re-assess all invalid votes in Dili. This will not significantly alter the outcome of the vote, but it is a confidence boosting measure and a good sign of transparency. Invalid votes, however, currently account for around 10 per cent of the ballots cast.

Beyond this, a significant number of voters did not attend the polls. No-one knows the exact figure, but it seems that at least seven per cent of registered voters did not cast their votes, and that number could well be higher. Beyond this, there were also a of registered East Timorese living overseas, who were not allowed to vote in this ballot.

Finally, when some voters sought new voter registration cards, their earlier registration numbers were not deleted from the lists, meaning that a significant number of voters were registerd twice. They thus could have also voted twice, except that the broadly applied method of dipping the voter's index finger in indelible ink precluded that.

So, in short, there was a big gap between the official number of registered voters and the actual registered valid vote. But we now seem to have a plausible explanation.

It is a pity, however, that the Electoral Commission was not able to provide this explanation. It would have saved considerable angst, and taken away one of the concerns over what was widely regarded as an imperfect but generally free and fair election.

- Associate Professor Damien Kingsbury Coordinator, Victorian Local Governance Association Election Observation Team Director, Masters of International and Community Development School of International and Political Studies Deakin University

Canberra Times – Saturday, 14 April 2007
Opinion: East Timor election revives tensions

East Timor's presidential election, the first since independence in 2002, has again brought to the surface the political tensions and instability that emerged in the country last March when an army mutiny sparked clashes that led to three dozen people being killed and 150,000 people fleeing their homes. Former foreign minister Jose Ramos Horta (now the acting Prime Minister), secured 22 per cent of the popular vote, and will now head into a final ballot with Francisco Gutteres, who polled 28 per cent of the vote. Despite the presence of a number of independent election monitors, many of the first-round candidates complained of irregularities and demanded a recount. Ramos Horta in particular accused Fretilin of intimidating voters a charge denied by a spokesman for Gutteres.

UN observers have declared that voting passed without violence or intimidation, suggesting a recount is unlikely. The two-way ballot scheduled for May 9 will pit an independent candidate (Ramos Horta) against the president of the most powerful political party in East Timor albeit one discredited somewhat by the events before and during last year's crisis. Although Ramos Horta has considerable standing in East Timor and internationally (not to mention the support of the father of independence, Xanana Gusmao), the presidential vote is likely to be close.
Fretilin is the oldest pro-independence party in East Timor and has an extensive apparatus able to guarantee votes throughout the country but particularly in rural areas in the east of the country where loyalty to its cause remains undiminished.

It is a different story elsewhere, though, with many East Timorese having become angry at the almost complete lack of economic and social progress and disenchanted with Fretilin's apparent partiality to cronyism and elitism. Former prime minister Mari Alkatiri, who was by turns abrasive and arrogant during his term in office, was the lightning rod for much of this dissatisfaction, which boiled over into violence after skirmishes between army and security force factions. Alkatiri defied calls for his resignation for weeks after the violence, relenting only after Gusmao issued an ultimatum on June 26, declaring that he would resign the presidency if Alkatiri did not quit.

As Fretilin's secretary-general, he still wields considerable power, however, and doubtless will play a crucial role in the parliamentary election in June. But whether he intends standing again for the job of prime minister is unclear. The considerable interest in this week's presidential election ignores the fact that under East Timor's constitution, the president exercises very little power. Those levers lie with the office of prime minister, which explains Gusmao's decision to nominate as a candidate for the June election.

To run for office, Gusmao has formed his own political party, the CNRT, and he is likely to seek coalitions with other minor parties to broaden his appeal, which is considerable in any event. Appropriately perhaps, given he and Ramos Horta are attempting what amounts to a job swap, they have formed a loose alliance while being careful to stress their centrism and independence from Fretilin, despite being founding members of the organisation in the days of Portuguese colonial rule.

As well as being genuine revolutionary heroes who have kept their distance from the worst excesses of Fretilin, the pair can also count on the support of the Catholic Church in East Timor, which wields considerable influence throughout the country, and which is implacably opposed to the return of Alkatiri as prime minister.

But Fretilin, too, can play the patriot card. Already, Alkatiri has ramped up his nationalist rhetoric by hinting that he was ousted as a result of a conspiracy led by foreign forces, a thinly veiled accusation against Australia. The escapades of fugitive military rebel Major Alfredo Reinado have also fuelled anti-Australian sentiment. Compounding this, careless public utterances by Foreign Minister Alexander Downer have created the perception in some quarters that the Australian Government has chosen to take sides in domestic politics. Whether warranted or not, there is the potential for people like Alkatiri to fan this anti-Australian sentiment for political gain. That the large Australian peacekeeping presence in East Timor should now represent an easy target for unscrupulous politicians is to be lamented. The calls for United Nations intervention in the wake of vote-rigging allegations this week show a worrying tendency by East Timor's political elite to fall back on easy solutions. So long as foreign intervention and support remains an easy out for East Timor's leaders, there will be a reluctance to tackle the difficult issues. And it is not just the obvious things like poverty that need to be addressed. Basic governance reforms need to be discussed and implemented. On the evidence so far, all that the East Timor experiment seems to prove is that the smaller the political stage the more venomous (and sterile) the disputes tend to be.

The Jakarta Post - Saturday, April 14, 2007
100 violations found in Timor Leste poll
Abdul Khalik, The Jakarta Post, Dili

The Timor Leste National Election Commission (CNE) said Friday it had found more than 100 cases of violations and irregularities in Monday's presidential election.

The commission plans to submit its findings to the Supreme Court, which will decide whether the cases affect the legal validity of the election.

CNE spokesman Martinho G. da Silva Gusmao said that after a CNE plenary meeting and two days spent examining the cases they had decided to forward them to the court.
"We have found 50 cases in Dili alone. We are still verifying other districts but so far more than 100 violations have been found. We will submit the cases to the court once we complete our verification. It will be then depend on the court to decide on the validity of the election," he told The Jakarta Post.

Gusmao said that should the court find substantial evidence that the violations had affected the results of the election, a new vote would be held in several districts throughout the country.
Vote counting at the district level finished on Wednesday. Francisco Guterres Lu `Olo, of ruling party Fretilin, garnered more than 28 percent of the vote, while Prime Minister Jose Ramos-Horta took more than 22 percent. The two will face each other in a run-off election on May 8.
The Democratic Party's Fernando "Lasama" de Araujo took the third-greatest proportion of the vote, with more than 18 percent, followed by Francisco Xavier do Amaral of the Timorese Social Democratic Association on 12 percent and Lucia Maria Lobato of the Socialist Democrat Party on close to 10 percent.

Candidates Manuel Tilman, Avelino Maria Coelho da Silva and João Viegas Carrascalao each took less than 5 percent of the vote.

Lasama, do Amaral, Lucia Lobato, Manuel Tilman and da Silva have challenged the results and filed a formal complaint with the CNE, saying they had found irregularities in the voting and counting process.

Earlier in the week they demanded that vote counting be stopped until all the ballot boxes were secured in one place, at which point it could resume in the presence of all eight candidates.

"We will not accept the CNE's counting results unless they follow our demands. If the CNE proceeds with their current process then we will challenge the election results in the court," they said.
Gusmao said the CNE could not stop the counting process as it was already complete and invited representatives of the eight parties to witness the national tabulation of the votes to verify the process.

"Besides, they haven't presented us with hard evidence, just a letter of complaint. If they're not satisfied, they can file a complaint with the court," he said.

Ramos-Horta acknowledged that some irregularities had occurred and there had been a few incidents of violence, which he blamed on Fretilin elements in Los Palos, Dili and Viqueque.
"Yes, there are many reports of irregularities on the part of the (Technical Secretariat for Electoral Administration, a state entity dealing with the election). There have been some strange things happening, in which one candidate is very much behind then within a matter of hours gets more than 20,000 votes extra," he told the Post.

Ramos-Horta, however, said that although there was strong suspicion of fraud and other problems, no hard evidence has been presented so far.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.