segunda-feira, maio 12, 2008

East Timorese resistance fighter - "Naldo Rei"

Sunday, 4 May 2008
Presenter: Monica Attard

A tale of East Timor’s struggle for independence through the eyes of child resistance fighter – Naldo Rei.
MONICA ATTARD: Hello, you've joined Sunday Profile and I'm Monica Attard. This week we're speaking to Naldo Rei, whose personal account of growing up amid East Timor's clandestine resistance movement has just been published in Australia.

Naldo Rei was just a baby when the Fretilin political party declared independence and Indonesian troops stormed into his country and his family fled into the jungle.

In only the second book to be published in English about first hand experiences of life during the Indonesian occupation, his book 'Resistance' is about a childhood lost, a father murdered, imprisonment and repeated torture at the hands of the Indonesian security forces.

Eventually, Naldo Rei was in too much danger and he fled, to all places, to Jakarta, where he tried to attract international attention to the cause of the East Timorese. Finally, he saw the birth of a new nation from Australia.
In the jungle he used to ask his parents, though, about the sound of the gunshots.

NALDO REI: My question was why, you know when I hear this, the bullets, or this, the sound of shooting, why people disappear everyday and that's the question that come to my mind. This mean that if you wield guns or shooting, this means that's killing people or just take away people's life. This has always come to my question and come to my mind. And I keep asking my parents.

MONICA ATTARD: And what were they telling you?
NALDO REI: They didn't answer anything.

MONICA ATTARD: They didn't know or they didn't want to upset the children?
NALDO REI: They, they, they knew. They knew what happened, but they don't want to upset me, especially because as a child my life is not supposed to listen to the weapons or guns or shooting or killing.

MONICA ATTARD: And your parents were Fretilin supporters?

MONICA ATTARD: And what did they do? Were they active members of Fretilin? What did they do to support Fretilin?
NALDO REI: They help in they doing, ah, they provide the food, clothes and traditional medicine to help the guerrilla fighter.

MONICA ATTARD: Do you remember when you were captured by the Indonesians?
NALDO REI: Yes. Because, um, we were surround early in the morning. Somehow we heard a lot of shooting around, around us. And we didn't know what happened. And somehow they come surround us. We were living in the cave, it's called Kuru He'e Henu Cave. And they capture us and they took us to Indonesian headquarters in Lospalos. And they put my family away and then only leave the kids in a big hall in, um, in Indonesian Army headquarters, Lospalos.

MONICA ATTARD: For how long?
NALDO REI: For three months.

MONICA ATTARD: For three months?

MONICA ATTARD: So did you see your parents in that time?

MONICA ATTARD: No. And were you treated well?
NALDO REI: Well they, they treat us - they treat us well. But as kids you need the family to be around. But they teach us how to write and read, the Indonesian Army.

MONICA ATTARD: And eventually they forced you back to your village?

MONICA ATTARD: With your mum and dad?

MONICA ATTARD: And, ah, but they were monitoring your activities?
NALDO REI: Yes. They keep, because they - when we went to - before they release us, they release us to live in, it's called, um, Missao Fuiloro. It's a school of - agricultural school in Lospalos. So they move us there until, um, it's 1980 or something like that, for six months, living there as well]. And then they move us to our village.

MONICA ATTARD: I believe that secretly your mother and father continued to support the independence movement?

MONICA ATTARD: And the Indonesians eventually found out?

MONICA ATTARD: And what happened?
NALDO REI: Because my father, he was the leader of the community and also in my tradition he's a kin, generation kin in my family. He saw something was wrong, this mean why Indonesian Army come and kill us. So he have to establish, organise these people to go against, to support Fretilin Group, follow into the jungle and fight against the Indonesian Army, by different strategy, especially clandestine movement. And later on they found out that my father was involved in the movement, so they took him, with his friend - five of his friends and then kill all of them.

MONICA ATTARD: Do you remember when he was taken?
NALDO REI: Yes. I was nine to - almost nine to ten.

MONICA ATTARD: So you would remember that, sort of ...?
NALDO REI: Yeah, he was killed in the 11 March in 1985 and six months later I tried to find my father, where he's gone. So I went to all the Indonesian headquarters in Lospalas area asking, 'Where is my father?' and they said, that the father, 'We don't know. We don't know your father'.

MONICA ATTARD: Did you ever find out what happened?
NALDO REI: Yeah, just six months later after I left, because they capture me and they release me.

MONICA ATTARD: And why do they - how did they capture you? Why did they capture you?
NALDO REI: They capture me because I went to ask the headquarter, the Indonesian Army headquarter, 'Where is my father?' I was looking for my father.

MONICA ATTARD: So they took you?
NALDO REI: Yeah they took me. And then later I decide, oh I have to join with the guerrilla fighter.

MONICA ATTARD: And what did they do to you when they caught you?
NALDO REI: They torture me for two weeks. And they keep asking me my involvement in the struggle, in the real stuff.

MONICA ATTARD: And this is at the age of nine?
NALDO REI: Of nine, yeah.

MONICA ATTARD: What were they doing? What was the torture?
NALDO REI: They torture me, they using electrocute to shock me. They using razor to cut my body and they ask me where is all the Falintil guerrilla fighter. But I said, 'I have no idea. I don't know anything. But I come here to find my father'.

MONICA ATTARD: Did you ever find out how they had killed him?
NALDO REI: Because I never ever go to, you know, his funeral. So, but the witness told me that, you know, they cut his - his neck and well his body. So they just dump into the cave.

MONICA ATTARD: At the age of nine or ten, that would have had an immense impact on you?
NALDO REI: Impact a lot to me, but I understand the consequences of war. The consequences of - of being resistant or resistance fighter. To fight against Indonesian Army or to defence your people and also the land of East Timor, you have to sacrifice yourself even if it's death. But at least one day East Timor will be free.

MONICA ATTARD: And when you say you became a resistance fighter at the age of nine or ten, what did that mean? What were you doing? What did you have to do?
NALDO REI: I mean I have to fight in different ways. I don't have to go fight with the weapons or guns. But we have a three front struggle: diplomatic, clandestine movement and also army movement. So because I living in Dili or in Timor, so I have to using my network, clandestine network, to organise, to work with the resistance movement - other resistant movement and support the guerrilla fight in the jungle.

MONICA ATTARD: And I believe that you acted as a courier as a young boy?
NALDO REI: Yes, yes.

MONICA ATTARD: Between which parties?
NALDO REI: Between clandestine to guerrilla fighter in the jungle.

MONICA ATTARD: Right. So you were taking messages from the city, from Dili?
NALDO REI: From Dili to the jungle.

MONICA ATTARD: To the jungle?


MONICA ATTARD: And how do you do that? How did you know your way?
NALDO REI: Because we have a really good connection and different structure, different level.

MONICA ATTARD: So there were people every step of the way, who were supporters?

MONICA ATTARD: Who were helping you?

MONICA ATTARD: And guiding you?
NALDO REI: Yeah, guiding me.

MONICA ATTARD: Do you remember being scared?
NALDO REI: I never scared. Because when they start - kill my father, my fear of a scare or fear of something it disappear. I just go ahead and then to find out why my father was killed.

MONICA ATTARD: And obviously you knew the jungle didn't you?

MONICA ATTARD: You were quite at home in the jungle?
NALDO REI: Yes, yes.

MONICA ATTARD: So that wasn't a problem for you?
NALDO REI: No. I mean I know the consequences of war.

MONICA ATTARD: You met Xanana Gusmao?

MONICA ATTARD: How old were you when you first met him?
NALDO REI: I was seventeen or sixteen when I met him. I met him in Dili and also to Lospalos.

MONICA ATTARD: What sort of impression did he make on you?
NALDO REI: You know I was a young boy. You met a guerrilla fighter, the top one, you're really proud of. This mean that you are the person that he trusts or other leaders trust you to organise his trip and try to hide him and try to be a messenger. So this means that he trusts you and I was really proud of him.

MONICA ATTARD: But how did he show you that he was a brave man?
NALDO REI: Well because I been receive his letter a couple of times and I been receive his message, you know, through to a recording cassette sent to me, I listen to him and I - how to work with him and how to deal with the Indonesian Army. So that's why I know how you ...

MONICA ATTARD: And is that how he sent messages out to Fretilin supporters?
NALDO REI: Yes, Fretilin supporters.

MONICA ATTARD: So it was kind of like an underground ...
NALDO REI: An underground movement.

MONICA ATTARD: ... an underground movement of information?

MONICA ATTARD: Which would be passed on from one person to another?
NALDO REI: Yes. To another person.

MONICA ATTARD: Yeah. And as a young man you heard those tapes?
NALDO REI: Yes. And then I distribute to other people, especially.

MONICA ATTARD: Now a bloody time in your fight, that a lot of our listeners will remember, is the massacre at Santa Cruz?

MONICA ATTARD: Did you see that massacre?
NALDO REI: Yes. Yes. Because I was involved in that massacre.

MONICA ATTARD: How were you involved?
NALDO REI: Because I was, ah, Xanana had sent me tapes to organise the demonstration at the 12th of November. So I distribute his tape record to all different organisation, political organisation. So I have to be part of that too.

MONICA ATTARD: And because of your role in helping to organise that protest you were arrested?

MONICA ATTARD: And tortured again?

MONICA ATTARD: What did they do to you then? What was the torture?
NALDO REI: It's really, really bad. They torture me. They pulled all my toenails, my fingernails and they torture me. They hit me with an iron pipe and they shock me with electrocute - electrocute and it's horrible, horrible. They tied me upside down and they tortured me for every day.

MONICA ATTARD: For how long?
NALDO REI: For two weeks.

MONICA ATTARD: And then what happened?
NALDO REI: They moved me to 'Iron Prison'. This is called Balidu Prison but we always call it 'Iron Prison' because it's really dark there inside. You can't see anything. There is no sound. You can't hear anything, anybody. But the only - between your prison cells to all the friends, but you can't see anyone, anybody's face.

MONICA ATTARD: And how long did you remain there?
NALDO REI: I was living there for 59 days. And then they move me to a prison in Aileu district.

MONICA ATTARD: But eventually you were released from prison?

MONICA ATTARD: And you became an informant for the Indonesians?

MONICA ATTARD: They thought you were an informant?

MONICA ATTARD: But you weren't really?

MONICA ATTARD: No. Tell me about that, what happened?
NALDO REI: When you being released by Indonesian Army you have to sign a letter. You have to agree that you will be - accept the Indonesian flag. You will be working with the Indonesian Army to reveal all your friend, all your connection, to Indonesian Army so they can capture them. It has to be - everybody have to agree that, you know, East Timor is a part of Indonesia as a 27th province. But no-one can change our mind to be part of Indonesia.

MONICA ATTARD: But I imagine that the Indonesians would have known that in forcing people like you to sign those documents and agree to become informants, that you weren't really going to do it?
NALDO REI: No, because I - why I have to do it? Because if you force me and then it strengthen me to fight back. And then when you force people you know that you're going to - it's more, create a resistance opposite to Indonesia.

MONICA ATTARD: Was there a sense amongst those of your friends and people in the underground movement, that in signing that agreement that you were kind of also signing your own death warrant, that people might have not trusted you?
NALDO REI: Because they capture me so many times and I never reveal any of my friends.

MONICA ATTARD: So people knew that you wouldn't betray them?
NALDO REI: No. Even the top clandestine leaders I never betray them. Because I say that I prefer die than them because I am the young boy, I am nothing. But if kill one of my top leader and then the struggle will be finished.

MONICA ATTARD: You then got out of East Timor didn't you? You got to Jakarta.
MONICA ATTARD: Why did you go to Jakarta? How did that happen?

NALDO REI: Well I was asked by clandestine leader, Sabalae. He asked me to go to jungle first and I went to the jungle for almost a month. But I was a little bit sick and then they sent me back. And then they said, 'Okay you have to go to Jakarta and work with the Solidarity Group' in Jakarta. To change the situation in East Timor you have to change the people of Indonesia first so they can involve our resistance groups too for free East Timor.

MONICA ATTARD: You've worked very, very closely with the pro-democracy activists and who occupied the Dutch Embassy as well didn't you?
NALDO REI: Yes, yes.
MONICA ATTARD: On Xanana Gusmau's orders?
NALDO REI: Yes, yes.

MONICA ATTARD: What do you remember of that? Were you there at the occupation?
NALDO REI: Yes. Because I was the leader, spokesperson, of the occupation, I mean the demonstration in 7th December of 1995. We want to show to international community that the struggle of, for free East Timor is not only us, but Indonesian people itself. Because they knew that something was wrong in East Timor. Why have to be killed everyday? And that's why they support us to - to show international community that Indonesian people themselves, they don't agree with the Suharto decision to invade East Timor.

MONICA ATTARD: What do you remember about that day?
NALDO REI: It was - it's really tough because you are, we call, you are in the mouth of the tiger that can swallow you any time, especially Indonesian Army. Well we organise and then Xanana order me to organise and also with other people, to organise the '95, 7th December demonstration in Russian Embassy and also in Dutch Embassy, including Indonesian Solidarity Group. And we organise and three, three days in Dutch Embassy, but every day they just, the Indonesian Military and also Indonesian, um, also called, um, gangster in Indonesian Army, they come and they throw rocks to the Embassy and then hit the Embassy and oh it was really bad.

MONICA ATTARD: And blamed the East Timorese?
NALDO REI: Yeah. The East Timorese. They say that we are their betrayer and Horta is bad and Xanana is bullshit, don't believe Xanana or Horta. And, but and then they destroy the Embassy.

MONICA ATTARD: You say that the Indonesians were the ones who did the damage to the Dutch Embassy?
NALDO REI: Yeah Indonesian, Indonesian - Indonesian Army. Especially Kopassus.

MONICA ATTARD: Were they actually in the building whilst the protesters were in the building?
NALDO REI: Yes. In the building, yeah.

MONICA ATTARD: And that wasn't recognised by the Dutch authorities?
NALDO REI: They recognised, but they couldn't do anything at the time. So even they hit the Ambassador until his head was bleeding and...

MONICA ATTARD: And you say that was Kopassus?

MONICA ATTARD: Did your perception of the Indonesians change when you were in Jakarta?

MONICA ATTARD: How and why?
NALDO REI: Because East Timorese case and also Indonesian case, we have a different boat but same destiny. This means that Indonesian people under dictatorship for 32 years and there are no democracy in Indonesia themselves. And I believe that the movement of pro democracy movement in Indonesia growing every day. Why we don't have to - why we have to sit down in silence to live in a horror place for 32 years?

MONICA ATTARD: So do you believe that average Indonesians, the ones that you came across in Jakarta, supported Timorese independence?
NALDO REI: Yes. Because they hid me for 2½ years. And I know and I work with them.

MONICA ATTARD: So it was the problem clearly of Kopassus and the Indonesian authorities?
NALDO REI: Yeah it's only - the problem is the Army not the people.

MONICA ATTARD: And you know I suppose the - what happened at the Dutch Embassy,
do you think that the Dutch allowed the Indonesians in?
NALDO REI: Yes. I think they are scared of the Indonesian Army at the same time. Because they can't shoot the embassies, it mean that you invade the country, if you - because the embassies are representing the country, but if you invade it this mean that you are a traitor and invade the country as well. Why Dutch Embassy - what they allowed the Indonesian Army to enter the office and they capture ...

NALDO REI: I don't know. Capture us.

MONICA ATTARD: So do you think that there was some sort of conspiratorial agreement between the Dutch and the Indonesians?
NALDO REI: We don't know, but I believe so.

MONICA ATTARD: You think so?
NALDO REI: Yeah. And they capture us and then they didn't give me - they interrogate me for 24 hours. It is lucky that, you know, um, international community know about our protest. So they press on Indonesian Government to release us.

MONICA ATTARD: As a result of all of this you managed to get out of Indonesia didn't you?

MONICA ATTARD: How did you get out?
NALDO REI: Because my situation was, you know, I had been working with Indonesian Solidarity Group and also I'd been in, publicly against the Indonesian occupation. They were looking for me, search me everywhere, targeting Indonesian group. They call us a so called communist. But whoever trouble them or make a problem or against the Indonesian authority they say that trouble maker or communist. So they label any people who are against the Indonesian regime. So I was not safe in Jakarta so that's why I left.

MONICA ATTARD: Until you came to Australia?

MONICA ATTARD: A final question. What hope do you hold now for East Timor, given what we've seen recently with an assassination attempt on your top leadership, Xanana Gusmao and José Ramos-Horta, what hope do you hold now?
NALDO REI: I - my, personally I against any kind of violence. Shooting the president this mean you shoot the people of East Timor. Even if we have a different idea, different ideology or different opinion, that doesn't mean you have to shoot him. And we own the independence once. Nobody can change it. So even the rebel leaders they try to destroy the country, but I believe that people are wanting independence, that's all they want. And now the leaders should sit down together to solve the problem, because as you know that we are inexperienced. Inexperienced for when Indonesian time - Indonesian time, we have no skills. For example in the independence movement they have no skills to run the country. And now we have to say to everyone that, you know, no violence and we hope that, you know, the problem will be solved by our leaders.

MONICA ATTARD: Do you think they can solve it?
NALDO REI: Yes, I believe. Because why we have to live in the horror in our situation, and we need peace in this country, and we need the development in this country. We have a bright future. That's what we fought for. The young generation will restore peace and stability in East Timor.

MONICA ATTARD: And that was Naldo Rei, a child resistance fighter of East Timor.
Next week a special interview with the Prime Minister of the Solomon Islands, Dr Derek Sikua on the task of bringing stability to his country, ridding it of corruption and of convincing Australia to give his people the right to work here.

Thanks for listening. But before I go, can I direct you to our website at where you can download a transcript of this program and indeed all our other programs and you can also get a pod cast. And if you like, whilst you're there, click on the email icon and send us a note. I'm Monica Attard, thanks for listening. Thanks also to our producer Belinda Sommer

[This message was distributed via the east-timor news list. For info on how to subscribe send a blank e-mail to To support ETAN see ]


Combatente da resistência Timorense - "Naldo Rei"

Domingo, 4 Maio 2008
Apresentadora: Monica Attard

Uma história da luta pela independência de Timor-Leste através dos olhos do filho dum combatente da resistência – Naldo Rei.

MONICA ATTARD: Olá, juntaram-se ao Sunday Profile e eu sou Monica Attard. Esta semana estamos a falar com Naldo Rei, cujo relato pessoal de crescer no meio do movimento clandestino de resistência de Timor-Leste acabou de ser publicado na Austrália.

Naldo Rei era apenas um bébé quando o partido político Fretilin declarou a independência e as tropas Indonésias invadiram o seu país e a sua família fugiu para o mato.

Apenas no segundo livro que vai ser publicado em Inglês sobre as suas experiências em primeira mão da vida durante a ocupação Indonésia, o seu livro 'Resistência' é sobre uma infância perdida, um pai assassinado, preso e repetidamente torturado às mãos das forças de segurança Indonésias.

Eventualmente, Naldo Rei estava em demasiado perigo e fugiu, para todo o lado, para Jacarta, onde tentou atrair a atenção internacional para a causa Timorense. Finalmente, viu da Austrália o nascimento duma nova nação.
No mato costumava perguntar aos pais, de qualquer modo, acerca do som dos tiros.

NALDO REI: A minha pergunta era porquê, sabe quando ouço isto, as balas, ou isto, o som de tiros, porque é que todos os dia desaparecem pessoas e é essa a pergunta que vem à minha mente. Isso significa que quando se empunha armas ou se dispara, isso significa matar pessoas ou apenas tirar a vida às pessoas. Isso veio sempre nas minhas perguntas e na minha mente. E eu continuava a perguntar aos meus pais.

MONICA ATTARD: E o que é que eles respondiam?
NALDO REI: Nunca responderam nada.

MONICA ATTARD: Eles não sabiam ou eles não queriam preocupar os filhos?
NALDO REI: Eles, eles, eles sabiam. Eles sabiam o que acontecia, mas não me queriam preocupar, especialmente porque sendo criança na minha vida não era suposto ouvir as armas ou os tiros ou as mortes.

MONICA ATTARD: E os seus pais eram apoiantes da Fretilin?

MONICA ATTARD: E o que é que eles faziam? Eram membros activos da Fretilin? O que é que eles faziam para apoiar a Fretilin?
NALDO REI: Faziam à moda deles, ah, arranjavam comida, roupas e remédios tradicionais para ajudar os combatentes da guerrilha.

MONICA ATTARD: Lembra-se quando foi capturado pelos Indonésios?
NALDO REI: Sim. Porque, um, fomos cercado cedo na manhã. De certo modo ouvimos muitos tiros à volta, à nossa volta. E não sabíamos o que acontecia. E de certo modo eles vieram e cercaram-nos. Estávamos a viver na gruta, chamava-se a Gruta Kuru He'e Henu. E eles capturaram-nos e levaram-nos para o Quartel-General Indonésio em Lospalos. E puseram a minha família separada e depois deixaram os miúdos numa grande sala em, um, no Quartel-General das Forças Armadas Indonésias em Lospalos.

MONICA ATTARD: Durante quanto tempo?
NALDO REI: Durante três meses.

MONICA ATTARD: Durante três meses?

MONICA ATTARD: E durante esse tempo viu os seus pais?

MONICA ATTARD: Não. E foi bem tratado?
NALDO REI: Bem eles, eles trataram-nos – eles trataram-nos bem. Mas os miúdos precisam da família à volta. Mas eles ensinaram-nos a escrever e a ler, as Forças Armadas Indonésias.

MONICA ATTARD: E acabaram de vos forçar a voltar para a vossa aldeia?

MONICA ATTARD: Com a sua mãe e pai?

MONICA ATTARD: E, ah, mas eles estavam a monitorizar as vossas actividades?
NALDO REI: Sim. Eles continuaram, porque eles – quando fomos – antes de nos libertarem, eles libertaram-nos para vivermos em, é chamado, um, Missão Fuiloro. É uma escola - uma escola agrícola em Lospalos. Então mudaram-nos para lá, um, nos anos de 1980 ou à volta disso, durante seis anos, vivendo lá, também]. E depois mudaram-nos para a nossa aldeia.

MONICA ATTARD: Penso que secretamente a sua mãe e pai continuaram a apoiar o movimento da independência?

MONICA ATTARD: E os Indonésios acabaram por descobrir?

MONICA ATTARD: E o que é que aconteceu?
NALDO REI: Porque o meu pai, ele era o líder da comunidade e também na minha tradição ele é um familiar, uma geração familiar na minha família. Ele viu que havia algo errado, isso significa porque é que as Forças Armadas Indonésias vieram e mataram-nos. Por isso ele teve de estabelecer, organizar esse povo para lutar, para apoiar o Grupo da Fretilin, seguirem para o mato e lutarem contra as Forças Armadas Indonésias, por uma estratégia diferente, especialmente o movimento clandestino. E mais tarde eles descobriram que o meu pai estava envolvido no movimento, então pegaram nele, com cinco amigos – cinco dos seus amigos e depois mataram-nos a todos.

MONICA ATTARD: Lembra-se quando o apanharam?
NALDO REI: Sim. Eu tinha nove a – quase de nove a dez.

MONICA ATTARD: Então lembra-se disso, parece ...?
NALDO REI: Yeah, ele foi morto em 11 de Março em1985 e seis meses mais tarde eu tentei encontrar o meu pai, aonde ele tinha ido. Por isso fui a todos os quartéis-generais Indonésios na área de Lospalas a perguntar, 'Onde está o meu pai?'e eles disseram, que o pai, 'Não sabemos. Não conhecemos o teu pai'.

MONICA ATTARD: Alguma vez descobriu o que aconteceu?
NALDO REI: Yeah, logo seis meses mais tarde depois de ter partido, porque capturaram-me e libertaram-me.

MONICA ATTARD: E porque é que eles -como é que o capturaram? Porque é que o capturaram a si?
NALDO REI: Eles capturaram-me quando fui perguntar ao quartel-general, ao quartel-general das Forças Armadas Indonésias, 'Onde está o meu pai?' Eu andava à procura do meu pai.

MONICA ATTARD: Então eles apanharam-no?
NALDO REI: Yeah eles apanharam-me. E depois mais tarde eu decidi, oh eu decidi juntar-me com os combatentes de guerrilha.

MONICA ATTARD: E o que é que fizeram a si quando o apanharam?
NALDO REI: Eles torturaram-me durante duas semanas. E continuaram a perguntar-me sobre o meu envolvimento na luta, na coisa real.

MONICA ATTARD: E isto tendo nove anos de idade?
NALDO REI: Nove, yeah.

MONICA ATTARD: O que é que eles faziam? O que era a tortura?
NALDO REI: Eles torturaram-me, eles usaram electrocução para me darem choques. Eles usaram lâminas para me cortarem o corpo e continuaram a perguntar-me onde estavam todos os combatentes de guerrilha da Falintil. Mas eu disse, Não tenho ideia nenhuma. Não sei de nada. Mas eu vim aqui para encontrar o meu pai'.

MONICA ATTARD: Descobriu alguma vez como é que eles o mataram?
NALDO REI: Porque eu nunca fui, sabe, ao seu funeral. Então, mas a testemunha disse-me que, sabe, eles cortaram o seu – o seu pescoço e também o seu corpo. Depois apenas o despejaram dentro da gruta.

MONICA ATTARD: Na idade de nove ou dez anos, isso teria tido um impacto imenso em si?
NALDO REI: Teve um enorme impacto em mim, mas eu compreendo as consequências da guerra. As consequências de – de ser resistente ou combatente da resistência. Para lutar contra as Forças Armadas Indonésias ou para defender o seu povo e também a terra de Timor-Leste, temos de nos sacrificarmos nós próprios mesmo se isso levar à morte. Mas pelo menos um dia Timor-Leste será livre.

MONICA ATTARD: E quando diz que se tornou um combatente da resistência na idade de nove ou dez anos, o que é que isso significa? O que é que fazia? O que é que tinha de fazer?
NALDO REI: Quero dizer que tive de lutar de maneiras diferentes. Não tenho de ir lutar com armas ou espingardas. Mas temos uma luta de três frentes: diplomática, movimento clandestino e também o movimento armado. Então porque vivia em Dili ou em Timor, por isso tenho de usar a minha rede, rede clandestina, para organizar, para trabalhar com o movimento da resistência – outro resistente do movimento e apoiar a luta da guerrilha no mato.

MONICA ATTARD: E creio que trabalhou como correio em rapaz?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: Entre que partes?
NALDO REI: Entre os clandestinos e os combatentes da guerrilha no mato.

MONICA ATTARD: Certo. Então levava mensagens da cidade, de Dili?
NALDO REI: De Dili para o mato.

MONICA ATTARD: Para o mato?


MONICA ATTARD: E como é que fazia isso? Como é que sabia o caminho?
NALDO REI: Porque tínhamos uma conexão muito boa e estruturas diferentes, níveis diferentes.

MONICA ATTARD: Então havia jovens em cada passo do caminho, que eram apoiantes?

MONICA ATTARD: Que o ajudavam?

MONICA ATTARD: E o guavam?
NALDO REI: Yeah, guiavam-me.

MONICA ATTARD: Lembra-se de ter medo?
NALDO REI: Nunca tive medo. Porque quando eles começaram – mataram o meu pai, o meu medo do medo ou medo de qualquer coisa desapareceu. Eu apenas fui em frente e depois para descobrir porque é que o meu pai foi morto.

MONICA ATTARD: E obviamente conhecia o mato, não é verdade?

MONICA ATTARD: Estava bastante à vontade no mato?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: então isso não era um problema para si?
NALDO REI: Não. Quero dizer, eu conheço as consequências da guerra.

MONICA ATTARD: Encontrou-se com Xanana Gusmão?

MONICA ATTARD: Que idade tinha a primeira vez que se encontrou com ele?
NALDO REI: Tinha dezassete ou dezasseis quando me encontrei com ele. Encontrei-me com ele em Dili e também em Lospalos.

MONICA ATTARD: Que tipo de impressão ele lhe fez?
NALDO REI: Sabe, eu era um jovem. Uma pessoa encontra-se com um combatente da guerrilha, o do topo, fica-se realmente orgulhoso. Isso significa que se é a pessoa em que ele confia ou que outros líderes confiam em nós para organizar a sua viagem e tentar escondê-lo e tentar ser um mensageiro. Então isso significa que ele confia em nós e eu estava realmente muito orgulhoso dele.

MONICA ATTARD: Mas como é que ele lhe mostrou que era um homem corajoso?
NALDO REI: Bem, porque eu estava a receber as suas cartas um par de vezes e tinha estado a receber mensagens dele, sabe, através duma cassette gravada que ele me mandou, eu ouvi-o e eu – como trabalhar com ele e como lidar com as Forças Armadas Indonésias. É assim por isso que eu sabia como ...

MONICA ATTARD: E era assim que ele mandava mensagens para os apoiantes da Fretilin?
NALDO REI: Sim, apoiantes da Fretilin.

MONICA ATTARD: Então era uma espécie de clandestino ...
NALDO REI: Um movimento clandestino.

MONICA ATTARD: ... um movimento clandestino de informação?

MONICA ATTARD: Que seria passado duma pessoa para outra?
NALDO REI: Sim. Para outra pessoa.

MONICA ATTARD: Yeah. E sendo jovem ouvia essas gravações?
NALDO REI: Sim. E depois distribuia para outras pessoas, especialmente.

MONICA ATTARD: Agora, uma altura sangrenta na sua luta, que muitos dos nossos ouvintes lembrarão, é o massacre em Santa Cruz?

MONICA ATTARD: Viu esse massacre?
NALDO REI: Sim. Sim. Porque eu estive envolvido nesse massacre.

MONICA ATTARD: Como é que esteve envolvido?
NALDO REI: Porque eu estava, ah, Xanana tinha enviado as gravações para organizar a manifestação no 12 de Novembro. Então eu distribuí a sua gravação a todas as diferentes organizações, organizações políticas. Por isso tive de ser parte daquilo também.

MONICA ATTARD: E por causa do seu papel a ajudar a organizar esse protesto foi preso?

MONICA ATTARD: E torturado outra vez?

MONICA ATTARD: O que é que eles lhe fizeram então? Qual foi a tortura?
NALDO REI: Foi realmente, realmente mau. Eles torturaram-me. Eles tiraram-me todas as unhas dos pés, as unhas dos dedos e torturaram-me. Bateram-me com um cano de ferroe deram-me choques eléctricos – choques eléctricos e isso é horrível, horrível. Eles ataram-me de cabeça para baixo e torturaram-me todos os dias.

MONICA ATTARD: Durante quanto tempo?
NALDO REI: Durante duas semanas.

MONICA ATTARD: E depois o que é que aconteceu?
NALDO REI: Eles mudaram-me para a 'Prisão de Ferro'. É chamada Prisão Balidu mas chamamos-lhe sempre 'Prisão de Ferro' porque é realmente escura lá dentro. Não se consegue ver nada. Não há nenhum som. Não se consegue ouvir nada, ninguém. Mas apenas – entre as celas da prisão para todos os amigos, mas não se consegue ver ninguém, a cara de ninguém.

MONICA ATTARD: E quanto tempo ficou lá?
NALDO REI: Estive lá 59 dias. E depois mudaram-me para uma prisão no distrito de Aileu.

MONICA ATTARD: Mas acabou por ser libertado da prisão?

MONICA ATTARD: E tornou-se um informador para os Indonésios?

MONICA ATTARD: Eles pensaram que era um informador?

MONICA ATTARD: Mas não era realmente?

MONICA ATTARD: Não. Fale-me disso, o que é que aconteceu?
NALDO REI: Quando somos libertados pelas Forças Armadas Indonésias temos de escrever uma carta. Temos de concordar que teremos de – aceitar a bandeira Indonésia. Teremos de trabalhar com as Forças Armadas Indonésias para revelar todos os nossos amigos, todas as nossas conexões, para as Forças Armadas Indonésias para que possam capturá-los. Tem de ser – toda a gente tem de concordar com isso, sabe, Timor-Leste era uma parte da Indonésia como a província 27ª. Mas ninguém pode mudar a nossa mente para sermos parte da Indonésia.

MONICA ATTARD: Mas imagino que os Indonésios saberiam que ao forçar pessoas como você a assinar esses documentos e a concordar em tornarem-se informadores, não iam realmente fazer isso?
NALDO REI: Não, porque eu – porque é que eu tenho de fazer isso? Porque se me forçarem isso depois reforça-me para lutar contra. E depois quando se força as pessoas sabemos que iremos – ainda mais, criar una resistência oposta à Indonésia.

MONICA ATTARD: Havia um sentimento entre os seus amigos e as pessoas no movimento clandestino, que ao assinar esse acordo estava também como que a assinar o seu próprio mandato de morte, que as pessoas podiam não confiar em si?
NALDO REI: Porque eles capturaram-me tantas vezes e eu nunca revelei nenhum dos meus amigos.

MONICA ATTARD: Então as pessoas sabiam que não as trairia?
NALDO REI: Não. Mesmo os líderes clandestinos de topo eu nunca os trai. Porque eu digo que preferia morrer do que eles porque eu sou um rapaz, eu sou nada. Mas se eu matar um dos meus líderes de topo e então a luta acabará.

MONICA ATTARD: Depois saiu de Timor-Leste, não saiu? Foi para Jacarta.
MONICA ATTARD: Porque é que foi para Jacarta? Como é que isso aconteceu?

NALDO REI: Bem quem me pediu primeiro foi o líder clandestino, Sabalae. Ele pediu-me para ir para o mato primeiro e eu fui para o mato durante quase um mês. Mas fiquei um pouco adoentado e depois eles mandaram-me de volta. E depois dissseram, 'Okay tens de ir para Jacarta e trabalhar com o Grupo de Solidariedade em Jacarta. Para se mudar a situação em Timor-Leste tem que se mudar primeiro o povo da Indonésia para que possam envolver os nossos grupos da resistência também para libertar Timor-Leste.

MONICA ATTARD: Trabalhou muito, muito de perto com activistas pró-democracia e que depois também ocuparam a Embaixada Holandesa, não foi?
NALDO REI: Sim, sim.
MONICA ATTARD: Por ordens de Xanana Gusmão?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: Do que é que se lembra disso? Esteve lá na ocupação?
NALDO REI: Sim. Porque eu era o líder, o porta-voz da ocupação, quero dizer da manifestação em 7 de Dezembro de 1995. Queríamos mostrar à comunidade internacional que a luta, para libertar Timor-Leste não é apenas nossa, mas do próprio povo Indonésio. Porque eles sabiam que havia algo errado em Timor-Leste. Porque é que têm de matar todos os dias? E foi por isso que eles nos apoiaram - para mostrar à comunidade internacional que o próprio povo Indonésio, não concordava com a decisão de Suharto de invadir Timor-Leste.

MONICA ATTARD: Do que é que se lembra desse dia?
NALDO REI: Isso foi – foi realmente duro porque estávamos, como dizemos, na boca do tigre que nos pode engolir a qualquer altura, especialmente as Forças Armadas Indonésias. Bem, organizámos e depois Xanana ordenou-me que organizasse e também com outras pessoas, para organizar a manifestação de 7 de Dezembro de 95 na Embaixada Russa e também na Embaixada Holandesa, incluindo o Grupo de Solidariedade Indonésia. E nós organizámos e três, três dias na Embaixada Holandesa, mas em cada dia, eles apenas, as Forças Militares Indonésias e também Indonésios, um, também chamados, um, gangster nas Forças Armadas Indonésias, vieram e atiraram pedras à Embaixada e depois atingiram a Embaixada e foi realmente mau.

MONICA ATTARD: E culparam os Timorenses?
NALDO REI: Yeah. Os Timorenses. Diziam que os tínhamos atraiçoado e que Horta é mau e Xanana é uma treta, não acreditem em Xanana ou Horta. E depois eles destruíram a Embaixada.

MONICA ATTARD: Diz que foram os Indonésios que fizeram estragos na Embaixada Holandesa?
NALDO REI: Yeah Indonésios, Indonésios – Forças Armadas Indonésias. Especialmente o Kopassus.

MONICA ATTARD: Estavam eles actualmente no edifício no mesmo tempo que manifestantes estavam no edifício?
NALDO REI: Sim. No edifício, yeah.

MONICA ATTARD: E isso não foi reconhecido pelas autoridades Holandesas?
NALDO REI: Eles reconheceram, mas não podiam fazer nada na altura. Então atingiram mesmo o Embaixador até a cabeça dele sangrar e...

MONICA ATTARD: E diz que foi o Kopassus?

MONICA ATTARD: A sua percepção dos Indonésios mudou quando esteve em Jacarta?

MONICA ATTARD: Como e porquê?
NALDO REI: Porque o caso Timorense é também o caso Indonésio, estamos num barco diferente mas o mesmo destino. Isto significa que o povo Indonésio estava sob a ditadura há 32 anos e não há nenhuma democracia na própria Indonésia. E acredito que o movimento da pró-democracia na Indonésia se desenvolve cada dia. Porque é que não temos de – porque é que temos de ficar sentados em silêncio e viver num sítio de horror durante 32 anos?

MONICA ATTARD: Então acredita que os Indonésios comuns, os que encontrava em Jacarta, apoiavam a independência Timorense?
NALDO REI: Sim. Porque eles esconderam-me durante 2½ anos. E eu sei e trabalhei com eles.

MONICA ATTARD: Então isso era claramente o problema do Kopassus e das autoridades Indonésias?
NALDO REI: Yeah é apenas - o problema são as Forças Armadas, não o povo.

MONICA ATTARD: E sabe, suponho - o que aconteceu na Embaixada Holandesa, pensa que os Holandeses deixaram os Indonésios entrar?
NALDO REI: Sim. Eu penso que eles tinham medo das Forças Armadas Indonésias ao mesmo tempo. Porque eles não podem disparar contra embaixadas, isso significa que invadem o país, se se – porque as embaixadas representam o país, mas se se invade isso significa que se é um traidor e também invadiu o país. Porque é que a Embaixada Holandesa – autorizaram as Forças Armadas Indonésias a entrar no edifício e a capturarem-nos ...

NALDO REI: Não sei. Capturaram-nos.

MONICA ATTARD: Então pensa que houve um tipo de acordo conspirativo entre os Holandeses e os Indonésios?
NALDO REI: Não sabemos, mas eu acredito nisso.

MONICA ATTARD: Pensa isso?
NALDO REI: Yeah. E eles capturaram-nos e não me deram – eles interrogaram-me durante 24 horas. Tive sorte, sabe, um, a comunidade internacional soube do nosso protesto. Então eles pressionaram o Governo Indonésio para nos libertarem.

MONICA ATTARD: Em resultado disso tudo, conseguiu sair da Indonésia não foi?

MONICA ATTARD: Como é que saíu?
NALDO REI: Por causa da minha situação, sabe, Tinha estado a trabalhar com o Grupo de Solidariedade Indonésio e tinha também estado, publicamente contra a ocupação Indonésia. Eles andavam à minha procura, procuraram-me por todo o lado. Chamavam-nos comunistas. Mas fosse quem fosse que os incomodasse ou causasse problemas ou contra a autoridade Indonésia eles diziam que eram perturbadores ou comunistas. Assim eles rotulam qualquer pessoa que esteja contra o regime Indonésio. Assim não estava seguro em Jacarta foi por isso que parti.

MONICA ATTARD: Até vir para a Austrália?

MONICA ATTARD: Uma última pergunta. Que esperança tem agora por Timor-Leste, dado o que temos visto recentemente com a tentativa de assassínio na liderança de topo, Xanana Gusmão e José Ramos-Horta, que esperança tem agora?
NALDO REI: Eu pessoalmente sou contra qualquer tipo de violência. Balear o presidente isso significa disparar contra o povo de Timor-Leste. Mesmo se temos ideias diferentes, ideologias diferentes ou opiniões diferentes, isso não quer dizer que se tenha de disparar. E já obtivemos a independência. Ninguém pode mudar isso. Por isso mesmo os líderes amotinados tentaram destruir o país, mas eu acredito que o povo quer a independência, é tudo o que eles querem. E agora os líderes deviam sentar-se juntos para resolver o problema, porque como sabe nós somos inexperientes . Inexperientes desde o tempo dos Indonésios -no tempo dos Indonésios não obtivemos conhecimentos profissionais, não temos nenhuns conhecimentos profissionais. Por exemplo no movimento da independência eles não têm conhecimentos profissionais para dirigir o país. E agora temos de dizer a toda a gente isso, sabe, não à violência e esperamos que, sabe, o problema seja resolvido pelos nossos líderes.

MONICA ATTARD: Pensa que eles podem resolver isso?
NALDO REI: Sim, acredito. Porque, porque é que temos de viver no horror na nossa situação, e nós precisamos de paz neste país, e nós precisamos de desenvolvimento neste país. Nós temos um futuro brilhante. Foi por isso que lutámos. A jovem geração restaurará a paz e a estabilidade em Timor-Leste.

MONICA ATTARD: E este foi Naldo Rei, uma criança combatente da resistência de Timor-Leste.

Na próxima semana uma entrevista especial com o Primeiro-Ministro das Ilhas Solomão, Dr Derek Sikua na tarefa de levar estabilidade ao seu país, libertando-o da corrupção e para convencer a Austrália para dar ao seu povo o direito de trabalhar aqui.

Obrigado por escutarem. Mas antes de ir, posso encaminhá-los para o nosso website em pode descarregar uma transcrição deste programa e também todos os nossos outros programas e obter também um pod cast. E e quiser, enquanto está aqui, click no ícone do email icon e mande-nos uma nota. Sou Monica Attard, obrigado por nos ouvir. Obrigada também à nossa produtora Belinda Sommer

[Esta mensagem foi distribuida via ta lista de notícias de timor-Lestet. Para informações sobre como subscrever envia um e-mail para Para apoiar ETAN veja ]

MARGARIDA VERSUS MARIA - doze pontos a considerar

Blog Timor Lorosae Nação
Segunda-feira, 12 de Maio de 2008

Margarida deixou um novo comentário na sua mensagem "DECLARAÇÕES DE LORO HORTA CAUSAM POLÉMICA":
Reciclando o que ontem escrevi em diversos comentários e acrescentado umas coisitas, vejamos o rol de alguns dos “crimes” que mais uma escritora a metro - o "outro" era de Km's - acusa ou o Mari ou o seu Governo ou a Fretilin, ou até o Loro:
“Tentou retirar das escolas da Igreja Católica o apoio de seis mil professores que leccionam nestas escolas católicas, mas pagos pelo Estado”?

Em que país do mundo o Estado paga professores de escolas particulares? Obviamente que em nenhum, nem se entende porque é TL teria de ser excepção e muito menos se entende a pouca vergonha de tal reivindicação.
“Para Loro Horta, tudo deveria ser como a politica de Singapura”?

Claro que sabemos que preferem que seja o FBI e a Polícia Federal Australiana, mas até nisto estão divididos porque há os que preferem a Indonésia, a tal que os massacrava há menos de 10 anos...
“Ignorou sempre os meios de comunicação social timorenses, menosprezou-os, nunca lhes concedeu apoio”?

Mas os media Timorenses não são privados?
Porque carga de água é que o Estado devia favorecer empresas privadas? Por serem de comunicação social? Afinal confessam que o Mari não untou a mão dos media, que grande “crime” este!
“Alkatiri fez guerra ao Presidente Xanana Gusmão”?

O quê? A esse santíssimo e impolutíssimo PR, o tal que coitado era tão desprendido que nem telemóvel usava? O tal que coitado até passava semanas sem aparecer no gabinete mas que entretanto recebia tudo quanto conspirava contra as forças armadas do seu país?
“Demonstrou sempre a sua falta de consideração pelo Lu-Olo”?

Querem ver que afinal foi o Mari que fez aquele discurso de 23 de Junho de 2006, o tal ao povo sofredor, onde falava do saco para a bandeira?
“Quando Alkatiri forçou o voto por ‘braço no ar’”?

Desta esqueceram-se de se queixar ao Tribunal de Recurso! Mas eu pergunto-me como é que ele poderia forçar os braços a centenas de delegados ao mesmo tempo? A dois, vá, lá, ainda se entende, mas a centenas e ao mesmo tempo?
"Apenas continua a velha onda de Alkatiri, causando desunião política entre os timorenses. O tal acordo de 1 de Maio e a prova disso”?

Um acordo de partidos quando feita pela Fretilin causa "desunião política" e pelo CNRT, não?
“A ‘Task Force’ não prendeu ninguém da Fretilin, desde o 11 de Fevereiro, excepto o famoso Teixeira”?

Se sabem que as centenas de pessoas que prenderam não eram da Fretilin é porque as interrogaram sobre isso e isso é muito grave porque é INCONSTITUCIONAL! Alô, Alô as ONG's andam a dormir? Ainda não denunciaram esta grave violação de direitos humanos?
E quanto ao Zé Teixeira, estás à espera do quê para pores um processo em cima da Task Force?
Despacha-te, pá!
“Na politica e no poder, usam-se eleições democráticas e regimes democráticos para controlar estas rivalidades naturais e humanas”?

Deve estar pois para muito breve que cumpram a sugestão do líder da AMP, Mário Carrascalão, e que apresentem no Parlamento uma moção de confiança. Eu à cautela, espero sentada...
“Copiou-se a Constituição de Portugal mas eliminaram-se todas as hipóteses do Presidente de Timor ter o mesmo poder do de Portugal”?

Em que é que ficamos? Copiaram ou não copiaram a Constituição? Porque se a copiaram os poderes presidenciais serão os mesmos...
“Mas criou condições para os seus familiares importarem armas, arroz, combustível, carros, e ganharem todos os concursos públicos de Aprovisionamento.”?

Quanto ao gasóleo e às armas toda a gente se lembra que esses concursos foram feitos pela UNTAET.... mas a pateta confirma que no tempo do Mari havia concursos públicos... agora nem isso há. Agora entregam a mulheres de ministros 2,5 milhões de mão beijada e o monopólio da importação do arroz!
“Quem tentou criar o seu exercito privado foi Alkatiri, quando era PM, e criou a URP ou unidade da reserva da policia”?

Novamente é o Mari que paga por uma coisa que a ONU criou e que o então PM Xanana promulgou (a 6/05/2004). Mas esta é uma daquelas histórias “exemplares” destes papagaios: Quando em Janeiro de 2003, milicianos infiltrados através da fronteira com Timor Ocidental atacaram aldeias, mataram populações indefesas, na região de Atsabe, a polícia (só tinha 15 homens com pistolas na zona), não foi capaz de reagir e foram as F-FDTL que actuaram. E isso de imediato levou a acusações de violações dos direitos humanos! E por isso se decidiu a criação da URP, para actuar fora das zonas urbanas, segundo o modelo da «Jungle Police» da Malásia.
Os seus membros foram recrutados no seio da PNTL, deviam ter pelo menos seis meses de serviço e nenhum antecedente disciplinar. Receberam um treino mais puxado, tipo rangers, equipamentos adequados e armas automáticas.
Qualquer um que conheça minimamente o desenvolvimento da jovem democracia de TL conhece todas estas coisas e conhece toda esta propaganda mentirosa, repetitiva, parva, sem bases e sem o mínimo de lógica, disparatada, que mais não é que o peixe podre que o Xanana andou anos e anos a fio a vender, apenas para dividir e confundir.

Se em primeira-mão, pela voz do Xanana, isto já era intragável, agora pelas vozes destas propagandistas de meia tigela, começa a causar vómitos a uns, vontade de rir a outros. Não há reciclagens que torne bom o que nunca prestou. Esse lençol é um bom exemplo de má propaganda.

Australia’s secret, dirty empire

Mail & Gardian Online
John Pilger

11 May 2008 11:59

When the outside world thinks about Australia, it generally turns to venerable clichés of innocence -- cricket, leaping marsupials, endless sunshine, no worries.

Australian governments actively encourage this. Witness the recent "G'Day USA" campaign, in which Kylie Minogue and Nicole Kidman sought to persuade Americans that, unlike the empire's problematic outposts, a gormless greeting awaited them Down Under. After all, George W Bush had ordained the previous Australian prime minister, John Howard, "sheriff of Asia".

That Australia runs its own empire is unmentionable, yet it stretches from the Aboriginal slums of Sydney to the ancient hinterlands of the continent and across the Arafura Sea and the South Pacific.

When the new Prime Minister, Kevin Rudd, apologised to the Aboriginal people on February 13, he was acknowledging this. As for the apology itself, the Sydney Morning Herald accurately described it as a "piece of political wreckage" that "the Rudd government has moved quickly to clear away ... in a way that responds to some of its own supporters' emotional needs, yet changes nothing. It is a shrewd manoeuvre."

Like the conquest of the Native Americans, the decimation of Aboriginal Australia laid the foundation of Australia's empire. The land was taken and many of its people were removed and impoverished or wiped out. For their descendants, untouched by the tsunami of sentimentality that accompanied Rudd's apology, little has changed.

In the Northern Territory's great expanse, known as Utopia, people live without sanitation, running water, rubbish collection, decent housing or decent health. Aboriginal health, says the World Health Organisation, lags almost a hundred years behind that of white Australia. This is the only developed nation on a United Nations "shame list" of countries that have not eradicated trachoma, an entirely preventable disease that blinds Aboriginal children. Sri Lanka has beaten the disease, but not rich Australia.

Most white Australians rarely see this Third World in their own country. Hundreds of millions of dollars that Australian governments claim they spend on improving the lives of indigenous Australia are never spent, or end up in projects for white people.

Smear is commonly deployed as a distraction. In 2006, the Australian Broadcasting Corporation's leading current affairs programme, Lateline, broadcast lurid allegations of "sex slavery" among the Mutitjulu Aboriginal people. The source, described as an "anonymous youth worker", was exposed as a federal government official, whose "evidence" was discredited by the Northern Territory chief minister and police.

Within a year, Howard had declared a "national emergency" and sent the army and "business managers" into Aboriginal communities in the Northern Territory. A commissioned study on Aboriginal children was cited and "protecting the children" became the media cry -- just as it had more than half a century ago when children were kidnapped by white welfare authorities.

Rudd, as opposition leader, supported the "intervention" and has maintained it as prime minister. Welfare payments are "quarantined" and people controlled and patronised in a way familiar to black South Africans. Why? "Child abuse and alcoholism," says the mostly Murdoch-owned capital city press.

There is a catch. The Northern Territory is where Aboriginal people have had comprehensive land rights longer than anywhere else, granted almost by accident 30 years ago. The Howard government set about clawing them back.

The territory contains extraordinary mineral wealth, including huge deposits of uranium on Aboriginal land. The number of companies licensed to explore for uranium has doubled to 80. Kellogg Brown & Root, a subsidiary of the American giant Halliburton, built the railway from Adelaide to Darwin, which runs adjacent to Olympic Dam, the world's largest low-grade uranium mine.

Last year the Howard government appropriated Aboriginal land near Tennant Creek, where it intends to store the radioactive waste. "The land-grab of Aboriginal tribal land has nothing to do with child sexual abuse," says the internationally acclaimed Australian scientist and activist Helen Caldicott, "but all to do with open slather uranium mining and converting the Northern Territory into a global nuclear dump."

This "top end" of Australia borders the Arafura and Timor Seas, across from the Indonesian archipelago. One of the world's great submarine oil and gas deposits lies off East Timor. In 1975, Australia's then ambassador in Jakarta, Richard Woolcott, secretly recommended to Canberra that Australia turn a blind eye to Indonesia's invasion of East Timor, noting that the seabed riches "could be much more readily negotiated with Indonesia ... than with [an independent] Timor".

Gareth Evans, later foreign minister, described a prize worth "zillions of dollars". His government was one of the few to recognise General Suharto's bloody occupation, in which 200 000 East Timorese lost their lives. When eventually, in 1999, East Timor won its independence, Australia set out to manoeuvre the East Timorese out of their proper share of the oil and gas revenue by unilaterally changing the maritime boundary and withdrawing from World Court jurisdiction in maritime disputes.

This would have denied desperately needed revenue to the new country, stricken from its years of brutal occupation. But East Timor's then-prime minister, Mari Alkatiri, leader of the majority Fretilin party, proved more than a match for Canberra. He showed himself to be a nationalist who believed his country should belong to its people. He rejected the World Bank.

He believed that women should have equal opportunity and that healthcare and education should be universal. "I am against rich men feasting behind closed doors," he said. For this he was caricatured as a communist by his opponents, notably the president, Xanana Gusmão, and the then foreign minister, José Ramos-Horta, both close to the Australian political establishment.

When a group of disgruntled soldiers rebelled against Alkatiri's government in 2006, Australia readily accepted an "invitation" to send troops to East Timor. "Australia," wrote Paul Kelly in Murdoch's Australian, "is operating as a regional power ... This language is unpalatable to many. Yet it is the reality. It is new, experimental territory for Australia."

A mendacious campaign against the "corrupt" Alkatiri was mounted in the Australian media, reminiscent of the coup-by-media that briefly toppled Hugo Chávez in Venezuela. Like the US soldiers who ignored looters on the streets of Baghdad, Australian soldiers stood by while armed rioters terrorised people, burned their homes and attacked churches.

Rebel leader Alfredo Reinado, a murderous thug trained in Australia, was elevated to folk hero. Under this pressure, the democratically elected Alkatiri was forced from office and East Timor was declared a "failed state" by Australia's legion of security academics concerned with the "arc of instability" to the north, in Asia, an instability they supported as long as the genocidal Suharto was in charge.

Australia is engaged in the Solomon Islands and Papua New Guinea, where its troops and federal police have dealt with "breakdowns in law and order" that are "depriving Australia of business and investment opportunities".

Australia is also entrenched in Afghanistan and Iraq. Rudd's electoral promise to withdraw from the "coalition of the willing" does not include almost half of Australia's troops in Iraq. The increasingly politicised Australian military, imbued with Washington's "security" doctine, has been on standby more times than ever in peacetime.

At last year's conference of the American-Australian Leadership Dialogue -- an annual event designed to unite the foreign policies of the two countries, but in reality an opportunity for the Australian elite to express its historic servility to great powers -- Rudd was in unusually oratorical style. "It is time we sang from the world's rooftops," he said, "[that] despite Iraq, America is an overwhelming force for good in the world ... I look forward to more than working with the great American democracy, the arsenal of freedom, in bringing about long-term changes to the planet."

The new sheriff for Asia had spoken.


O Império secreto e sujo da Austrália

Mail & Gardian Online
John Pilger

11 Maio 2008 11:59

Quando o mundo exterior pensa na Austrália, geralmente saem respeitáveis clichés de inocência -- cricket, marsupiais saltitantes, brilhar do sol sem fim, nenhumas preocupações.

Os governos Australianos encorajam isto activamente. Vejam a recente campanha "G'Day USA" na qual Kylie Minogue e Nicole Kidman tentam persuadir os Americanos que, ao contrário de postos da frente problemáticos do império, uma saudação amável esperava por eles Lá em Baixo. No fim de contas, George W Bush tinha ordenado o anterior primeiro-ministro Australiano, John Howard, "sheriff da Ásia".

O que não é mencionado é que a Austrália dirige o seu próprio império, e contudo este estende-se dos bairros de lata Aborígenes de Sydney até às antigas terras do interior do continente e através do Mar de Arafura Se do Sul do Pacífico.

Quando o novo Primeiro-Ministro, Kevin Rudd, pediu desculpa aos povos Aborígenes em 13 de Fevereiro, estava a reconhecer isso. Quanto ao pedido de desculpas em si mesmo, o Sydney Morning Herald descreveu-o correctamente como uma "peça de naufrágio político" que o "governo de Rudd depressa limpou ... numa maneira que responde a algumas necessidades emocionais dos seus apoiantes, mas que contudo, nada muda. É uma manobra astuta."

Tal como a conquista dos Americanos Nativos, o extermínio dos Australianos Aborígenes projectou a fundação do império da Austrália. A terra foi tomada e muitos dos seus povos foram removidos e empobrecidos ou exterminados. Para os seus descendentes, não atingidos pelo tsunami de sentimentalismo que acompanhou o pedido de desculpas de Rudd, pouco mudou.

Na grande extensão do Território do Norte, conhecido como Utopia, as pessoas vivem sem condições sanitárias, água corrente, recolha de lixo, habitação decente ou saúde decente. A saúde dos Aborígenes, diz a Organização Mundial da Saúde, arrasta-se quase cem anos atrás da dos brancos da Austrália. Esta é a única nação desenvolvida na “lista de vergonha” da ONU de países que não irradicaram o tracoma, uma doença completamente evitável que cega as crianças Aborígines. Sri Lanka derrotou a doença, mas não a Austrália rica.

A maioria dos Australianos brancos raramente vê este Terceiro Mundo no seu próprio país. Centenas de milhões de dólares que os governos Australianos clamam ter gasto a melhorar as vidas dos indígenas Australianos nunca são gastos, ou acabam em projectos para os brancos.

Para distrair usam muitas vezes a difamação. Em 2006, o programa de topo dos assuntos correntes da Australian Broadcasting Corporation, Lateline, emitiu alegaçõespavorosas de "escravatura sexual" entre o povo Aborígene Mutitjulu. A fonte, descrita como um "jovem trabalhador anónimo", foi exposta como sendo um funcionário do governo federal, cuja "evidência" foi desacreditada pelo ministro chefe e polícia do Território do Norte.

Dentro dum ano, Howard tinha declarado uma "emergência nacional" e enviou o exército e "gestores de negócios" para as comunidades Aborígenes do Território do Norte. Um estudo encomendado sobre crianças Aborígenes foi citado e "proteger as crianças" tornou-se a choradeira dos media – tal e qual como há mais de meio século quando as crianças foram raptadas pelas autoridades da segurança social brancas.

Rudd, como líder da oposição, apoiou a "intervenção" e tem-na mantido como primeiro-ministro. Os pagamentos da segurança social estão "em quarentena" e o povo é controlado e guardado numa maneira familiar aos negros Sul-Africanos. Porquê? "Abuso infantil e alcoolismo," diz a maioria da imprensa da capital da propriedade de Murdoch.

Há um truque. O Território do Norte é aonde os povos Aborígenes têm tido direitos de terra gerais há mais tempo que em qualquer outro sítio, doados quase por acidente há 30 anos. O governo Howard predispôs-se a agarrá-los de volta.

O território contém extraordinária riqueza mineral, incluindo enormes depósitos de urânio em terra Aborígene. O número de companhias licenciadas para explorar o urânio duplicou para 80. Kellogg Brown & Root, uma subsidiária do gigante Americano Halliburton, construiu a linha férrea de Adelaide a Darwin, que corre adjacente à Barragem Olímpica, a maior mina do mundo de urânio empobrecido.

O ano passado o governo Howard expropriou terra Aborígene perto de Tennant Creek, onde tem a intenção de armazenar lixo radioactivo. "O roubo de terra tribal Aborígene nada tem a ver com abuso sexual infantil," diz a cientista Australiana famosa internacionalmente e activista Helen Caldicott, "mas tem tudo a ver com a mineração a céu aberto do urânio e a conversão do Território do Norte numa lixeira nuclear global."

Este "fim de topo" da Austrália faz fronteira com os Mares de Arafura e de Timor, através do arquipélago Indonésio. Um dos grandes depósitos do mundo de gás e petróleo está na costa de Timor-Leste. Em 1975, o então Embaixador da Austrália em Jacarta, Richard Woolcott, recomendou secretamente a Canberra que a Austrália fingisse que não via a invasão de Timor-Leste pela Indonésia, sublinhando que as riquezas do fundo do mar "podiam ser muito mais rapidamente negociadas com a Indonésia ... do que com um Timor [independente]".

Gareth Evans, mais tarde ministro dos estrangeiros, descreveu-o como um prémio no valor de "ziliões de dólares". O seu governo foi um dos poucos a reconhecer a sangrenta ocupação do General Suharto, onde 200 000 Timorenses perderam as suas vidas. Quando eventualmente, em 1999, Timor-Leste ganhou a sua independência, a Austrália preparou-se para empurrar os Timorenses para fora da sua própria parte dos rendimentos do petróleo e do gás ao mudar unilateralmente a fronteira marítima e ao retirar-se da jurisdição do Tribunal Mundial de disputas marítimas.

Isso teria negado ao novo país rendimentos desesperadamente necessários, golpeado por anos de ocupação brutal. Mas o então primeiro-ministro de Timor-Leste, Mari Alkatiri, líder do partido maioritário, a Fretilin, mostrou ser um rival de nível superior a Canberra. Ele mostrou ser um nacionalista que acreditava que o seu país deve pertencer ao seu povo. Ele rejeitou o Banco Mundial.

Ele acreditava que as mulheres devem ter oportunidades iguais e que os cuidados de saúde e a educação deviam ser universais. "Estou contra os ricos que se banqueteiam por detrás de portas fechadas," disse ele. Por isso foi caricaturado como comunista pelos opositores, nomeadamente pelo presidente, Xanana Gusmão, e o então ministro dos estrangeiros, José Ramos-Horta, ambos próximos da elite política Australiana.

Quando um grupo de soldados decepcionados se levantaram contra o governo de Alkatiri em 2006, a Austrália aceitou prontamente um "convite" para mandar tropas para Timor-Leste. A "Austrália," escreveu Paul Kelly no The Australian de Murdoch , "está a operar como um poder regional ... Esta linguagem é intragável para muitos. Contudo é a realidade. É um território novo, não experimentado para a Austrália."

Foi montada uma campanha mentirosa contra o "corrupto" Alkatiri nos media Australianos, que lembram o golpe mediático que derrubou durante pouco tempo Hugo Chávez na Venezuela. Tal como os soldados dos USA que ignoraram os ladrões de pilhagens nas ruas de Baghdad, os soldados Australianos estavam parados enquanto amotinados armados aterrorizavam o povo, queimavam as suas casas e atacavam igrejas.

O líder amotinado Alfredo Reinado, um brutal homicida formado na Austrália, foi elevado a herói folclórico. Sob a sua pressão, o governo democraticamente eleito de Alkatiri foi forçado a sair e Timor-Leste foi declarado um "Estado falhado" pela legião Australiana de académicos da segurança preocupados com o "arco de instabilidade" para o norte, na Ásia, uma instabilidade que eles apoiaram quando o genocida Suharto estava ao comando.

A Austrália está engajada nas Ilhas Solomão e na Papua Nova Guiné, onde as suas tropas e a polícia federal têm lidado com "colapsos na lei e ordem" que estão a "privar a Austrália de oportunidades de negócios e investimentos".

A Australia está também enterrada no Afeganistão e no Iraque. A promessa eleitoral de Rudd de se retirar da "coligação dos desejosos" não inclui quase metade das tropas da Austrália no Iraque. As forças militares Australianas cada vez mais politicizadas, imbuídas com a doutrina de "segurança" de Washingto, têm estado em estado de prontidão mais vezes do que nunca em tempo de paz.

Na conferência do ano passado sobre o Diálogo de Liderança Americano-Australiano – um evento anual definido para unir as políticas estrangeiras dos dois países, mas na realidade uma oportunidade para a elite Australiana expressar o seu servilismo histórico aos grandes poderes -- Rudd estava num estilo oratório desusado. "É altura de cantarmos de cima dos telhados do mundo," disse ele, "[porque] apesar do Iraque, a América é uma força proeminente para o bem no mundo ... Eu procuro mais do que trabalhar com a grande democracia Americana, o arsenal da liberdade, em trazer para o planeta mudanças de longo prazo."

Tinha falado o novo sheriff para a Ásia.

País sai a ganhar da escalada de preços de matérias-primas graças ao petróleo

Notícias Lusófonas
11 Maio 2008

Timor-Leste é um "claro ganhador" da actual conjuntura de escalada do preço da generalidade das matérias-primas, graças às receitas petrolíferas, que mais do que compensam os aumentos de bens alimentares, afirma o Banco de Desenvolvimento Asiático.

A conclusão do Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD), que esta semana esteve reunido em Madrid, consta do relatório "Lidar com Preços Altos - Um Relatório de Políticas", hoje divulgado, que indica ainda que "o recente aumento nos preços de bens alimentares nos mercados internacionais ainda não está a ser inteiramente sentido no Pacífico", mas que o "contágio" a partir do continente asiático deverá estar para breve.

Tal como a Papua Nova Guiné, Timor-Leste "é um claro ganhador em termos líquidos" da actual conjuntura, uma vez que "os elevados preços das exportações vão mais do que compensar o efeito dos elevados preços de produtos petrolíferos, trigo e arroz" consumidos no pequeno mercado interno, refere o banco no relatório.

"Os produtores petrolíferos da região, Papua e Timor-Leste, estão a retirar grandes benefícios dos preços elevados", afirma.

Em Timor-Leste, exemplifica o estudo, as receitas governamentais das exportações petrolíferas mais do que aumentaram no ano passado para cerca de três vezes o valor do Produto Interno Bruto (PIB).

Na situação inversa encontram-se, por exemplo, as Ilhas Salomão e Vanuatu.

Todos os países da região são importadores líquidos de bens alimentares de base e Timor-Leste pertence ainda à categoria dos que são considerados capazes de grandes aumentos na produção deste género de produtos.

Em relação aos países da região do Pacífico, o BAD considera que o facto de o já baptizado "tsunami" do preço dos bens alimentares ainda não se fazer sentir oferece "uma pequena janela de oportunidade para se prepararem".

"A prioridade é preparar medidas de resposta rápida para compreender melhor os desenvolvimentos e salvaguardar os [países] mais expostos", afirma.

Entre as medidas recomendadas estão a monitorização de preços alimentares, liberalização do controlo de preços, redução de taxas e impostos excessivos.

"s autoridades de Timor-Leste e Papua Nova Guiné é também recomendado que "encontrem maneiras de usar as suas mais elevadas receitas governamentais do petróleo e mineração para ajudar os mais carenciados".

A Língua de sabor amargo: professores acampam na escola de Maubisse

** Pedro Rosa Mendes, da Agência Lusa **

Díli, 09 Mai (Lusa) - Maubisse, no distrito de Ainaro (oeste), é uma vila de montanha, entre cumeadas que rondam os dois mil metros de altitude. Tem pinheiros, cavalos e frio, matéria exótica em Timor-Leste.

É com as mãos geladas, numa manhã seca de Maio, que os professores timorenses que frequentam o bacharelato em Língua Portuguesa vão chegando à escola primária número 1 de Maubisse.

No entanto, os primeiros a chegar são os que provêm de mais longe, de aldeias a várias horas de marcha, como Turiscai, no distrito vizinho de Manufahi. E esses têm as mãos quentes.

Duplo enigma de solução simples: os professores de longe dormem na escola durante a semana. É a única maneira de chegarem a horas ao início das aulas, às 08:30.

Está António Alves Pinto, que vem à terça-feira de manhã.

Está Aleixo de Deus. Vem à quarta-feira, fica na escola até sábado.

Nicolau jerónimo vem à terça, dorme na escola "para não chegar atrasado à aula de quarta-feira de manhã".

Cosme Mesquita Rodrigues também chega de véspera às aulas de quarta-feira.

"Norberto Moniz dos Santos é um caso especial. É de Same (Manufahi) mas a Educação colocou-o em Turiscai", explica a professora Fernanda Azóia, embrulhada numa camisola de lã e com um cachecol a cair dos ombros.

"A semana de Norberto divide-se entre o fim-de-semana mais ou menos em Same, depois ele vai ensinar a Turiscai e vem passar o resto dos dias a Maubisse. Está cá segunda-feira à noite para começar de manhã", conta a professora portuguesa.

E há João Soares, o elemento mais velho do grupo. É de Turiscai e vem de cavalo - sem sela, "apenas um pano no lombo e é montar". O animal fica a pastar do lado de fora da sala de aula.

Os alunos e a professora escolheram vários poemas, afixados na parede em folhas caligrafadas, de Ruy Cinatti, Fernando Sylvan, Sophia de Mello Breyner, Vasco Graça Moura e outros.

Farrapos oníricos irrompem também nos detalhes mais prosaicos: o cavalo castanho de João Soares chama-se Manohui, "cavalo com asas, cavalo voador".

Nesta manhã, o grupo de formandos que acampam na escola inclui ainda o professor Luís Alarico do Espírito Santo, que ali fica até sábado.

António Rêgo de Fátima e Lourenço de Araújo, o mais novo dos formandos, chegarão depois.

Quinta-feira foi dia de teste. Às 07:30, os formandos residentes já estavam sentados.

"Já arrumámos a sala. De noite, juntamos as mesinhas e deitamo-nos por cima", explica António, um dos formandos do bacharelato.

"Fazem da escola o acampamento. Trazem as esteiras, os cobertores, as toalhas e a comida. A água vão buscar a uns cursos de água aqui perto. Vivem em comunidade durante uns dias por causa dos cursos de Língua Portuguesa", conta a professora portuguesa Fernanda Azóia.

Dez dos 27 alunos da turma de Língua Portuguesa são de Turiscai, a aldeia de Francisco Xavier do Amaral, fundador da Associação Social Democrática Timorense (ASDT) e da Fretilin e efémero primeiro chefe de Estado timorense, em 1975.

Aliás, todos levantam o braço quando se pergunta quem de entre eles é parente do "velho Xavier", termo com que na montanha ou na cidade é referido o líder da ASDT.

"O velho Xavier é meu tio. A minha mãe é a irmã mais nova dele", diz João. "Morreu quando eu tinha 12 anos", acrescentará depois o professor timorense, na gramática em que os mortos não são mais-que-perfeito mas continuam a habitar o presente do indicativo.

O passado e o presente, contemporâneos um de outro, interceptam-se nos textos dos formandos do bacharelato. O trabalho de casa era escrever uma história tradicional. A tradição é o que se conta e o que se conta, em Timor-Leste, é o que se viveu.

A guerra civil de 1975 entre timorenses é matéria de várias histórias escritas para a professora Fernanda Azóia. Há também quem recorde a grande revolta de Manufahi, de 1912, última campanha militar contra o regime colonial português.

"Nessa altura, alguns liurai (reis), com as populações destas zonas, mataram alguns malai (estrangeiros ou portugueses) e não enumeraram", escreveu um dos professores timorenses no teste de quinta-feira.

"Os que mataram malai foram identificados pelas autoridades locais, como o administrador do concelho de Ainaro, e foram capturados todos e mandados para a Ilha de Ataúro", escreveu um dos professores timorenses.

"E o avô disse à mãe que o sangue do malai mutin (branco) é amargo, porque quando nós matámos um malai, todos os que viviam nesta zona foram capturados. Todos no tempo dos avós. Mas agora não, os malai vêm para ajudar-nos", conclui a história tradicional com rodapé de simpatia.

Fernanda Azóia aponta uma nódoa na folha, a meio da história. "É uma gota de cera. O trabalho foi acabado ontem à noite, à luz de vela aqui na sala".

Outras gotas de luz espreitam na conversa dos formandos de Maubisse, que cresceram a lidar com o tétum, o mambae e o indonésio. São, além dessas três, outras línguas faladas apenas por algumas comunidades em aldeias perdidas e que "não são ensinadas em nenhuma escola, apenas de pais para filhos, em alguns sucos" (freguesias), como explicou João Soares.

O sobrinho do "velho Xavier" fala isny, uma língua que João Soares diz existir apenas nos sucos de Foholau e Orana, em Turiscai. Outros referem o idaté (que Luís Filipe Thomaz lista no seu "Babel Loro Sa'e" sobre as línguas timorenses).

Acampar na escola durante a semana, a bem do bacharelato, "é um sacrifício grande para as famílias e para o dinheiro", dizem os formandos, sem transporte motorizado.

"Não sei quantos professores em Portugal estariam dispostos a estudar nestas condições", comenta Fernanda Azóia.

Sobre o meio-dia, o teste acaba e a escola esvazia-se. Os alunos adultos misturam-se na algazarra das crianças. No meio deles, João Soares puxa o seu cavalo "com asas" pela corda.

Nos quadros de ardósia ficam restos das aulas da manhã, por exemplo, "os deus lavaram-se". Um formando sai de motorizada, com uma inscrição no pára-lamas dianteiro: "Calma total".


East Timor: Governing coalition on brink of collapse

International News, Green Left Weekly issue #750 14 May 2008.
Tony Iltis
9 May 2008

A realignment of political forces appears to be underway in East Timor, with the signing of an agreement for a strategic alliance for future elections between the largest party in parliament, the Revolutionary Front of Independent East Timor (Fretilin), and the Timorese Social Democratic Association (ASDT) — the second largest party in the coalition of non-Fretilin parties that has held government since the July 2007 parliamentary elections.

While the ASDT will remain in the current government of Prime Minister Xanana Gusmao, both parties are calling for these elections to be brought forward to early 2009. This was apparently agreed to by President Jose Ramos Horta at a February 7 all-party meeting.

A joint Fretilin-ASDT platform, released on May 7, emphasised the common heritage between the two parties in East Timor’s long struggle for independence.

The platform described ASDT leader Francisco Xavier do Amaral as the “proclaimer of independence” (having made the November 1975 declaration of independence from Portugal that was quickly followed by Indonesia’s Australian-backed invasion and occupation) and Fretilin leader Francisco Guterres Lu’olo as the “restorer of independence” (as in his position as president of the national parliament, he officially restored the independence proclamation in May 2002).

Timor Sea

The intervening quarter-century of Indonesian occupation saw the death of 300,000 Timorese (a third of the population) and the 1991 Timor Gap Treaty between Indonesia and Australia that granted the latter a disproportionate share of the oil and gas reserves in the Timor Sea.

Since the re-establishment of formal independence, Australia has used its position of power over the impoverished half-island to enforce an agreement, in violation of what East Timor is entitled to under international law, that grants Australia control over the majority of gas and oil reserves in the Timor Sea.

According to a May 5 Fretilin media release, the agreement is a response to a situation whereby “despite the people of Timor Leste having been liberated from centuries of foreign domination, the people are once again living under a government full of nepotism, corruption, collusion and injustice, and we are witnessing the persecution of our patriots.

“The situation has once again dragged our people into living lives of fear of those in political power and of a loss of hope for the economic development of their nation.”

One of the joint platform’s demands is for the establishment of an “International Commission of Investigation” into the confused events on February 11 in which Ramos Horta was shot and seriously injured.

An article in the April 22 Australian reported that East Timor is awash with rumours about the shoot-out, including speculation that Major Alfedo Reinado, the Australian-trained military police officer who was killed in the attack, was “set up” and Australia was behind the incident in a bid to remove Ramos Horta. Reinado led a May 2006 mutiny that resulted in the overthrow of Fretilin Prime Minister Mari Alkatiri and the deployment of the Australian-dominated International Stabilisation Force (ISF).

It is unlikely that Australia would have attempted to assassinate Ramos Horta as his coming to power was supported by Canberra. Both Fretilin and grassroots NGOs have accused Australia of violating East Timor’s sovereignty by both playing a role Alkatiri’s overthrow and using the ISF to influence the presidential and parliamentary elections in 2007.

ISF’s role

Any genuine inquiry into the February 11 shootings would need to investigate many unanswered questions surrounding the 2006 violence, which left 37 people dead and 150,000 homeless from arson attacks, which increased after the deployment of the ISF.

Among the questions are how Reinado and his followers managed to escape from ISF custody and take to the hills with weapons in August 2006. In two DVDs that circulated in the months leading up to his death, Reinado claimed that in 2006 he was acting under direct orders from then-president Gusmao and that he had been promised high office in a post-Alkatiri government.

The most likely explanation for what happened at Ramos Horta’s residence on February 11 was that Reinado and his supporters went to the president’s home with the intention of strong-arming him into delivering his earlier promise of an amnesty, but were met with unexpected resistance from the president’s body-guards. Even more questions surround the alleged attack on Gusmao the same day, which saw the PM emerge unscathed despite his car being riddled with bullets.

In a February 19 interview with the Portuguese newsagency Lusa, Mario Carrascalao, a high-ranking member of Gusmao’s coalition, suggested that the attack on the PM may have been staged, pointing out the improbability of anyone surviving an ambush on the stretch of road where it apparently took place.

Alkatiri has claimed that Fretilin has photographs of Xanana’s car following the attack with just two bullet holes. When the car was shown to the media it had 16 bullet holes. Following his surrender on April 29, the alleged leader of the ambush, Reinado’s deputy Gastao Salsinha, denied having fired any shots at Xanana.

Meanwhile, Fretilin has condemned the way in which Salsinha’s surrender was conducted, which not only involved an official public ceremony but was followed by a party in which Salsinha and his followers were drinking and dancing with government soldiers and police!

The ASDT-Fretilin call for an international inquiry into the February 11 events has suggested that Australia should not be involved due to Australia’s perceived inteference in East Timor’s affairs. Contributing to this perception is the lack of accountability of the ISF. Prior to the November Australian elections, the ALP called for the Australian forces to be brought under UN control. However, since winning power, the Rudd Labor government has maintained the ISF’s independent status.


Timor-Leste: Coligação do governo à beira de se desmoronar

Notícias Internacionais, Green Left Weekly issue #750 14 Maio 2008.
Tony Iltis
9 Maio 2008

Um realinhamento das forças políticas parece esar a ocorrer em Timor-Leste, com a assinatura de um acordo para uma aliança estratégica para futuras eleições entre o maior partido no parlamento, Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente (Fretilin), e a Associação Social Democrática Timorense (ASDT) — o segundo maior partido na coligação de partidos não-Fretilin que tem estado no governo desde as eleições parlamentares de Julho de 2007.

Conquanto a ASDT se manterá no corrente governo do Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, ambos os partidos estão a pedir eleições antecipadas para o princípio de 2009. Isso foi aparentemente acordado pelo Presidente José Ramos Horta num encontro em 7 de Fevereiro com todos os partidos.

Uma plataforma conjunta Fretilin-ASDT, emitida em 7 de Maio, enfatizou a herança comum entre os dois partidos durante a longa luta pela independência de Timor-Leste.

A plataforma descrita pelo líder da ASDT Francisco Xavier do Amaral como o “proclamador da independência” (tendo feito em Novembro 1975 a declaração da independência de Portugal que foi rapidamente seguida pela invasão e ocupação da Indonésia apoiada pelos Australianos) e o líder da Fretilin Francisco Guterres Lu’olo como o “restaurador da independência” (dado que na sua posição como presidente do parlamento nacional, ele oficialmente restaurou a proclamação da independência em Maio de 2002).

Mar de Timor

Durante o quarto de século da ocupação Indonésia houve a morte de 300,000 Timorenses (um terço da população) e o Tratado do Timor Gap em 1991 entre a Indonésia e a Austrália que doou à última uma parte desproporcionada das reservas de petróleo e de gás no Mar de Timor.

Desde o re-estabelecimento da independência formal, a Austrália usou a sua posição de poder sobre a empobrecida meia-ilha para impor um acordo, em violação ao que Timor-Leste tem direito sob a lei internacional, que dá à Austrália o controlo sobre a maioria das reservas de petróleo e gás no Mar de Timor.

De acordo com um comunicado de imprensa da Fretilin de 5 de Maio, o acordo é uma resposta a uma situação pela qual “apesar do povo de Timor-Leste ter sido libertada de séculos de dominação estrangeira, o povo está mais uma vez a viver sob um governo cheio de nepotismo, corrupção, conveniência e injustiça e estamos a testemunhar a perseguição dos nossos patriotas.

“A situação mais uma vez arrastou o nosso povo a viver vidas de medo dos que estão no poder político e uma perda de esperança pelo desenvolvimento económico da sua nação.”

Uma das exigências da plataforma conjunta é o estabelecimento duma “Comissão Internacional de Investigação” aos confusos eventos de 11 de Fevereiro nos quais Ramos Horta foi baleado e gravemente ferido.

Um artigo no The Australian de 22 de Abril relatava que Timor-Leste está cheio de rumores acerca do tiroteio, incluindo especulações que o Major Alfedo Reinado, o oficial da polícia militar formado pelos Australianos que foi morto no ataque, tinha sofrido uma cilada e que a Austrália estava por detrás do incidente numa tentativa para remover Ramos Horta. Reinado liderou um motim em Maio de 2006 de que resultou o derrube do Primeiro-Ministro da Fretilin Mari Alkatiri e o destacamento da Força Internacional de Estabilização (ISF) dominada pelos Australianos.

É improvável que a Austrália tenha tentado assassinar Ramos Horta dado que a sua subida ao poder foi apoiada por Canberra. Ambos Fretilin e ONG's de base acusaram a Austrália de violar a soberania de Timor-Leste por ter tido um papel quer no derrube de Alkatiri quer por ter usado a ISF para influenciar as eleições presidenciais e parlamentares em 2007.

Papel da ISF

Qualquer inquérito genuíno aos tiroteios de 11 de Fevereiro precisará de investigar muitas questões não respondidas envolvendo a violência de 2006, que deixou 37 pessoas mortas e 150,000 sem casa por ataques incendiários, que cresceram depois do destacamento da ISF.

Entre as questões está como é que Reinado e os seus seguidores conseguiram escapar da custódia da ISF e irem para os montes com armas em Agosto de 2006. Em dois DVDs que circularam meses antes da sua morte, Reinado afirmou que em 2006 estava a actuar sob ordens directas do então presidente Gusmão e que lhe sida sido prometido um alto cargo num governo pós-Alkatiri.

A explicação mais provável do que aconteceu na residência de Ramos Horta em 11 de Fevereiro foi que Reinado e os seus seguidores foram a casa do presidente com a intenção de o confrontar para cumprir com a sua promessa anterior duma amnistia, mas encontraram resistência inesperada dos guarda-corpos do presidente. Ainda mais questões rodeiam o alegado ataque a Gusmão no mesmo dia, que viu o PM emergir ileso apesar do seu carro ter sido atravessado por balas.

Numa entrevista em 19 de Fevereiro à agência de notícias Portuguesas Lusa, Mário Carrascalão, um membro de topo da coligação de Gusmão, sugeriu que o ataque ao PM pode ter sido encenado, apontando a improbabilidade de alguém sobreviver a uma emboscado na estrada estreita onde aparentemente isso ocorreu.

Alkatiri afirmou que a Fretilin tem fotografias do carro de Xanana após o ataque com apenas dois buracos de balas. Quando o carro foi mostrado aos media tinha 16 buracos de balas. Após a sua rendição em 29 de Abril 29, o alegado líder da emboscada, o adjunto de Reinado Gastão Salsinha, negou ter disparado qualquer tiro contra Xanana.

Entretanto, a Fretilin condenou a maneira pela qual foi conduzida a rendição de Salsinha, que envolveu não apenas uma cerimónia oficial pública mas foi seguida por uma festa onde Salsinha e os seus seguidores beberam e dançaram com soldados e polícias do governo!

A ASDT-Fretilin pedem um inquérito internacional aos eventos de 11 de Fevereiro e sugeriu que a Austrália não deve estar envolvida devido a percepcionada interferência da Austrália nos assuntos de Timor-Leste. Contribuem para esta percepção a falta de responsabilização da ISF. Antes das eleições Australianas de Novembro, a ALP pediu que as forças Australianas fossem colocadas sob controlo da ONU. Contudo, desde que ganhou o poder, o governo Labor de Rudd tem mantido o estatuto independente da ISF.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.