sábado, maio 17, 2008

St Xanana's halo, and power, slipping

The Australian - May 17, 2008
Paul Toohey

Xanana Gusmao, his Australian wife Kirsty and their kids haven't been back to their home in the hills overlooking the East Timorese capital, Dili, since the morning of February 11, when his prime ministerial convoy was ambushed by a group of rebels. The family will never return to that home.

They have been living in a well-protected, Western-style compound near Dili's airport while Gusmao's new residence - a double-walled, steel-reinforced waterfront fortress near the Hotel Turismo - is completed.

Gusmao, 62, was security-conscious long before the ambush. He has been on high alert for more than two years, unable to move with ease among his people.

Things have changed much for Kay Rala Xanana Gusmao, once regarded as a god-like figure for his resistance to Indonesian rule. He has been stoned by youths, ambushed, abused and accused of being pro-Indonesian and of running a corrupted, incompetent government.

The halo has slipped and Gusmao is fighting - and, for his many supporters, not hard enough - to retain his authority. Once seen as the only possible legitimate leader of his country, all that is being stripped away. Gusmao looks - or is being made to look - like any other leader, routinely accused of arrogance and indecisiveness.

Long-time Timor watcher Mark Aarons says the powerful symbolism of Gusmao's freedom-fighting days in the mountains, and of him "sitting there like Mandela in his prison cell", have faded. "Part of that is he isn't a good bureaucrat or administrator, which is 90 per cent of what makes a prime minister," he says.

Some claims against Gusmao tend towards the extraordinary. Fretilin leader Mari Alkatiri has said he was never ambushed by rebels in February - that the whole thing was a stunt.

Other allegations arrive from mystery sources in your inbox. One is that Gusmao, when he led Falintil, the anti-Indonesian guerilla force, co-operated with the Indonesian military to "neutralise" more radical members of his own resistance. There is a heavy campaign afoot to bring Gusmao down. Justified or not, it appears to be having an effect.

In 2001, Gusmao was able to wander in an ecstatic 15,000-strong crowd in the lead-up to the Constituent Assembly vote, without visible security. He had a film camera around his neck and I counted that he'd taken more than 36 shots, suggesting the camera was empty.

The idea he was trying to convey was that it was the people, not him, who were important. They loved him then. Everyone wanted a piece of him. Most of all, they wanted Gusmao to be their prime minister but he, claiming that for the sake of national unity he wanted to be aligned to no party, opted for the less powerful position of president, which he duly became in 2002.

Commentators say that was his first big mistake: that he should have formed his own political party - or maybe joined the major party, Fretilin, and cracked the country into shape as prime minister.

He now stands accused, incredibly, of not giving enough of himself, despite running a 17-year insurrection and spending seven years in a Jakarta prison.

By standing back as the symbolic president, he allowed Fretilin to rule under Alkatiri as prime minister. That all fell apart in 2006, when the country was close to civil war. It was divided along east-west lines, and Gusmao told Alkatiri to stand aside. Timor was more or less in caretaker mode until last year's general election, when Gusmao finally decided to run for prime minister.

Gusmao formed a party, the Council for National Reconstruction of Timor, but didn't get it together until the last minute. Perhaps he thought the old magic would carry him past the post.

It didn't. His CNRT only got about 22 per cent of the vote and Fretilin - the "people's party" - got just under 30 per cent.

This meant Gusmao needed to form a coalition in order to govern. In recent months, his ruling Parliamentary Majority Alliance, or AMP, has been looking shaky.

Gusmao has tried to buy loyalty by appointing an incredible 47 ministers, vice-ministers or junior ministers in his tiny Government. But in doing so he has spread power too broadly.

His own coalition members and Fretilin have complained his ministers are either corrupt or former Indonesian "collaborators". On the corruption point, there's a lot of smoke but it is difficult to say. The lively Timorese media are heavy with gossip and innuendo - but they can report whatever they like. They're so broke, there's no point suing them. On Indonesian collaboration, it is certainly true. But so many East Timorese have collaborated, associated, or survived on the basis of Indonesian connections. Gusmao has disappointed many by refusing to condemn former militia leaders or massacre-leading Indonesian army commanders. Instead, he has often been seen embracing them.

Gusmao and the President, Jose Ramos Horta, seem prepared to forgive the crimes of corrupt exiled senior ministers, gun-toting rebels, militia leaders or Indonesian army generals in the interests of moving on with life. Ordinary criminals in Dili's prison must wish their crimes were as political.

It's all very well, if, like Gusmao, you've lived by the gun and known the satisfaction of engaging your enemy. But ordinary Timorese are confused.

Gusmao took a big delegation to Jakarta a fortnight ago and returned to Dili with the news that the army and police would train with their Indonesian counterparts.

The wisdom of these arrangements is questionable with so many Timorese still feeling the pain of the long Indonesian occupation and, particularly, the savage events of 1999.

Now, a former associate of Indonesian generals, businessman Tommy Winata, is rumoured to be looking around Dili to build a casino, with Gusmao's blessing. That is likely to test the mood of the powerful Catholic Church.

Ramos Horta recently described to me how Gusmao had once been "the unquestionable leader. Even the Timorese media, who always criticise everyone, were very lenient on him.

"I remember when John Paul II died we all went to mass in the cathedral. Xanana didn't show up. When I asked him, he said he forgot.

"The media didn't say anything. If we hadn't shown up, if poor Mari Alkatiri had not have shown up, we would have been savaged in the media.

"Today the situation ... is very different.

"Xanana has to do a lot to recover his authority."

Gusmao's AMP coalition holds 35 seats in the 65-seat parliament, though Fretilin, with 21 seats (in reality, 23 seats, as one minor party always votes with it), is breathing down the AMP's neck.

Three weeks ago the first cracks appeared when AMP coalition member ASDT, the Timorese Social Democratic Association, which holds five seats, announced it was aligning with Fretilin. The ASDT then changed its mind and said it was staying in the AMP, but it showed how fragile Gusmao's coalition is.

This week, the veterans' party - which holds two seats - very publicly announced for Gusmao's benefit it would join the AMP coalition. It was meaningless, because the two veterans always voted with the Government anyway. But it showed Gusmao had finally recognised he had a problem.

Timor watcher Aarons says Gusmao was diffident for too long on whether he wanted to take executive power. In standing back, Gusmao allowed returning exiles from Mozambique, Australia and Portugal to take control in the name of Fretilin - and that was costing him now.

Fretilin says it will do nothing to further inflame the country but is nevertheless working hard to end Gusmao's reign by courting minor parties. Elections are not due till 2012 but it wants early elections, next year, and has the support of Ramos Horta. Gusmao is strongly opposed. Despite their apparent public togetherness, the two leaders are not close. Gusmao took more than a month to get to Darwin to visit Ramos Horta after he'd been shot.

Some point to a precise moment when Gusmao lost his freedom of movement among his people. It was March 23, 2006, after almost 600 soldiers born in the west of the country abandoned their barracks claiming they were overlooked for promotion in the army, which was commanded by veterans of the resistance, who were more than likely born and raised in the east.

Gusmao gave a speech in which he asked whether the army would now be made up of only easterners with no westerners, because they were "all militia's children". It was supposed to be ironic, but East Timor doesn't do irony well and he offended both sides.

Many argue the comments legitimised the east-west divide and led to the ensuing chaos.

"I don't think he has understood the degree to which his standing has been diminished," says Aarons. Asked whether he could recover his position, Aarons says: "The signs aren't promising. He has not put together an effective administration and the only way he can recover his standing is for there to be improvements in people's daily lives, and that just doesn't seem to be happening yet."



A auréola e o poder de São Xanana, a decair

The Australian - Maio 17, 2008

Paul Toohey

Xanana Gusmão, a sua mulher Australiana e os seus filhos não regressaram à sua casa nos montes sobre a capital Timorense, Dili, desde a manhã de 11 de Fevereiro, quando a sua caravana de primeiro-ministro foi emboscada por um grupo de amotinados. A família nunca mais regressará aquela casa.

Têm estado a viver num complexo bem protegido, de estilo Ocidental perto do aeroporto de Dili enquanto a nova residência de Gusmão – uma fortaleza com paredes duplas, de aço reforçado frente ao mar perto do Hotel Turismo – não estiver terminada.

Gusmão, de 62 anos, estava preocupado com a segurança muito antes da emboscada. Ele tem estado em alerta alta há mais de dois anos, incapaz de se movimentar com facilidade entre o seu povo.

As coisas mudaram muito para Kay Rala Xanana Gusmão, em outro tempo visto como uma figura de deus pela sua resistência à governação Indonésia. Ele tem sido apedrejado por jovens, emboscado, abusado e acusado de ser pró-Indonésio e de dirigir um governo corrupto, incompetente.

A auréola decaiu e Gusmão está a lutar - e, para muitos apoiantes, não o suficiente – para reter a sua autoridade. Noutro tempo visto como o único possível lider legítimo do seu país, tudo isso se está a esvaziar. Gusmão parece – ou está a ser feito parecer -como qualquer outro líder, acusado rotineiramente de arrogância e indecisão.

Mark Aarons, à muito tempo observador de Timor diz que o simbolismo poderoso dos dias de luta pela liberdade de Gusmão nas montanhas, e dele "sentado lá como Mandela na sua cela de prisão", murchou. "Parte disso é por não ser um bom burocrata ou administrador, o que em 90 por cento é o que faz um primeiro-ministro," diz ele.

Algumas queixas contra Gusmão tendem para o extraordinário. O líder da Fretilin Mari Alkatiri disse que ele nunca foi emboscado por amotinados em Fevereiro -que tudo aquilo foi um truque.

Outras alegações chegam de fontes misteriosas às inbox. Uma é que Gusmão, quando liderava a Falintil, a força de guerrilha anti-Indonésia, cooperou com as forças militares Indonésias para "neutralizar" membros da sua própria resistência mais radicais. Está em curso uma grande campanha para derrubar Gusmão. Justificada ou não, parece que está a ter efeito.

Em 2001, Gusmão foi capaz de andar no meio duma multidão empolgada dumas 15,000 pessoas antes da votação para a Assembleia Constituinte sem segurança visível. Ele tinha uma câmara de filmar fotográfica pendurada ao pescoço e contei que ele tirou mais de 36 fotos, sugerindo que a câmara estava vazia.

A ideia que tentava passar era a de que as pessoas, não ele, é que eram importantes. Então, amavam-no. Toda a gente queria uma peça dele. A maioria deles, queriam que Gusmão fosse o seu primeiro-ministro mas ele, clamando que em nome da unidade nacional se queria manter fora de qualquer partido, optou pela posição menos poderosa de presidente, que a tempo se tornou em 2002.

Comentadores dizem que esse foi o seu primeiro grande erro: que ele devia ter formado o seu próprio partido político – ou talvez juntar-se a um partido grande, a Fretilin, e metido o país em forma, como primeiro-ministro.

Agora ele é acusado, incrivelmente, de não dar o suficiente de si próprio, apesar de ter conduzido uma insurreição de 17 anos e ter passado sete anos numa prisão em Jacarta.

Ao manter-se recuado como presidente simbólico, ele permitiu que a Fretilin governasse sob Alkatiri como primeiro-ministro. Tudo isso acabou em 2006, quando o país esteve perto duma guerra civil. Foi dividido ao longo de linhas este-oeste, e Gusmão disse a Alkatiri para sair. Timor ficou mais ou menos em modo de gestão até às eleições gerais do ano passado, quando Gusmão decidiu finalmente concorrer a primeiro-ministro.

Gusmão formou um partido, o Conselho para a Reconstrução Nacional de Timor, mas só o juntou no último minuto. Pensou que talvez a velha magia o levasse ao posto.

Isso não aconteceu. O seu CNRT apenas obteve cerca de 22 por cento dos votos e a Fretilin - o "partido do povo" – pouco menos de 30 por cento.

Isto significou que Gusmão precisou de formar uma coligação para governar. Nos últimos meses, a sua Aliança da Maioria Parlamentar do governo, ou AMP, tem parecido tremida.

Gusmão tem tentado comprar lealdade nomeando um incrível número de 47 ministros, vice-ministros ou Secretários de Estado no seu pequeno Governo. Mas fazendo isso ele espalhou o poder demasiadamente.

Membros da sua própria coligação e a Fretilin queixaram-se que os seus ministros são ou corruptos ou “colaboradores”Indonésios. Sobre o ponto da corrupção, há muito fumo mas é difícil dizer. Os animados media Timorenses estão cheios de boatos e insinuações – mas podem noticiar aquilo que quiserem. Estão tão falidos que não vale a pena processá-los. Sobre a colaboração Indonésia, é com certeza verdade. Mas tantos Timorenses colaboraram, associaram-se ou sobreviveram na base das conexões Indonésios. Gusmão desapontou muitos ao recusar condenar antigos líderes de milícia ou comandantes das forças armadas Indonésias que lideraram massacres. Em vez disso, foi visto muitas vezes a a abraçá-los.

Gusmão e o Presidente, José Ramos Horta, parecem preparados a perdoar os crimes de ministros corruptos exilados de topo, amotinados carregados de armas, líderes de milícias ou generais das forças armadas Indonésias em nome do interesse de avançar com a vida. Criminosos comuns na prisão de Dili devem desejar que os seus crimes fossem tão políticos.

Estava tudo muito bem se, como Gusmão, tivessem vivido pela lei da arma e conhecido a satisfação de engajar o inimigo. Mas os Timorenses comuns estão confusos.

Gusmão levou uma grande delegação a Jacarta quinze dias atrás e regressou a Dili com as notícias de que as forças armadas e a polícia iam formar-se com os seus contrapartes Indonésios.

É questionável o bom senso desses arranjos ainda com tantos Timorenses a sentirem a dor da longa ocupação Indonésia e, particularmente, os eventos selváticos de 1999.

Agora, há rumores dum antigo associado dos generais Indonésios, o homem de negócios Tommy Winata, andar à procura à volta de Dili para construir um casino, com a benção de Gusmão. É provável que isso teste o humor da poderosa Igreja Católica.

Ramos Horta recentemente descreveu-me como Gusmão tinha sido noutro tempo "o líder inquestionável. Mesmo os media Timorenses, que criticam sempre toda a gente, foi bastante comedido com ele.

"Lembro-me quando João Paulo II morreu e fomos todos à missa à catedral. Xanana não apareceu. Quando o questionei, ele disse que tinha esquecido.

"Os media nada disseram. Se não tivéssemos aparecido, se o pobre Mari Alkatiri não tivesse aparecido, os media tinham-nos massacrado.

"Hoje a situação ... é muito diferente.

"Xanana tem muito a fazer para recuperar a autoridade."

A coligação da AMP de Gusmão tem 35 lugares nos 65 do parlamento, apesar da Fretilin, com 21 lugares (na realidade, 23 lugares, dado que um partido pequeno vota sempre com ela), estar a partir o pescoço da AMP.

Há três semanas apareceu a primeira fenda quando um membro da coligação AMP, ASDT, a Associação Timorense Social Democrática, que tem cinco lugares, anunciou que ia alinhar com a Fretilin. Depois a ASDT mudou de ideia e disse que ficava na AMP, mas isso mostrou a fragilidade da coligação de Gusmão.

Esta semana, o partido dos veteranss – que tem dois lugares – anunciou publicamente que para beneficiar Gusmão se juntaria à coligação da AMP. Isso não tem sentido, porque os dois veteranos votaram sempre com o Governo de qualquer forma. Mas isso mostrou que Gusmão tinha finalmente reconhecido que tinha um problema.

Aaron o observador de Timor diz que Gusmão esteve indeciso durante demasiado tempo sobre se queria tomar o poder executivo. Ao manter-se recuado, Gusmão permitiu que os retornados exilados de Moçambique, Austrália e Portugal tomassem o controlo em nome da Fretilin – e está agora a pagar isso.

A Fretilin diz que nada fará para inflamar mais o país mas de qualquer modo está a trabalhar bastante para pôr fim ao reinado de Gusmão ao cortejar partidos mais pequenos. Não estão previstas eleições até 2012 mas quer eleições antecipadas, no próximo ano, e tem o apoio de Ramos Horta. Gusmão opõe-se fortemente. Apesar de aparentemente em público estarem juntos, os dois líderes não estão próximos. Gusmão demorou mais de um mês para ir a Darwin visitar Ramos Horta depois de ter sido baleado.

Alguns apontam um momento preciso quando Gusmão perdeu a sua liberdade de movimento entre o seu povo. Isso foi em 23 de Março de 2006, depois de quase 600 soldados nascidos no oeste do país abandonarem os seus quartéis queixando-se de que tinham sido ultrapassados na promoção nas forças armadas, que era comandada por veteranos da resistência, que mais do que provavelmente nasceram e cresceram no leste.

Gusmão fez um discurso onde perguntou se agora as forças armadas deviam ser constituídas apenas por gente do leste sem sente do oeste, porque eles eram "todos filhos de milícianos". Isso era suposto ser uma ironia, mas Timor-Leste não aceitou bem a ironia e ofendeu ambos os lados.

Muitos argumentam que os comentários legitimaram a divisão leste-oeste e levaram ao caos que se seguiu.

"Penso que ele não entendeu o grau em que diminuiu a sua posição," diz Aarons. Perguntado se podia recuperar a sua posição, Aarons diz: "Os sinais não são prometedores. Ele não juntou uma administração efectiva e a única maneira que pode recuperar a sua posição é se houver melhorias nas vidas do dia-a-dia das pessoas, e isso não parece estar ainda a acontecer."


East Timorese student goes missing

Fiji Times
Friday, May 16, 2008

Update: 5:23PM POLICE and the Fiji School of Medicine are urging members of the public to inform them if they are aware of the whereabouts of Mateus Da Silva Joao.

Mr Mateus Joao is a first year Pharmacy student of Fiji School of Medicine and is from East Timor.

According to information provided by FSM, Mateus was last seen at 5.30am yesterday morning at his residence at 68 Extension Street in Suva.

He was wearing black shorts and a black T-shirt and he is about 172 cm tall, dark hair with fair complexion.

If anyone has any information regarding his whereabouts please do call one of the following: Timoci Naleba: 3233508 or 9204145 or Solomoni Raravula: 3233841 or 9449173.


Estudante Timorense desapareceu Fiji

Sexta-feira, Maio 16, 2008
Actualização: 5:23PM

A Polícia e a Escola de Medicina das Fiji estão a pedir a membros da população para os informar se sabem por onde anda Mateus Da Silva João.

O Sr Mateus João é estudante do primeiro ano se Farmácia na Escola de Medicina das Fiji e é de Timor-Leste.

De acordo com informações dadas pela FSM, Mateus foi visto pela última vez às 5.30am de ontem na sua residência no 68 da Rua Extension em Suva.

Usava calções pretos e uma T-shirt preta e tem cerca de 172 cm de altura, cabelo escuro e pele clara.

Se alguém tem qualquer informações sobre a sua localização por favor ligue para um dos seguintes: Timoci Naleba: 3233508 ou 9204145 ou Solomoni Raravula: 3233841 ou 9449173.

Timor-Leste deu à CPLP "a extensão ao Pacífico", diz ministro da Defesa português

Díli, 16 Mai (Lusa) - O ministro da Defesa português, Nuno Severiano Teixeira, afirmou hoje em Díli que "Timor-Leste deu à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) aquilo que mais nenhum membro pode oferecer, a extensão ao Pacífico".

Nuno Severiano Teixeira chegou hoje a Díli para participar, este fim-de-semana, na X reunião dos ministros da Defesa da CPLP.

"Esta presença aqui é também um sinal de confiança e de consolidação nos valores democráticos, respeito pelos direitos humanos e desenvolvimento, as duas faces da mesma moeda", declarou Nuno Severiano Teixeira após um encontro da delegação da CPLP com o primeiro-ministro e ministro da Defesa timorense, Xanana Gusmão.

Nuno Severiano Teixeira teve também uma reunião bilateral com Xanana Gusmão, em que reafirmou o compromisso português na continuação dos programas da Cooperação Militar com Timor-Leste, o apoio às estruturas superiores das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), incluindo leis orgânicas e outros diplomas, além da formação de militares.

Ao abrigo de um programa da Cooperação Militar, Portugal ofereceu a Timor-Leste duas lanchas, que regressaram à actividade no início do ano depois de uma renovação total em estaleiros indonésios.

O apoio à Componente Naval das F-FDTL permitiu também a recuperação da Base Naval de Hera, a leste de Díli.

O Exército português teve uma presença discreta mas decisiva no comando conjunto da operação "Halibur" de captura do grupo responsável pelos ataques de 11 de Fevereiro contra o chefe de Estado e o primeiro-ministro.

"É reconhecido que três oficiais, sem apoio praticamente nenhum, conseguem desenvolver mais trabalho e obter mais relevância e reconhecimento das estruturas timorenses do que outras organizações com dezenas de cooperantes e com meios financeiros incomparáveis", afirmou recentemente à agência Lusa o tenente-coronel António Martins.

São apenas três os oficiais que asseguram as actividades de formação das F-FDTL, o chamado Projecto número 3, que, em oito anos, já envolveu 34 oficiais e 30 sargentos em quatro processos de recrutamento.

Em colaboração com a embaixada de Portugal, a Cooperação Militar assegura também cursos de Língua Portuguesa, com a consolidação de uma escola de português no Centro de Instrução Nicolau Lobato, em Metinaro, a leste da capital.

Antes do encontro com o chefe de Governo, a delegação de ministros da Defesa da CPLP assistiu a uma apresentação do brigadeiro-general Taur Matan Ruak, chefe do Estado-Maior-general das F-FDTL.

Os ministros e titulares da Defesa da CPLP visitaram também hoje o Parlamento Nacional timorense, onde foram recebidos pelo respectivo presidente, Fernando "La Sama" de Araújo.

A reunião ministerial da Defesa acontecerá sábado e domingo, com a assinatura da Declaração de Díli.

O ponto central do documento, por proposta portuguesa, é a aprovação do conceito de centros de formação de formadores militares, chamados Centros de Excelência, em diferentes países da CPLP.


Componente Naval no horizonte estratégico das Forças Armadas timorenses

Díli, 16 (Mai) - O brigadeiro-general Taur Matan Ruak, chefe do Estado-Maior, é o primeiro a reconhecer que "não há tradição naval" na meia-ilha que é Timor-Leste, mas é no mar que está o horizonte estratégico das suas Forças Armadas.

Díli recebe, este fim-de-semana, a X reunião dos ministros da Defesa da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). Governo e militares pretendem que a cooperação de defesa no espaço lusófono ajude a concretizar a modernização das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL).

A falta de recursos humanos é o principal obstáculo à concretização da modernização das F-FDTL, como afirmou o secretário de Estado da Defesa, Júlio Tomás Pinto, em entrevista à agência Lusa.

Uma força de três mil homens com uma componente naval, privilegiando destacamentos de fuzileiros e embarcações ligeiras, capaz de proteger as águas territoriais e os interesses timorenses no Mar de Timor, é o horizonte estratégico das F-FDTL.

O caderno estratégico para o futuro das forças armadas timorenses, mais conhecido como relatório "2020", sublinha a herança da guerrilha e das Falintil, equaciona a defesa da fronteira com a Indonésia mas perspectiva o mar, sobretudo o Mar de Timor (a sul da ilha), como horizonte mais importante dos desafios à segurança e integridade do país.

O extenso caderno, que define em detalhe as estratégias de curto, médio e longo prazo, perspectiva um Exército de três mil homens "nos próximos 15-20 anos, sendo necessário redefinir a missão principal".

"No quadro do relacionamento de Timor-Leste com o mar, defende-se que o país deve dispor de uma Força Naval Ligeira com quatro vectores principais a desenvolver sistematicamente de uma forma integrada", segundo o relatório.

"A Força Naval Ligeira deve possuir uma capacidade de desencorajar qualquer acto de humilhação do Estado de Timor-Leste no mar, ou atentatório dos seus interesses vitais", lê-se no caderno estratégico.

O quarto vector dessa Força refere "navios combatentes (classe de fragatas e corvetas, incorporado com mísseis terra-terra e terra-ar)" e apoiada por um "núcleo de navios patrulha oceânicos, unidade de helicópteros de apoio e ataque, radares e sensores da última gama, Fuzileiros Navais e mergulhadores para contra-medidas de minas".

Timor-Leste e a China assinaram em Abril de 2008 um memorando de entendimento para a construção de dois navios de patrulha oceânica, de 43 metros, que poderão estar em águas timorenses em 2010 se o acordo se concretizar.

As F-FDTL dispõem já de uma Componente Naval com duas lanchas oferecidas por Portugal, além da formação das tripulações e da recuperação da Base Naval de Hera, a leste de Díli.

A Componente Naval ocupa o lugar relevante no horizonte estratégico das F-FDTL, apesar de o caderno "2020" referir a "herança" da guerrilha e considerar, em cada valência da futura Força, os ensinamentos de 24 anos de resistência à ocupação indonésia (1975-1999), além de se preocupar com a segurança da fronteira terrestre com a Indonésia.

O documento suscitou a condenação liminar da Austrália, após uma notícia num jornal com o título "Plano secreto de mísseis para forças armadas de Timor-Leste", sobre o relatório "2020".

Alexander Downer, ex-ministro australiano dos Negócios Estrangeiros, reagiu à notícia considerando a estratégia timorense "completamente irrealista".

Timor-Leste "não pode pagar" uma Marinha de guerra equipada com mísseis e o país "deveria concentrar os seus recursos no desenvolvimento da economia, educação e saúde para o seu povo", afirmou o então chefe da diplomacia australiana.

"As responsabilidades com a soberania nacional não podem ser transferidas para países terceiros", sublinham os autores da Força 2020, um documento com data de 20 de Julho de 2006, elaborado durante quase dois anos, mas apenas com circulação confidencial até Junho de 2007.

Só essa estratégia, explica o documento, tornará as forças armadas "eficazes e merecedoras da credibilidade nacional, através de medidas que se enquadrem na cultura e realidade timorenses, sem serem influenciadas por desconfianças e miopias político-militares e pelos interesses de países terceiros".

"Nesta tarefa importa ter presente que Timor-Leste não pode perder a capacidade de se defender no mar e de cuidar dos seus principais recursos aí localizados, o que implica ter uma Componente Naval verdadeiramente operaciona", sublinha o documento.

O relatório dedica especial atenção ao entrosamento de forças de actuação em terra e no mar e a "necessidade" de constituir uma força de fuzileiros com grande mobilidade e capacidade.

"Eu sei bem que não temos tradição naval. Por isso é importante começarmos já e aprender com a experiência", afirmou Taur Matan Ruak às suas tropas pouco depois de concluído o relatório "2020".


Timor-Leste "não tem inimigos", diz secretário de Estado Defesa

Díli, 16 Mai (Lusa) - O secretário de Estado da Defesa de Timor-Leste, Júlio Tomás Pinto, afirmou que o país "não tem inimigos" e que a cooperação militar timorense deve ser feita com diferentes países dentro e fora da região.

"Timor-Leste não tem ameaças externas", frisou Júlio Tomás Pinto, em entrevista à Agência Lusa, em Díli, onde a partir de sábado se realiza a X reunião de ministros da Defesa da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O secretário de Estado declarou que Timor-Leste acolheria bem a ideia de uma força conjunta dos países lusófonos, que poderia surgir na sequência dos centros de excelência militar que Portugal colocou em agenda na reunião de Díli.

"Vamos discutir um grupo conjunto, mas antes discutir os centros de formação de formadores, em que temos grande interesse", afirmou o secretário de Estado da Defesa.

A realização da reunião de ministros da Defesa da CPLP "é uma indicação de que a segurança no país é normal e que Timor-Leste quer dar uma contribuição".

Júlio Tomás Pinto sublinhou que os interesses de defesa de Timor-Leste apontam para que a cooperação seja feita com países da CPLP, mas também com a Austrália e a Nova Zelândia, a China e, "no futuro, a Indonésia e a Malásia" e o espaço da ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático).

"Queremos atingir uma capacidade de garantir a nossa própria segurança. Nós somos diferentes de outros países na região do Pacífico porque lutámos durante 24 anos naquilo que parecia uma missão impossível", declarou Júlio Tomás Pinto.

O secretário de Estado da Defesa, um académico doutorado na Indonésia em estudos estratégicos e de defesa, é um dos membros mais jovens do IV Governo Constitucional, dirigido pelo primeiro-ministro e ministro da Defesa, Xanana Gusmão.

Júlio Tomás Pinto referiu a importância de integrar na evolução das Forças Armadas timorenses a memória da resistência com conceitos estratégicos modernos.

"Não é fácil reformar os veteranos. Precisamos de uma transição de cinco anos para preparar as Forças Armadas, de forma a garantir que, com a saída dos veteranos, não haverá problemas", salientou o governante timorense.

Júlio Tomás Pinto recordou que Timor-Leste dispõe de um caderno de orientação estratégica para o futuro das suas Forças Armadas, o relatório "2020", desenvolvido por um grupo que integrou oficiais timorenses, portugueses e australianos.

Na "visão 2020", como também é referido o caderno de orientação estratégica timorense, acentua-se a importância da segurança das águas territoriais, onde se situam os recursos vitais do Mar de Timor.

A Polícia Marítima com ligação a uma Componente Naval são duas linhas estratégicas no futuro das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), afirmou Júlio Tomás Pinto na entrevista à Lusa.

O secretário de Estado da Defesa refere que o maior desafio é o dos recursos humanos, sem o qual Timor-Leste não conseguirá atingir os objectivos do caderno "2020".

Vários programas de cooperação estão em curso com diferentes países. A Cooperação Militar Portuguesa actua em diferentes áreas, desde a assessoria ao Estado-Maior das F-FDTL até à formação de oficiais no Centro de Instrução de Metinaro e à formação da Componente Naval, com duas lanchas oferecidas por Portugal.

Timor-Leste assinou recentemente um acordo com o Programa de Defesa Australiano para o aumento de assessores militares no país e a formação em operações de manutenção de paz e de engenharia militar.

"Queremos que a formação de base das F-FDTL seja dada por Portugal, com um padrão-NATO. A formação especializada será dada por países como a Austrália e a Nova Zelândia", explicou Júlio Tomás Pinto.

Com a República Popular da China, "não há ainda acordo mas estão em curso contactos para a construção do quartel-general das F-FDTL e do Ministério da Defesa, em Díli, e a construção de cem casas para os militares em Metinaro", a leste de Díli, informou o governante.

Timor-Leste e a China assinaram um memorando de entendimento para a construção de dois navios de patrulha oceânica, de 43 metros, que poderão estar em águas timorenses em 2010 se o acordo for cumprido.

A reunião de ministros da CPLP estava prevista para o final de 2007, mas foi adiada para 2008 na sequência da violência que marcou as semanas posteriores à indigitação de Xanana Gusmão para a chefia do Governo, em Agosto de 2007.

O país voltou a viver momentos dramáticos em Fevereiro último quando um grupo liderado pelo ex-comandante da Polícia Militar major Alfredo Reinado atacou a residência do Presidente da República, que acabou gravemente ferido.

No mesmo dia, o ex-tenente Gastão Salsinha atacou a coluna onde seguia o primeiro-ministro.






No dia 20 de Maio de 2008, nas 13 Capitais de Distrito
Informação à Imprensa

Dili, 16 de Maio de 2008

O reconhecimento e a valorização universal da resistência timorense e do contributo de todos os que lutaram pela independência nacional, são princípios fundamentais consignados no Artigo 11° da Constituição da República Democrática de Timor-Leste.

Continuando o processo de reconhecimento em curso, iniciado a 28 de Novembro de 2006, terão lugar, no próximo dia 20 de Maio em todas as capitais de Distrito, 13 Cerimónias de Condecoração na Ordem Nicolau Lobato, integradas nas comemorações oficiais do VI Aniversário da Restauração da Independência.

O carácter simbólico deste agradecimento público e a natureza específica da medalha concedida por honrosos serviços prestados à Nação, cumprem a dimensão moral e constitucional de reconhecimento e valorização da resistência e homenagem do Estado aos Heróis Nacionais.

Os 1.513 cidadãos a ser proximamente homenageados, foram propostos pela "Comissão de Homenagem, Supervisão do Registo e Recursos" e correspondem a nomes registados na Base de Dados dos Combatentes da Libertação Nacional.

A Comissão de Homenagem, Supervisão do Registo e Recurso tomou posse a 13 de Setembro de 2006 e sob tutela desta entidade ficaram as matérias relativas à supervisão do processo de concessão de condecorações do Estado e dos actos de homenagem pública aos Combatentes da Libertação Nacional.

A impossibilidade objectiva de agraciar todos em simultâneo, obriga à determinação de fases no processo de reconhecimento público. A selecção e número de Combatentes a agraciar no próximo dia 20 de Maio, foi condicionada pelo tipo e quantidade de medalhas existentes em stock no País.

Todos os Combatentes, correspondentes à primeira fase de registo, serão, nos precisos termos previstos na Lei, homenageados pelo Estado de Timor-Leste, pela dedicada e honrosa colaboração prestada à luta pela Independência Nacional, em cerimónias de homenagem a ter lugar em datas a anunciar posteriormente.

Na sequência dos anteriores actos públicos solenes de reconhecimento, seguem-se agora as cerimónias de homenagem, relativas à entrega, em nome do Estado de Timor-Leste e de Sua Excelência o Presidente da República - Dr. José Ramos-Horta, do título honorífico atribuído pela Medalha da Ordem Nicolau Lobato.

Serão condecorados no dia 20 de Maio de 2008, 1.409 cidadãos timorenses que actuaram maioritariamente como Civis na Frente Clandestina por mais de oito anos e 104, a quem é prestada póstuma homenagem, que morreram depois do período da Guerrilha, na sua grande maioria vítimas da violência que assolou o território de Timor-Leste a seguir ao anúncio do Referendo de 1999 ou aqueles que, embora Combatentes da Libertação Nacional, vieram a morrer por doença dentro das Vilas.

Desde 28 de Novembro de 2006, em 24 cerimónias públicas solenes, foram condecorados, por Decreto Presidencial, em 7 das 8 Ordens Honoríficas Timorenses, 13.889 cidadãos que participaram na resistência contra a ocupação estrangeira, dos quais 84% (11.688 Mortos) dedicaram as suas vidas à luta pela independência e soberania nacional.



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.